Notícias de jornal como procedimento metodológico para análise episódica (1985, 1995 e 2009) de enchentes do rio Poti em Teresina – Piauí

Maria Suzete Sousa Feitosa, Jonas Alves da Silva Neto, Hikaro Kayo de Brito Nunes

Resumo


O presente estudo tem como objetivo analisar, sob a utilização de notícias de jornal como procedimento metodológico, as enchentes do rio Poti na cidade de Teresina/Piauí, durante os episódios de 1985, 1995 e 2009. Metodologicamente, adotou-se: conhecimentos teóricos do Sistema Socioambiental Urbano; análise dos dados diários de chuva no período de 30 anos (1981 a 2010) manipulados pelo balanço hídrico climatológico; utilização de notícias de jornal (jornal O Dia e TV Cidade Verde); e, por fim, análise interpretativa. Dessa forma, em 1985 registrou-se o maior volume de precipitação naqueles últimos vinte anos, como expressa a capa do O Dia sobre a maior enchente dos últimos dez anos. No episódio de 1995, o Jornal O Dia destacou que após 20 dias consecutivos de chuvas o rio Poti ultrapassou em 6 metros a cota normal, em decorrência principalmente dos temporais à montante. Já no episódio de 2009, a imprensa local destacou que as chuvas são as maiores desde 2001 resultando no decreto de emergência na capital associado aos eventos pluviométricos intensos no período de janeiro a abril correspondendo a 87,7% do esperado para todo o ano. Destarte, o cruzamento de informações técnico-científicas e aquelas de notícias de jornal possibilitou compreender o processo de adensamento urbano, as dinâmicas das chuvas e como tal relação se comportou ao longo da faixa temporal, o que legitima uma série de construções e ressignificações da memória relacionando chuva, dinâmica do rio Poti e população ribeirinha.


Referências


Alexander, D., 2012. Models of Social Vulnerability to Disasters. RCCS Annual Review, 4, 22-40. DOI: https://doi.org/10.4000/rccsar.412

Almeida, A. C. L., 2014. Chuva, lamaçal e inundação no Rio de Janeiro do século XIX: entre a providência divina e o poder público. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro. 8, 117-134.

Ameen, R. F. M.; Mourshed, M., 2017. Urban environmental challenges in developing countries—A stakeholder perspective. Habitat International, v. 64, 1-10. DOI: https://doi.org/10.1016/j.habitatint.2017.04.002

Andrade, C. S. P., 2016. Teresina e clima: indissociabilidades no estudo da cidade. Revista Equador, 5, 398-420.

Assunção, V. K., 2018. Memórias da enchente de 1974 e produção do espaço em Tubarão (SC). Mercator, 17, 1-16. DOI: https://doi.org/10.4215/rm2018.e17001

Avila, M. R. R.; Mattedi, M. A., 2017. Desastre e território: a produção da vulnerabilidade a desastres na cidade de Blumenau/SC. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana (Brazilian Journal of Urban Management), 9, 187-202. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.009.002.ao03

Bega, J. M. M.; Ribeiro, N. U. F.; Lima, C. G. R., 2019. Suscetibilidade a enchentes: estudo de caso na microbacia hidrográfica do Córrego da Onça em Três Lagoas – MS. Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 15, n. 3., 33-44. DOI: http://dx.doi.org/10.17271/1980082715320192189

Birkmann, J., 2013. Measuring vulnerability to natural hazards: Towards disaster resilient societies (second edition). United Nations University, Tokyo.

Chaves, S. V. V.; Andrade, C. S. P., 2017. A incidência dos desastres naturais em Teresina, Piauí e o perfil da população vulnerável às inundações. Caderno De Geografia (PUCMG. Impresso), 27, 159-188. DOI: https://doi.org/10.5752/p.2318-2962.2017v27nesp1p159

Chaves, S. V. V.; Tavares, A. C., 2015. As intensas precipitações em Teresina, Piauí e as inundações. Revista Equador, 4, 1.192-1.200.

Chaves, S. V. V.; Tavares, A. C.; Andrade, C. S. P., 2018. Vulnerabilidade às inundações em Teresina, Piauí e ações mitigadoras do poder público. Sociedade e Território, 29, 175-197. DOI: 10.21680/2177-8396.2017v29n2ID12533

Costa, A. J. S. T.; Conceição, R. S.; Amante, F. O., 2018. As enchentes urbanas e o crescimento da cidade do Rio de Janeiro: estudos em direção a uma cartografia das enchentes urbanas. Geo UERJ, 32, 1-25. DOI: https://doi.org/10.12957/geouerj.2018.25685

Dereczynski, C. P.; Calado, R. N.; Barros, A. B., 2017. Chuvas Extremas no Município do Rio de Janeiro: Histórico a partir do Século XIX. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, 40, 17-30. DOI: http://dx.doi.org/10.11137/2017_2_17_30

Feitosa, M. S. S.; Araujo, M. F. V., Moraes, B. C.; Carvalho, R. C. P. S., 2016. O método expedito como estratégia de avaliação qualitativa dos níveis de vulnerabilidade em ambientes da zona urbana de Teresina, Piauí. Revista Equador, 5, 500-517.

Feitosa, M. S. S.; Nóbrega, R. S., 2016. Vulnerabilidades socioambientais e risco de enchentes no rio Poti, Teresina, PI. Ariús: Revista de Ciências Humanas e Artes (UFCG), 22, 80-103.

Feitosa, M. S. S.; Nóbrega, R. S.; Coelho Júnior, J. M., 2016. Vulnerability environmental and flood risk in Rio Poti, Teresina, Brazil. Revista GEAMA, 5, 184-195.

Gonzalez, D.; Costa, A., 2016. Análise da percepção de risco e vulnerabilidade a partir dos alunos do ensino médio na vivência de Nova Friburgo RJ após desastre natural de 2011. Revista de Geografia e Ordenamento do Território, 9, 187-211. DOI: http://dx.doi.org/10.17127/got/2016.9.009

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2011. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE.

Jeong, S.; Yoon, D. K., 2018. Examining Vulnerability Factors to Natural Disasters with a Spatial Autoregressive Model: The Case of South Korea. Sustainability, 10, 1-13. DOI: 10.3390/su10051651

Lima, I. M. M. F., 2016. Teresina: o relevo, os rios e a cidade. Revista Equador, 5, 375-397.

Kuang, D.; Liao, K. H., 2020. Learning from Floods: Linking flood experience and flood resilience. Journal of Environmental Management, v. 271, 111. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jenvman.2020.111025

Mendonça, F., 2004. Riscos, Vulnerabilidade e abordagem socioambiental urbana: uma reflexão a partir da RMC e de Curitiba. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 10, p. 139-148.

Mendonça, F.; Danni-Oliveira, I. M., 2007. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos.

Monteiro, C. A. F., 1976. Teoria e clima urbano. São Paulo: USP.

Monteiro, C. A. F., 1987. Por um suporte teórico e prático para estimular estudos geográficos de clima urbano no Brasil. São Paulo: CETESB.

Monteiro, N. V. A.; Aguiar NETO, R. A.; Lima, J. W. S.; Paula, D. P., 2016. Identificação das áreas de risco a inundações e enchentes na cidade de Sobral-CE, Equador, 5, 1-21.

Nascimento, D. J. F.; Gomes, M. F. V. B., 2014. Desastres naturais veiculados pela mídia: análise de conteúdo das notícias do jornal diário de Guarapuava. R. Ra’e Ga, 32, 164-184. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v32i0.31436

Nunes, H. K. B.; Aquino, C. M. S., 2018a. A temática ambiental em áreas urbanas: o rio Poti como objeto de estudo em Teresina/Piauí. Geoambiente On-Line, 31, 38-59. DOI: https://doi.org/10.5216/revgeoamb.v0i31.47604

Nunes, H. K. B.; Aquino, C. M. S., 2018b. Vulnerabilidade ambiental dos setores censitários às margens do rio Poti no município de Teresina (Piauí). Revista Brasileira de Geografia Física, 11, 1941-1962. DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.6.p1941-1962

Nunes, H. K. B.; Aquino, C. M. S., 2019. Vulnerabilidade social dos setores censitários às margens do rio Poti no município de Teresina/Piauí. Caminhos da Geografia (UFU. Online), 20, 326-341. DOI: https://doi.org/10.14393/RCG206941300

Nunes, H. K. B.; Silva, J. F. A.; Aquino, C. M. S., 2017. Aspectos geológicos e geomorfológicos da porção da Bacia Hidrográfica do Rio Poti em Teresina/Piauí: contribuições para o planejamento ambiental. Revista Equador, 6, 76-89.

Olímpio, J. L. S.; Zanella, M. E., 2017. Riscos naturais: conceitos, componentes e relações entre natureza e sociedade. R. Ra’e Ga, 40, 94-109. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v40i0.45870

Oliveira Filho, A. A.; Lima Neto, I. E., 2018. Modelagem da qualidade da água do rio Poti em Teresina (PI). Eng Sanit Ambient, 23, 3-14. DOI: 10.1590/S1413-41522017142354

PDDrU, 2012. Plano Diretor de Drenagem Urbana de Teresina. Semplan/Concremat: Teresina

Rocha, A. A., 2011. Sociedade & Natureza: a produção do espaço urbano em bacias hidrográficas. Vitória da Conquista: Edições UESB.

Santos, J. O.; Souza, M. J. N., 2014. Abordagem geoambiental aplicada à análise da vulnerabilidade e dos riscos em ambientes urbanos. Boletim Goiano de Geografia, 34, 215-232. DOI: https://doi.org/10.5216/bgg.v34i2.31730

Sena, J. P. O.; Lucena, D. B.; Moraes Neto, J. M., 2019. Eventos pluviais intensos e seus impactos em Campina Grande-PB. Revista de Geociências do Nordeste, 5, 69-77. DOI: https://doi.org/10.21680/2447-3359.2019v5n0ID17974

Sousa, M. S. S., 2014. Enchentes do rio Poti e vulnerabilidades socioambientais na cidade de Teresina-PI, 2014. 2017f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

Souza, D. T.; Jacobi, P. R.; Wals, A. E. J., 2020. Overcoming socio-ecological vulnerability through community-based social learning: the case of Lomba do Pinheiro in Porto Alegre, Brazil. Local Environment, v. 25, 1-23. DOI: https://doi.org/10.1080/13549839.2020.1714569

Suertegaray, D. M. A., 2015. Geografia, Ambiente e Território. Revista da Casa da Geografia de Sobral (RCGS), 17, 128-144.

Tavares, J. P. N., 2014. Características da climatologia de Macapá-AP. Caminhos de Geografia, 15, 138-151.

TERESINA. Legislação urbana de Teresina. Lei N° 2.264, Lei N° 2.265, Lei N° 2.266, Diário Oficial do Município de Teresina, 1993.

Tominaga, L. K.; Santoro, J.; Amaral, R. (Orgs.), 2009. Desastres naturais: conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico.

Tucci, C. E. M., 2016. Regulamentação da drenagem urbana no Brasil. Revista de Gestão de Água da América Latina, v. 13, 29-42. DOI: 10.21168/rega.v13n1.p29-42

Wollmann, C. A., 2015. Revisão teórico-conceitual do estudo das enchentes nas linhas de pesquisa da geografia física. Revista Eletrônica Geoaraguaia, 5, 27-45.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.2.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License