Análise integrada do ambiente como subsídio para identificação de riscos e vulnerabilidades socioambientais em Picos/PI

José Francisco de Araújo Silva, Hikaro Kayo de Brito Nunes, Cláudia Maria Sabóia de Aquino

Resumo


Impulsionado pela problemática ambiental, que ora em muitos casos é conferida por ambientes de riscos e vulnerabilidades, o artigo que se segue tem como objetivo identificar, à luz da análise integrada do ambiente, os riscos e vulnerabilidades socioambientais na cidade de Picos/PI, além de servir como subsídio para um ordenamento territorial e governança do risco, sendo útil, por exemplo, para o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil no direcionamento das suas ações. Recorreu-se à Análise Integrada do Ambiente e ao Materialismo Histórico e Dialético, sustentados nos seguintes procedimentos metodológicos: leitura de bibliografia referente à temática (delineamento teórico-conceitual), observações in loco, levantamento fotográfico, mapeamento (por meio do software ArcGis 10.3) e de notícias de jornal. Os principais resultados apontaram cenários de riscos e vulnerabilidades (relacionadas à descaraterização do relevo e aos eventos de inundação do rio Guaribas) nas seguintes áreas: Centro, Canto da Várzea, Ipueiras, São José, Bomba, Aerolândia, Paroquial, Morros da Cidade de Deus, Morada do Sol e da Mariana. Tais áreas evidenciam a espacialização da população picoense em setores impróprios, fato esse intensificado pelo perfil socioeconômico dos seus moradores. Por fim, ressalta-se que os grupos sociais expostos aos riscos e vulnerabilidades possuem distintas capacidades de resiliência, tendo em vista o tempo de resposta diferenciado quanto ao enfrentamento dos riscos, sendo necessárias, assim, ações efetivas relacionadas à Defesa Civil e de avaliação de riscos dessas áreas frente aos eventos constatados neste estudo.

 

Integrated analysis of the environment as a subsidy to identify socio-environmental risks and vulnerabilities in Picos/PI

 

A B S T R A C T

Driven by the environmental problem, which in many cases is conferred by risk and vulnerability environments, the following article aims to identify, in the light of the integrated environmental analysis, the socio-environmental risks and vulnerabilities in the city of Picos/PI, besides to serve as input for land use planning and governance risk and is useful, for example, the Fire Department and the Civil Defense in directing their actions. It appealed to the Integrated Analysis Environment and the Historical and Dialectical Materialism, sustained in the following methodological procedures: bibliography of reading on the subject (theoretical and conceptual design), on-site observations, photographic survey, mapping (through ArcGIS 10.3 software) and newspaper reports. The main results showed risk scenarios and vulnerabilities (related to relief decharacterization and the Guaribas river flood events) in the following areas: Centro, Canto da Várzea, Ipueiras, São José, Bomba, Aerolândia, Paroquial, Morros da Cidade de Deus, Morada do Sol and Mariana. These areas show the spatial distribution of population picoense in inappropriate sectors, a fact intensified by the socioeconomic profile of its residents. Finally, we emphasize that social groups exposed to the risks and vulnerabilities have different resiliency capabilities, in view of the time for each answer as to face the risks that are necessary, effective actions related to Civil Defense and risk assessment of these areas against the events observed in this study.

 

Keywords: Environmental analysis; Diagnosis; Planning; Urban Environment; Dangers.


Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, A. A., 1974. Quantificação e sensoriamento remoto na investigação geográfica. Revista Geográfica, n. 129. Disponível em: http://www.agb.org.br/publicacoes/index.php/boletim-paulista/article/view/1147/1006. Acesso: 14 de março de 2019.

Aleixo, N. C. R.; Silva Neto, J. C., 2015. A. Precipitação e riscos em Tefé-AM. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 8, n. 4. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/233595. Acesso: 14 de março de 2019.

Alves, L. A.; Silva, A. R. P.; Ribeiro Filho, V., 2015. O século das cidades também pode ser o século da cidade sustentável? Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 11, n. 9. Disponível em: http://www.amigosdanatureza.org.br/publicacoes/index.php/forum_ambiental/article/view/1169. Acesso: 3 de fevereiro de 2019.

Araújo, G., 2013. Picos enfrenta crescimento desordenado. Disponível em: Acesso em: 26 de dez. de 2016.

ATLAS BRASIL – ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL, 2013 Disponível em :< http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/> Acesso em: 10 de dez. de 2016.

Barbosa, M. P.; et al., 2007. Estudo da degradação das terras - município de Picos – PI. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 13. 2007, Florianópolis. Anais... São José dos Campos: INPE.

Barcellos, F. C.; Oliveira, S. M. M. C., 2008. Novas fontes de Dados sobre Risco Ambiental e Vulnerabilidade Social. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPPAS, 4. 2008, Brasília. Anais... Brasília.

BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Instrução Normativa nº 1, 2012. Disponível em: . Acesso em 20 de dez. de 2016.

Cartier, R.; et al., 2009. Vulnerabilidade social e risco ambiental: uma abordagem metodológica para avaliação de injustiça ambiental. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 25, n. 12. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2009001200016&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso: 3 de fevereiro de 2019.

Carvalho, M. G., 2015. Picos: história, desenvolvimento e transformação do centro histórico (1970). Teresina. 110f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Piauí.

Cerri, L. E. S.; Amaral, C. P., 1998. Riscos geológicos. Geologia de Engenharia. São Paulo: Associação Brasileira de Geologia de Engenharia.

Cidade, L. C. F., 2013. Urbanização, ambiente, risco e vulnerabilidade: em busca de uma construção interdisciplinar. Cadernos Metrópole, v. 15, n. 29. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/metropole/article/view/15821. Acesso: 3 de fevereiro de 2019.

Cunha, C. M. L., 2013. Riscos ambientais: uma discussão geomorfológica. In: Lombardo, M. A.; Freitas, M. I. C. (Orgs). Riscos e vulnerabilidades: teoria e prática no contexto luso-brasileiro. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Dias, F. P.; Herrmann, M. L. P., 2002. Susceptibilidade a Deslizamentos: estudo de caso no bairro Saco Grande, Florianópolis, SC. Caminhos de Geografia, v. 3, n. 6. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/15295. Acesso: 3 de fevereiro de 2019.

Feitosa, M. S. S.; Nóbrega, R. S.; Coelho Junior, J. M. (2016). Vulnerability environmental and flood risk in rio Poti, Teresina, Brazil. Revista Geama, v. 2, n. 2. Disponível em: http://www.journals.ufrpe.br/index.php/geama/article/view/816. Acesso: 3 de fevereiro de 2019.

Fernandes, N. F. Amaral, C. P. (1996). Movimentos de massa: uma abordagem geológico-geomorfológica. In: Guerra, A. J. T.; Cunha, S. B. (org) Geomorfologia e Meio Ambiente. Bertrand: Rio de Janeiro.

Ferreira, J. (2016). CAMPI completa 02 anos oferecendo serviços especializados a população da macrorregião de Picos. Disponível em < http://www.campipicos.com.br/2016/03/campi-completa-02-anos-oferecendo.html> Acesso em 29 de dez. de 2016.

Gonçalves, L. F. H; Guerra, A. J. T. (2001) Movimento de Massa na Cidade de Petrópolis (Rio de Janeiro). In: Guerra, A. J. T; Cunha S. B. (Orgs): Impactos ambientais urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE cidades. 2018. Disponível em: Acesso em: 08 de Ago. de 2018.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS APLICADAS. (2015). Atlas da vulnerabilidade social nos municípios brasileiros. Brasília: IPEA.

Iwama, A. Y. et al., 2016. Risco, vulnerabilidade e adaptação às mudanças climáticas: uma abordagem interdisciplinar. Ambiente & Sociedade, v. 19, n. 2. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/asoc/v19n2/pt_1809-4422-asoc-19-02-00095.pdf. Acesso: 8 de fevereiro de 2019.

Jacomine, P. K. T. et al., 1986. Levantamento exploratório de solos do estado do Piauí (escala 1: 1000). Boletim de Pesquisa, v. 36, n. 18.

Lima, A. P.; Amorim, M. C. C. T., 2015. Análise de episódios de alagamentos e inundações urbanas na cidade de São Carlos a partir de notícias de jornal. Revista Brasileira de Climatologia, v. 15, n. 10. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistaabclima/article/view/33406. Acesso: 8 de fevereiro de 2019.

Lima, I. M. M. F., 1987. Relevo piauiense: uma proposta de classificação. Carta CEPRO. Teresina, Fundação CEPRO, v. 12, n. 2, p. 55-84.

Lucena, M. M. A.; Freire, E. M. X., 2014. Análise Integrada da Paisagem por meio do método GTP (Geossistema/Território/Paisagem) em um Complexo Serrano do Semiárido brasileiro. Gaia Scientia, v. 8, n. 1. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/gaia/article/view/18557. Acesso: 17 de fevereiro de 2019.

Marandola Junior, E.; Modesto, F., 2012. Percepção dos perigos ambientais urbanos e os efeitos de lugar na relação população-ambiente. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, v. 29, n. 1. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepop/v29n1/v29n1a02.pdf. Acesso: 14 de fevereiro de 2019.

Mayara, J., 2016. Picos Plaza Shopping: População ganha seu primeiro grande centro de compras. Disponível em: < http://www.picos40graus.com.br/index.php?sh=shmt&ma_id=1831>. Acesso em: 25 de dez. 2016.

Mendes, J. M., 2018. Risco, vulnerabilidade social e resiliência: conceitos e desafios. Revista m Gestão e Sustentabilidade Ambiental, v. 7, n. esp. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/gestao_ambiental/article/view/6553/0. Acesso em: 27 de dezembro de 2018.

Monize, P., 2016. Chuva provoca deslizamento de terra no bairro São Vicente. Disponível em: < http://www.riachaonet.com.br/chuva-provoca-deslizamento-de-terra-no-bairro-sao-jose/> Acesso em 27 de dez. de 2016.

Moura-Fé, M. M., 2014. A Análise Ambiental Integrada e sua Construção Teórica na Geografia Física. Revista OKARA: Geografia em debate, v.8, n. 2. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/okara/article/view/20104/0. Acesso em: 27 de dezembro de 2018.

Nogueira, F. R., 2002. Gerenciamento de riscos ambientais associados a

escorregamentos: contribuição às políticas públicas municipais para áreas de ocupação subnormal. Rio Claro. 260f. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente) –Universidade Estadual Paulista.

Nunes, H. K. B.; Aquino, C. M. S., 2018. Vulnerabilidade ambiental dos setores censitários às margens do rio Poti no município de Teresina (Piauí). Revista Brasileira de Geografia Física. v. 11, n. 6. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/234324. Acesso em: 27 de dezembro de 2018.

Olimpio, J. L. S.; Zanella, M. E., 2017. Riscos naturais: conceitos, componentes e relações entre natureza e sociedade. Ra’ega, v. 40. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/raega/article/view/45870. Acesso em: 23 de dezembro de 2018.

Paulo, J., 2014. Pontos de inundação voltam a causar transtornos em Picos. Disponível em: < http://www.diaadiapicos.com.br/capa.php?page=shmt&ma_id=3781> Acesso em 27 de dez. de 2016.

PLANAP - Plano de Ação para o Desenvolvimento Integrado da Bacia do Parnaíba, PLANAP., 2006. Síntese executiva: Território Vale do Rio Guaribas / Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba – CODEVASF. – Brasília, DF: TDA Desenhos & Arte Ltda.

PORTAL VILA NOVA NOTÍCIAS, 2016. Chuva, enchente e protesto: Picos amanhece no caos. Disponível em: Acesso em 28 de dez. de 2016.

Porto-Gonçalves, C. W., 2015. Geo-grafias. Revista Cardinalis, v. 4. Disponível em: https://revistas.unc.edu.ar/index.php/cardi/article/view/11809/12144. Acesso em 11 de maio de 2019.

RADAMBRASIL, Projeto., 1973. Levantamento de recursos naturais. Ministério das Minas e Energia, Departamento Nacional da Produção Mineral, Projeto Radambrasil.

França, L. C. J.; Piuzana, D.; Ross, J. L. S., 2017. Fragilidade ambiental potencial e emergente em núcleo de desertificação no semi-arido brasileiro (Gilbués, Piauí). Espacios (Caracas), v. 38. Disponível em: https://www.revistaespacios.com/a17v38n31/17383121.html. Acesso em 11 de maio de 2019.

Sánchez, L. H., 2013. Avaliação de impacto ambiental: Conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de Textos. 583p

Santos, J. A., 2007. Análise dos riscos ambientais relacionados às enchentes e deslizamentos na favela São José, João Pessoa – PB. João Pessoa. 112f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal da Paraíba.

Silva, J. F. A.; Aquino, C. M. S.; Araújo, G. L., 2016. Características geográficas do Vale do Guaribas. In: CONGRESSO DE GEOGRAFIA DO VALE DO GUARIBAS, 1. 2016, Picos, Anais... Picos.

Souza, J. C. O., 2013. Identificação de geossistemas e sua aplicação no estudo ambiental da bacia hidrográfica do rio São Miguel. Recife. 205f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Pernambuco.

Suertegaray, D. M. A., 2014. Geografia e ambiente: desafios ou novos olhares. Revista Mato-Grossense de Geografia, v. 17, n. 1. 2014. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geografia/article/view/4081. Acesso em: 08 de maio de 2019.

Teixeira, E., 2016. Chuva de quase 10 horas derruba casas e deixa desabrigados em Picos. Disponível em: Acesso em 28 de dez. de 2016.

Tricart, J.; Kiewietdejonge, C., 1992. Ecogeography and rural managment. Essays: Longman Scientific e Techinical.

Viana, A. I. G. et al., 2017. Caracterização fisiográfica e socioeconômica do município de Picos/PI: potencialidades, limitações e vulnerabilidades. InterEspaço, v. 3, n. 9. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/interespaco/article/view/6432. Acesso em: 30 de abril de 2019.

Vidal, C. L. R., 2003. Disponibilidade e gerenciamento sustentável do Aquífero Serra Grande no município de Picos – Piauí. 208f. Tese (Doutorado em Recursos Minerais e Hidrogeologia) – IGC/Universidade de São Paulo, São Paulo. 2003.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.7.p2522-2536

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License