Zonas de Amortecimento de Unidades de Conservação: Conceitos, Legislação e Possibilidades no Estado de Mato Grosso do Sul

Rafael Martins Brito, Patricia Helena Mirandola Garcia, Eduardo Salinas Chávez

Resumo


O estabelecimento de zonas de amortecimento tem papel fundamental para o sucesso das Unidades de Conservação (UCs), através de critérios e normas específicas. O trabalho objetivou revisar, analisar e discutir os principais critérios utilizados para a delimitação de zonas de amortecimento no estado de Mato Grosso do Sul. Foram adotados procedimentos de identificação dos critérios a partir de consultas bibliográficas aos planos de manejo das UCs e de documentos cartográficos. Os resultados indicam que os principais critérios utilizados para delimitação de zonas de amortecimento são os limites físico-geográficos de bacias hidrográficas, áreas protegidas, faixas territoriais limítrofes como rodovias, estradas e cursos d’água. Nota-se em alguns casos que a aplicação de limites genéricos, como os dispostos na Resolução CONAMA 10/93 e 428/2010, excluem áreas importantes próximas às unidades, como nascentes e fragmentos importantes de vegetação. Identifica-se a necessidade de exposição mais clara, objetiva e concisa desses critérios nos Planos de Manejo.    


Palavras-chave


Unidades de Conservação; Zona de Amortecimento; Mato Grosso do Sul

Referências


ALCINÓPOLIS. Plano de Manejo. Parque Natural Municipal Templo dos Pilares. Organização de José Carlos Chaves dos Santos, José Milton Longo. Alcinópolis-MS: FIBRACON, 2008.

ALCINÓPOLIS. Plano de Manejo. Monumento Natural Municipal Serra do Bom Jardim. Organização de José Carlos Chaves dos Santos, José Milton Longo. Alcinópolis-MS: FIBRACON, 2008.

ALCINÓPOLIS. Plano de Manejo. Monumento Natural Municipal Serra do Bom Sucesso. Organização de José Milton Longo. Alcinópolis-MS: FIBRACON, 2018.

ARAUJO, M. A. R. Unidades de Conservação no Brasil: da República à gestão de classe mundial. Belo Horizonte: SEGRAG, 2007. 272p.

BEIROZ, H. Zonas de amortecimento em Unidades de Conservação em ambientes urbanos sob a ótica territorial: reflexões, demandas e desafios. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 35, p. 275-286, dez. 2015.

BLANES, J. Zonas de Amortiguamiento aspectos sociales e institucionales de su desarrollo em cinco casos de estúdio. In: BLANES, J. (Org.). Las zonas de amotiguamiento: um instrumento para el manejo de la biodiversidade el caso de Ecuador, Perú y Bolivia. CEBEM - Centro Boliviano de Estudios Multidisciplinarios, 2003.

BOLÍVIA. Decreto Supremo nº 24781 de 31 de julho de 1997. Reglamento General de Áreas Protegidas.

BOLÍVIA. Ley n° 1.333, de 27 de abril de 1992. Ley del Medio Ambiente. Gaceta Oficial de Bolivia. Bolívia, jun/1992.

BONITO. Plano de Manejo. Monumento Natural do Rio Formoso. Organização de Vivian Ribeiro Baptista Maria. Bonito-MS: IMASUL; SEMAGRO, 2017.

BRASIL. Constituição (1988). Lex: coletânea de legislação, edição federal. São Paulo: Saraiva, 2015.

BRASIL. Decreto no 99.274, de 6 de junho de 1990. Regulamenta a Lei no 6.938/81, que dispõe respectivamente sobre a criação de Estações Ecológicas e Áreas de Proteção Ambiental e sobre a Política Nacional de Meio Ambiente.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Institui o novo código florestal brasileiro.

BRASIL. Lei Nº 6.902, de 27 de abril de 1981. Dispõe sobre a criação de Estações Ecológicas, Áreas de Proteção Ambiental e dá outras providências.

BRASIL. Lei no 6.938/81, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências.

BRASIL. Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o artigo 225, § 1°, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 19 jul. 2000. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm.

BRASIL. Plano de Manejo. Parque Nacional do Pantanal Sul-matogrossense. Organização de Fábio de jesus, Sáskia Freire Lima. Brasília-DF: IBAMA; TNC, 2003.

BRASIL. Plano de Manejo. Parque Nacional das Emas. Coordenação de Fernando Paiva Scardua. Brasília-DF: IBAMA; CEBRAC, 2004.

BRASIL. Plano de Manejo. Parque Nacional da Serra da Bodoquena. Coordenação de Ivan Salzo. Brasília-DF: ICMBio; MMA, 2013.

BRASIL. Resolução CONAMA n. 10, de 1 de outubro de 1993. Dispõe sobre os estágios de sucessão da Mata Atlântica. Brasília, DF, 3 novembro 1993.

BRASIL. Resolução CONAMA n. 428, de 17 de dezembro de 2010. Dispõe, no âmbito do licenciamento ambiental, sobre a autorização do órgão responsável pela administração da Unidade de Conservação (UC), de que trata o artigo 36, § 3º, da Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000, bem como sobre a ciência do órgão responsável pela administração da UC no caso de licenciamento ambiental de empreendimentos não sujeitos a EIA-RIMA e dá outras providências.

BRASIL. CNUC – Cadastro Nacional de Unidades de Conservação. Ministério do Meio Ambiente, s/d. Disponível em: www.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs. Acesso em: 15 jan. 2020.BRITO, M. C. W. de. Unidades de conservação: intenções e resultados. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2000.

CERRILLO, N. R. et al. Zonas de Amortiguamiento como instrumento para el manejo de la biodiversidad en los bosques tropicales de la vertiente oriental andina. In: BLANES, J. (Org.). Las zonas de amotiguamiento: um instrumento para el manejo de la biodiversidade el caso de Ecuador, Perú y Bolivia. CEBEM - Centro Boliviano de Estudios Multidisciplinarios, 2003.

CIFUENTES, A. M. Establecimiento y manejo de zonas de amortiguamiento. Revista Florestal Centroamericana, out. 1992.

CORUMBÁ. Plano de Manejo. Parque Natural Municipal de Piraputangas. Organização de Sérgio Avelar. Corumbá-MS: BRANDT, 2008.

COSTA, N. M. C. et al. Significado e importância da zona de amortecimento de Unidades de Conservação urbanas: o exemplo do entorno das áreas legalmente protegidas da cidade do Rio de Janeiro. Revista Geo UERJ, v. 1, n. 17, 2007. Disponível em: www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/geouerj/article/view/1298. Acesso em: 10 abr. 2020.

COSTA RICA. Plano de Manejo. Parque Natural Municipal da Laje. Organização de José Milton Longo. Costa Rica-MS: FIBRACON, 2018.

COSTA RICA. Plano de Manejo. Parque Natural Municipal Salto do Sucuriú. Organização de José Milton Longo. Costa Rica-MS: FIBRACON, 2018.

CUBA. Decreto Ley nº 201 de 23 de diciembre de 1999. Del Sistema Nacional de Áreas Protegidas. Gaceta Ordinaria-84-1999 de 24/12/1999.

D’AMICO, R. A. Roteiro metodológico para elaboração e revisão de planos de manejo das unidades de conservação federais. Brasília: ICMBio, 2018.

DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza Intocada. São Paulo: NUPAUB-USP, 2008.163p.

DORST, J. Antes que a natureza morra. São Paulo: E. Blucher, 1973.

Elbers, J. (Edit.) Las áreas protegidas de América Latina: Situación actual y perspectivas para el futuro. Quito: UICN, 2011. 227 p.

DOURADOS. Plano de Manejo. Parque Natural Municipal do Paragem. Organização de Vito Comar. Dourados-MS: IMAD, 2007.

ELBERS, J. Sinopsis de las áreas protegidas de América Latina. In: ELBERS, J. (Org.). Las áreas protegidas de América Latina: Situación actual y perspectivas para el futuro. Quito: UICN, 2011.

EQUADOR. Sistema Nacional de Áreas Protegidas del Ecuador - SNAP. Disponível em:http://areasprotegidas.ambiente.gob.ec/es/info-snap. Acesso em: Acesso em: 16 mar. 2020.

FURLAN, A. S; JORDÃO, S. Áreas protegidas y protección de vecindad em Brasil: ¿la zona de amortiguamiento debe ser objeto de ordenamiento territorial?. In: BEITA, M. C. (Orgs.) Geografia, Paisaje y Conservación. Costa Rica: Universidad Nacional Heredia, 2013.

GALANTE, V. L. M. et al. Roteiro metodológico de planejamento Parque Nacional, Reserva Biológica e Estação Ecológica. Brasília: IBAMA, 2002.

GANEM, S. R. Zonas de amortecimento de unidades de conservação. Brasília: Câmara dos Deputados, 2015. 22p.

GUERRERO, E. Perfil socioeconómico y político de América Latina. In: ELBERS, J. (Org.). Las áreas protegidas de América Latina: Situación actual y perspectivas para el futuro. Quito: UICN, 2011.

IMASUL - Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul. Plano de Manejo do Parque Estadual do Prosa. Campo Grande, 2011. Disponível em: www.servicos.ms.gov.br/imasuldownloads/PlanosdeManejo/planomanejoPEP.pdf. Acesso em: 15 out. 2019.

MACHADO, P. A. L. Direito Ambiental Brasileiro. 21. ed. São Paulo. Malheiros, 2007.

MATO GROSSO DO SUL. Plano de Manejo. Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema. Organização de Sylvia Torrecilha. Campo Grande-MS: IMASUL, 2008.

MATO GROSSO DO SUL. Plano de Manejo. Parque Estadual Pantanal do Rio Negro. Organização de Sylvia Torrecilha, Rodiney de Arruda Mauro. Campo Grande-MS: IMASUL, 2008.

MATO GROSSO DO SUL. Plano de Manejo. Parque Estadual Matas do Segredo. Organização de Ana Carolina Seixas Nascimento. Campo Grande-MS: SEMAC; IMASUL, 2009.

MATO GROSSO DO SUL. Plano de Manejo. Parque Estadual do Prosa. Organização de Ana Carolina Seixas Nascimento, Flávia Neri de Moura, Sylvia Torrecilha. Campo Grande-MS: SEMAC; IMASUL, 2011.

MATO GROSSO DO SUL. Plano de Manejo. Parque Estadual Nascentes do Rio Taquari. Organização de Sylvia Torrecilha, Thaís Fernanda Silva Guimarães, Rosa Helena da Silva e Martha Gilka Gutierrez Carrijo. Costa Rica-MS: SEMAGRO; IMASUL, 2019.

MILTON, J. L; TORRECILHA, S. Roteiro Metodológico para Elaboração dos Planos de Manejo das Unidades de Conservação Estaduais de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Imasul, 2014.

MMA – Ministério do Meio Ambiente; IBAMA. Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental de GuapiMirim. 2001 [CD-Rom].

MOREIRA, A. D. A Gestão do ICMS ecológico no Mato Grosso do Sul. 2004. Dissertação (Mestrado) - Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal.

MOREIRA, A. V. Zonas de amortecimento em Unidades de Conservação: Normas, estudos de caso e recomendações. 2015. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Gestão de Áreas Protegidas na Amazônia) - Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia.

MOSCOSO, V. A. Desarrollos legales e institucionales sobre áreas protegidas y zonas de amortiguamiento em Bolivia, Ecuador y Perú. In: BLANES, J. (Org.). Las zonas de amotiguamiento: um instrumento para el manejo de la biodiversidade el caso de Ecuador, Perú y Bolivia. CEBEM - Centro Boliviano de Estudios Multidisciplinarios, 2003.

NAVIRAÍ. Plano de Manejo. Parque Natural Municipal de Naviraí. Organização de Jayme J. Schneider. Naviraí-MS, 2018.

NAVIRAÍ. Plano de Manejo. Parque Natural Municipal do Córrego Cumandaí. Organização de Laís de Luna Ribeiro, Laís Silva Vasconcelos. Naviraí-MS: VALENZA, 2018.

OSPINA, A. M. Parques Naturales de Colombia. Manual para la delimitación y zonificación de zonas amortiguadora. s./l.: s./n., 2008.

PARANÁ. Plano de Manejo. Parque Nacional de Ilha Grande. Organização de Augusto Cesar Svolenski, Gabriela Leonhardt, Guadalupe Vivekananda, Karina Luiza de Oliveira, Maria Luiza Nogueira Paes, Paulo Roberto Machado. Curitiba-PR: MMA; ICMBio, 2008.

PELLIN, A.; RANIERI, V. E. L. Motivações para o estabelecimento de RPPNs e análise dos incentivos para sua criação e gestão no Mato Grosso do Sul. Natureza & Conservação, v. 7, n. 2, p. 72-81, out. 2009.

PORTO MURTINHO. Plano de Manejo. Parque Natural Municipal Cachoeira do APA. Organização de Tito Carlos Machado de Oliveira. Porto Murtinho-MS: FADEMS, 2013.

SALVIO, M. M. G; GOMES, R. C. Protected area systems in South American Countries. Floresta e Ambiente, 2018.

SANTOS, F. C.; KRAWIEC, V. A. M. A Situação Ambiental e a Administração das Unidades de Conservação em Campo Grande-MS, na Visão de seus Gestores. Floresta e Ambiente, v. 18, n. 3, set. 2011.

SAYER, J. Rainforest buffer zones guidelines for protected area managers. IUCN - The World Conservation Union. Forest Conservation Programme, 1991.

SILVA NETO, R. da F. e. Considerações sobre a zona de amortecimento em unidades de conservação federais: da problemática acerca de sua fixação. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 17, n. 3386, 8 out. 2012. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/22725. Acesso em: 1 abr. 2020.

SMOLENTZOV, D. Zona de Amortecimento de Unidade de Conservação da Natureza. São Paulo, 2013. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica.

SONORA. Plano de Manejo. Monumento Natural Municipal Serra do Pantanal. Organização de Bruna Peixoto da Fonseca, Karla Peixoto da Fonseca, Marcos Costacurta, Ricardo Anghinoni Bocchese, Tatiana Caldas Luppi. Sonora-MS: GEONATUZ, 2012.

TORRECILHA, S. et al. Registros de espécies de mamíferos e aves ameaçadas em Mato Grosso do Sul com ênfase no Sistema Estadual de Unidades de Conservação. Iheringia, Série Zoologia, 107(supl.): e2017156, 2017.

TRÊS LAGOAS. Plano de Manejo. Parque Natural Municipal do Pombo. Organização de Flávio Henrique Fardin. Três Lagoas-MS: SEMEA, 2019.

UNEP-WCMC. World Database on Protected Areas User Manual 1.0. Cambridge: UNEPWCMC, 2020.

VENEZUELA. Lei n° 3.238 de 11, de agosto de 1983. Decreta la Siguiente, Ley Organica para la Ordenacion del Territorio. Gaceta Oficial de la Republica de Venezuela. Caracas (1983).

VITALLI, L. P et al. Considerações sobre a legislação correlata à Zona-Tampão de Unidades de Conservação no Brasil. Ambiente & Sociedade, Campinas, v. 12, n. 1, p. 67-82, jan.-jun. 2009.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.3.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License