Structure of the Landscape and Quality of Dystrophic Red Oxisols (Estrutura da Paisagem e Qualidade de Latossolos Vermelhos Distróficos)

Joaquim Ernesto Bernardes Ayer, Mariana Raniero, Lucas Emanuel Servidoni, Diogo Olivetti, Marx Leandro Naves Silva, Ronaldo Luiz Mincato

Resumo


The modeling of the soil system based on geostatistical techniques, geographic information systems and remote sensing allows the identification, monitoring and the sustainable use of soil resources. Thus, the interaction between the attributes of the landscape (or independent variables) and the physical and chemical attributes (or dependent variables) of Dystrophic Red Oxisols in the South of Minas Gerais State was evaluated. Twenty-three soil samples were correlated by linear and nonlinear regression models, by overlapping landscape variables such as composition, configuration and relief, with physical and chemical attributes of the soils. The models were ranked according to Akaike information criterion, which indicates direct relationships between the organic matter contents and average slope gradient; between geometric mean diameter and the adopted management and slope gradient. Clay content, percentage of native forest, landscape average slope gradient, and sum of exchangeable bases were conditioned mainly by the slope of the sampled area and the shape of the forest fragments. Thus, the attributes are explained mainly by the relief, which restricts the uses and allows the preservation of the forests, besides the types of management adopted in the different uses and the relative abundance of native forests. Therefore, the use of conservationist practices and the improvement of management practices, as well as compliance with the environmental law tend, in the long term, to result in more preserved and more sustainable soils for agricultural activities, reducing morphogenesis processes in relation to those of pedogenesis.

 

 

 

R E S U M O

A modelagem do sistema solo a partir de técnicas geoestatísticas, sistemas de informação geográfica e sensoriamento remoto permite identificar, monitorar e utilizar de forma sustentável os recursos pedológicos. Assim, foi avaliada a interação entre os atributos da paisagem, ou variáveis independentes, sobre os atributos físicos e químicos ou variáveis dependentes de Latossolos Vermelhos distróficos do sul do Estado de Minas Gerais. Vinte e três amostras de solo foram correlacionadas por modelos de regressão lineares e não-lineares, com o cruzamento de variáveis da paisagem, como composição, configuração e relevo, com atributos físicos e químicos dos solos. Os modelos foram hierarquizados pelo critério de informação de Akaike, que indicam relações diretas entre os teores de matéria orgânica e a declividade média da paisagem; entre o diâmetro médio geométrico com o manejo adotado e a declividade. Os teores de argila, a porcentagem de mata nativa, a declividade média da paisagem e a soma de bases trocáveis foram condicionados, principalmente, pela declividade no local amostrado e forma dos fragmentos florestais. Os resultados apontam que os atributos são explicados principalmente pelo relevo, que restringe os usos e possibilita a preservação das matas, além dos tipos de manejo adotados nos diferentes usos e a abundância relativa de matas nativas. Portanto, o emprego de práticas conservacionistas e a melhoria das práticas de manejo assim como o respeito à legislação ambiental, tendem, em longo prazo, resultar em solos mais conservados e sustentáveis para as atividades agropecuárias, reduzindo os processos de morfogênese em relação aos de pedogênese.

Palavras-chave: geoprocessamento, modelagem ambiental, paisagens agropecuárias.


Palavras-chave


Agricultural Landscapes, Environmental Modeling, Geoprocessing

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Andrade, N.S.F., Marcilio, V.M.F., José, L.R.T., 2011. Impacto técnico e econômico das perdas de solo e nutrientes por erosão no cultivo da cana-de-açúcar. Engenharia Agrícola 31, 539-550.

Ayer. J.E.B., Olivetti, D., Mincato, R.L., Silva, M.L.N., 2015. Erosão hídrica em Latossolos Vermelhos distróficos. Pesquisa Agropecuária Tropical 45,180-191.

Bertol, I., Schick, J., Batistela, O., 2001. Razão de perdas de solo e fator C para milho e aveia em rotação com outras culturas em três tipos de preparo de solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 26, 545-552.

Bertoni, J., Lombardi Neto F., 2012. Conservação do solo. 8 ed. Ícone, São Paulo.

Black, C.A., 1986. Methods of soil analysis. Part I: Physical and mineralogical methods. 2 ed. American Society of Agronomy and Soil Science Society of America, Madison.

Blanco, H., Lal, R., 2008. Principles of soil conservation and management. Springer, Heidelberg.

Bolker, B., 2008. Ecological Models and Data in R. Princeton University Press, Princeton.

Brasil, Serviço Geológico do Brasil. 2010. Carta Geológica: Folha Alfenas, SF – 23 – V – D –II. UFRJ: Rio de Janeiro. Available: http://www.cprm.gov.br/. Acesso: 02 Mai. 2017.

Brasil, 2012. Lei nº 12.651, de 25 de Maio. Available: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03_ato2007-010/2008/decreto6514.htm. Acesso: 20 sept. 2016.

Burnham, K.P., Anderson, D.R., 2002. Model selection and multimodel inference: A practical Information-Theoretic Approach. 2 ed. Springer-Verlag, New York.

Conceição, P.C., Amado, T.J.C., Mielniczuk, J., Spagnollo, E., 2005. Qualidade do solo em sistemas de manejo avaliada pela dinâmica da matéria orgânica e atributos relacionados. Revista Brasileira de Ciência do Solo 29, 777-788.

Conceição, J.C.P.R., Barros, A.L.M., 2005 Certificação e Rastreabilidade no agronegócio: Instrumentos cada vez mais necessários. Instituto de Pesquisa e Economia Aplicada, Brasília.

Chorley, R.J., Kennedy, B.A., 1971. Physical Geography: A systems approach. Prentice Hall International, London.

De Maria, I.C, Lombardi Neto, F., 1997. Razão de perdas de terra e fator C para sistemas de manejo da cultura do milho. Revista Brasileira de Ciência do Solo 21, 263-270.

EPAMIG. Empresa agropecuária de Minas Gerais, 2012. Manual de análise de solos. Belo Horizonte.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 1998. Análises químicas para avaliação da fertilidade do solo: Métodos Usados na Embrapa Solos. Rio de Janeiro.

Fahrig, L., Baudry, J., Brotons, L., Burel, F.G., Crist, T.O., Fuller, R.J., Sirami, C., 2011. Functional landscape heterogeneity and animal biodiversity in agricultural landscapes. Ecology Letters 14, 101-12.

Fiener, P., Auerswald, K., 2006. Rotation effects of potato, maize and winter wheat on water erosion from cultivated land. In: Horn, R., Fleige, H., Peth, S., Peng, X. (eds). Soil Management for Sustainbility. Advances in Geoecology 38. Catena Verlag GMBH, Reiskirchen, pp. 273-280.

Fundação SOS Mata Atlântica, INPE. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2013. Atlas dos Municípios da Mata Atlântica-período 2011-2012, São José dos Campos.

Grunwald, S., 2006. Environmental soil-landscape modeling: geographic information technologies and pedometrics. CRC Press - Taylor & Francis Group, Boca Raton.

Hasui, Y.A., 2010. Grande Colisão Pré-Cambriana do Sudeste Brasileiro e a Estruturação Regional. Geociências 29, 141-169.

Kemper, W.D., Chepil, W.S., 1965. Size distribution of aggregates. In: Black C.A (ed). Methods of soil analysis, Part1. 2 ed. Soil Science Society of America, Madison, pp.495-509.

Kemper, W.D., Rosenau, R.C., 1986. Aggregate stability and size distribution. In: Klute, A. (ed). Methods of soil analysis. 1 ed. Soil Science Society of America, Madison, pp. 425-442.

Lemos, R.C., Santos, R.D., 2005. Manual de descrição e coleta de solos no campo, 5 ed. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa.

Londres, F., 2011. Agrotóxicos no Brasil: um guia para ação em defesa da vida, 1 ed. Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa, Rio de Janeiro.

Martins, S.G., Silva, M.L.N., Avanzi, J.C., Curi, N., Fonseca S., 2010. Fator cobertura e manejo do solo e perdas de solo e água em cultivo de eucalipto e em Mata Atlântica nos Tabuleiros Costeiros do Estado do Espírito Santo. Scientia Forestalis 38, 517-526.

McGarigal, K., Marks, B.J., 1995. Fragstats: spatial pattern analysis program for quantifying landscape structure. Department of Agriculture, Forest Service. Pacific Northwest Research Station, Portland.

Morgan, R.P.C., Nearing, M.A., 2011. Handbook of erosion modeling. Wiley-Blackwell, Oxford.

Mohammad, A.G., Adam, M.A., 2010. The impact of vegetative cover type on runoff and soil erosion under different land uses. Catena 81, 97-103.

Oliveira, A.M.M., Pinto A.S., Lombardi Neto F., 2007. Caracterização de indicadores da erosão do solo em bacias hidrográficas com o suporte de geotecnologias e modelo preditivo. Estudos Geográficos 5, 63-86.

Pimentel, D., Harvey, C., Resosudarmo, P., Sinclair, K., Kurz, D., McNair, M., Crist S., Shpritz, L., Fitton, L., Saffouri, R., Blair, R., 1995. Environmental and Economic Costs of Soil Erosion and Conservation Benefits. Science 267,1117-1122.

Prochnow, D., Dechen, S.C.F., De Maria, I.C., Castro, M., 2005. Razão de perdas de terra e fator C da cultura do cafeeiro em cinco espaçamentos, em Pindorama (SP). Revista Brasileira de Ciência do Solo 29, 91-98.

Ribeiro, M.C., Martensen, A.C., Metzger, J.P., Tabarelli, M., Scarano, F., Fortin, M.J., 2011. The Brazilian Atlantic Forest: a shrinking biodiversity hotspot. In: Zachos, F.E.; Habel, J.C. (eds) Biodiversity hotspots. Heidelberg, Springer-Verlag, pp. 406–434.

Roloff, G., Bertol, O.J., 1998. Método para a estimativa da cobertura do solo e da altura do dossel de algumas culturas de verão. Revista Brasileira de Ciência do Solo 22, 319-327.

Roose, E.J., 1977. Application of the Universal Soil Loss Equation of Wischmeier and Smith in West Africa. In: Greenland, D.J.; Lal R. (eds) Soil conservation and management in the humid tropics. John Wiley & Sons, Chichester, pp.177-187.

Servidoni, L.E., Ayer, J.E.B., Silva, M.L.N., Spalevic, V., Mincato, R.L., 2016. Land use capacity and environment services. Revista Brasileira de Geografia Física 9, 1712-1724.

Sparovek, G., Van Lier, Q.J., Dourado Neto, D., 2007. Computer assisted Köppen climate classification: a case study for Brazil. International Journal of Climatology 27, 257-266.

UNFPA. Fundo de Populações das Nações Unidas, 2012. Relatório sobre a Situação da População Mundial 2012. ONU - Organização das Nações Unidas. Nova York.

Vezzani, F.M., Mielniczuk, J., 2009. Uma visão sobre qualidade do solo Revista Brasileira de Ciência do Solo 33, 743-755.

Vitorino, A.C.T., Ferreira, M.M., Curi, N., Lima, J.M., Silva, M.L.N., Motta, P.E.F., 2003. Mineralogia, química e estabilidade de agregados do tamanho de silte de solos da Região Sudeste do Brasil. Pesquisa Agropecuária Brasileira 38, 133-141.

Wischmeier, W.H., Smith, D.D., 1978. Predicting rainfall erosion losses. A guide to conservation planning. Supersedes Agriculture Handbook. U.S.Department of Agriculture, Washington.

Zolin, C.A., Folegatti, M.V., Mingoti, R., Román, R.M.S., Paulino, J., Gonzáles, A.M.G.O., 2011. Minimização da erosão em função do tamanho e localização das áreas de floresta no contexto do programa “conservador das águas”. Revista Brasileira de Ciência do Solo 35, 2157-2166.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.1.p070-084

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License