Análise da Vulnerabilidade Erosiva Para a Bacia Hidrográfica do Ribeirão Conquistinha no Oeste de Minas Gerais, Brasil

Janiel Lopes de Oliveira, Manfred Fehr

Resumo


RESUMO

A erosão do solo é um indicador de degradação no meio físico, situação que causa prejuízo econômico e ambiental. Diante dessa problemática, essa pesquisa teve como objetivo analisar a vulnerabilidade erosiva para a bacia hidrográfica do ribeirão Conquistinha no Oeste de Minas Gerais. Foi aplicada a metodologia de análise multicritério de acordo com propostas da literatura. Em primeiro momento, realizou-se a confecção do banco de dados com as unidades de análise (componentes litológicos, aspectos geomorfológicos, solos, influência climática (chuva), vegetação nativa com cobertura predominante), seguido da identificação dos componentes formadores de cada unidade e a atribuição dos valores de vulnerabilidade à cada componente. Posteriormente foi realizado o cruzamento entre os valores individuais dos componentes para obtenção dos pesos representativos à cada unidade de análise. Em seguida, realizou-se o cruzamento entre os pesos obtidos para as unidades de análise, tendo como resultando a vulnerabilidade erosiva para a bacia hidrográfica. Os resultados são: alta vulnerabilidade erosiva (23.43%), média vulnerabilidade erosiva (27.72%), baixa vulnerabilidade erosiva (31.50%), muito baixa vulnerabilidade erosiva (17.34%).

Palavras – chave: Erosão do solo; Unidades de análise; Análise multicritério.

 

Analysis of the Erosive Vulnerability of the Watershed of the Conquistinha Stream in the West of Minas Gerais, Brazil

 

A B S T R A C T

Soil erosion is an indicator of degradation in the physical environment, which causes economic and environmental damage. Given this problem, this research aimed to analyze the erosive vulnerability to the Conquistinha stream watershed in West of Minas Gerais. The methodology of multicriteria analysis, was applied according to literature proposals. In the first stage, the database was prepared with the units of analysis (lithologic components, geomorphological aspects, soils, climatic influence (rainfall), native vegetation with predominant cover), followed by the identification of the formation components of each unit and the attribution of vulnerability values to each component. Subsequently, the individual component values were cross-checked to obtain representative weights for each unit of analysis. Then, the weights obtained for the analysis units were crossed, resulting in erosive vulnerability to the river basin. The results are: high erosive vulnerability (23.43%), medium erosive vulnerability (27.72%), low erosive vulnerability (31.50%), very low erosive vulnerability (17.34%).

Keywords: Soil erosion; Analysis units; Multicriteria analysis.


Palavras-chave


Bacia Hidrográfica; Unidades de Análise; Análise Multicritério.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, W. S., et al., 2019. Análise do uso da terra, da cobertura vegetal e da moformetria da bacia do Ribeirão Douradinho, no sudoeste de Goiás, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 12. Disponível: https://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/236063 . Acesso: 30 set. 2019.

Aquino, A. R., et al., 2017. Vulnerabilidade ambiental. In: Aquino, A. P., Paletta, F. C., Almeida, J. R. (Org.), Vulnerabilidade Ambiental. Blucher, São Paulo, pp. 15 – 28. Disponível: http://doi.org/10.5151/9788580392425-02

Botelho, R. G. M.; Silva, A. S., 2014. Bacia Hidrográfica e Qualidade Ambiental. In: Vitte, A. C., Guerra, A. J. T. (Org). Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, pp. 153 - 192.

BRASIL, 2012. Lei 12.651, de 25 de maio.

CODEMIG – Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, 2017. Programa de mapeamento geológico do Estado de Minas Gerais, projeto Triângulo Mineiro. Folhas Uberaba – Igarapava, escala 1:100.000. Belo Horizonte.

Carmo, M. E., Guizardi, F. L., 2018. O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, n. 3, p. 1-14. Disponível: https://doi.org/10.1590/0102-311x00101417

Crepani, E., et al., 2001. Sensoriamento remoto a geoprocessamento aplicado ao Zoneamento Ecológico-Econômico e ao Ordenamento Territorial, São José dos Campos, 124 p. (INPE-8454-PRQ/722).

Cunha, S. B. da., Guerra, A. J. T., 2010. Degradação Ambiental. In: Guerra, A. J. T., Cunha, S. B. (Org.). Geomorfologia e Meio ambiente, 8ª ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, pp. 337 – 381.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2018. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5ª ed., rev. e ampl. − Brasília, DF.

Fiorese, C. H. U., Leite, V. R., 2018. Dinâmica do uso e cobertura do solo na sub-bacia hidrográfica do ribeirão Estrela do Norte no Município de Castelo, Estado do Espírito Santo. AGRARIAN ACADEMY, Centro Científico Conhecer – Goiânia [online] 5. Disponível: https://doi.org/10.18677/Agrarian_Academy_2018B6

Frota Filho, A. B., 2016. Análise da vulnerabilidade erosiva da Bacia Hidrográfica Colônia Antônio Aleixo. Dissertação (Mestrado em Geografia). Manaus – AM, Universidade Federal do Amazonas.

Fushimi, M, 2012. Vulnerabilidade Ambiental aos processos erosivos lineares nas áreas rurais do município de Presidente Prudente -SP. Dissertação (Mestrado). Presidente Prudente, FCT - UNESP.

Guerra, A. J. T, 2014. Degradação dos solos – Conceitos e temas. In: Guerra, A. J. T., Jorge, M. C. O., (Org.). Degradação dos solos no Brasil. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, pp. 15 – 46.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2013. Manual técnico de uso da terra. 3ª edição, IBGE, Rio de Janeiro.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2017. Produção Agrícola – Lavoura Temporária. IBGE, estimativa, 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia, 2010. Normais Climáticas do Brasil. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/clima/normaisclimatologicas

Joia, P. R., Anunciação, V. S., Paixão, A. A., 2017. Implicações do uso e ocupação do solo para o planejamento e gestão ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Aquidauana, Mato Grosso do Sul. INTERAÇÕES, Campo Grande, MS [online] 19. Disponível: http://doi.org/10.20435/inter.v19i2.1404

Kohori, C. B., Piroli, E. L., 2018. Dinâmica do uso da terra nas áreas de preservação permanente do alto curso da bacia do ribeirão dos ranchos – Adamantina/SP. Revista Formação [online] 25. Disponível: http://doi.org/10.33081/formacao.v25i46.5532

Lepsch, I. F., 2010. Formação e conservação dos solos, 2ª ed. Oficina de Textos, São Paulo – SP.

Lima, M. M. P., Silva, L., 2018. Análise da Vulnerabilidade Natural da Bacia Hidrográfica do Rio Banabuiú, com Apoio de Geotecnologia. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 11. Disponível: http://doi.org/10.26848/rbgf.v11.4.p1442-1457

Lorenzi, H, 2008. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 5.ed. Instituto Plantarum de Estudos da Flora, v. 1, 384 p.

Macedo, R. R., Mendes, R. L. R., Costa, T., 2018. Sistema de Informação Geográfica (SIG) aplicado a gestão de recursos naturais. Atlas do aproveitamento de água da chuva nas ilhas de Belém – iniciativas, demandas e potencialidades. Geo UERJ [online] 32. Disponível: https://doi.org/10.12957/geouerj.2018.29876

Machado, F. B. M., et al., 2016. Relação da qualidade da água e cobertura da terra em microbacia antropizada do Cerrado Mineiro. Revista de Ciências Agroambientais, Alta Floresta, MT, UNEMAT, 14, 28 - 36.

Magalhães, V. L., Cunha, J. E., Nóbrega, M. T., 2014. Indicadores de vulnerabilidade ambiental. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 7. Disponível: http://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/233166

Marcatto, F. S., Silveira, H., 2016. Relação entre as propriedades físico-hídrica dos solos e os tipos de uso da terra como subsídios ao manejo e conservação do solo e da água na bacia hidrográfica do rio Pirapó, PR. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 9. Disponível: http://periodicos.ufpe.br/revista/rbgfe/article/view/233923

Masullo, Y. A. G., et al., 2019. Dinâmica da paisagem da bacia hidrográfica do rio Itapecuru – MA. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 12. Disponível: http://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/239807

MINAS GERAIS, 2013. Lei 20.922, de 16 de outubro.

Moura, A. C. M., 2007. Reflexões metodológicas como subsídio para estudos ambientais baseados em análise de multicritérios. Anais XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, Brasil, INPE. p. 2899-2906.

Neves, J. C., 1977. Áreas e recursos florestais do Estado de Minas Gerais. Recursos naturais, meio ambiente e poluição - 2. Rio de Janeiro, IBGE, Diretoria Técnica, SUPREN.

Novais, G.T., 2011. Caracterização climática da mesorregião do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba e do entorno da Serra da Canastra (MG). Dissertação (Mestrado). Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia.

Novo, E. M. L. de M., Ponzoni, F. J., 2001. Introdução ao Sensoriamento Remoto. São José dos Campos – SP. Disponível em: http://www.dpi.inpe.br/Miguel/AlunosPG/Jarvis/SR_DPI7.pdf

Oliveira, J. L. de., Abdala, V. L., 2016. Análise sobre o uso e ocupação do solo no alto curso do Ribeirão Conquistinha em Uberaba – Minas Gerais. 3ª Simpósio de Pós-graduação do IFTM. Uberaba. Anais v. 3, Uberaba/MG/ ISSN 2359-0130. Disponível em: http://www.iftm.edu.br/simpos/2016/Trabalhos/20160109

Oliveira, L. A., 2012. Análise da qualidade de obtenção de classes de solos, no município de Uberlândia/MG, utilizando-se sistema de informação geográfica – SIG. Caminhos de Geografia - revista. Uberlândia v. 13, n. 44 Dez/2012 p. 113–127.

Oliveira, M. A. T., 2007. Processos erosivos e preservação de áreas de risco de erosão por voçorocas. In: Guerra, A. J. T, Silva, A. S., Botelho, R. G. M. (org.). Erosão e Conservação dos Solos – Conceitos, Temas e Aplicações. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 3ª ed., p. 60 – 94.

Tôsto, S. G., Pereira, L. C.; Tôsto, K. L., 2013. Zoneamento da erosão do solo como instrumento de planejamento ambiental. In: SEABRA, G. (Org.). Terra: qualidade de vida, mobilidade e segurança nas cidades. Editora da UFPB, João Pessoa, PB. pp. 902-910.

Porto, C. G., 2010. Intemperismo em regiões tropicais. In: Guerra, A. J. T., Cunha, S. B. (Org.). Geomorfologia e Meio ambiente, 8ª ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, pp. 25 – 54.

Rodrigues, T., Tommaselli, J. T. G., Arroio Junior, P. P., 2018. Mapeamento da vulnerabilidade aos processos erosivos a partir de métodos multicriteriais: um estudo sobre as condições ambientais da bacia hidrográfica da represa Laranja Doce, Martinópolis (SP). Revista Formação [online] 25. Disponível: https://doi.org/10.33081/formacao.v25i45.5310. Acesso: 20 set. 2019.

Ross, J., 2009. Ecogeografia do Brasil: subsídios para o planejamento ambiental. Oficina de Textos, São Paulo, pp. 62 – 147.

Rovani, F. F. M., Viera, M., 2016. Vulnerabilidade Natural do Solo de Silveira Martins-RS. Floresta e Ambiente [online] 23. Disponível: https://doi.org/10.1590/2179-8087.125614

Salomão, F. X. T., 2007. Controle e Prevenção Dos Processos Erosivos. In: Guerra, A. J. T, Silva, A.

S.; Botelho, R. G. M. (Org.). Erosão e Conservação dos Solos – Conceitos, Temas e aplicações, 3ª ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, p. 229 – 265.

Silva, M. F., Martins, P. D., Santos, A. P. M., 2014. Análise da qualidade ambiental da área de expansão de Uberaba-MG na microbacia do Ribeirão Conquistinha. Fórum Ambiental da Alta Paulista [online] 10. Disponível: https://doi.org/10.17271/1980082710122014905

Trevisan, D. P., Mello, B. M., Melo, R. M., Moschini, L. E., 2018. Análise das mudanças do uso e cobertura da terra entre 1988 e 2017 no município de Ibaté- SP. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 11. Disponível: http://doi.org/10.26848/rbgf.v11.7.p2216-2228

Veyret, Y., Richemond, N. M., 2007. Definições e

vulnerabilidades do risco. In: Veyret, Y. (Org.). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. Tradução Dílson Ferreira da Cruz. São Paulo: Contexto, pp. 25-46.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.7.p2428-2444

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License