Um esboço de análise antiutilitarista do binômio imigração/trabalho: aportes senegaleses

Paulo Muller

Resumo


O artigo propõe uma forma de compreender a lógica cultural a partir da qual imigrantes senegaleses vêm interagindo e se inserindo em cidades do interior do sul do Brasil. A partir de observações sobre as relações de imigrantes senegaleses com pessoas e instituições locais da cidade de Erechim, norte do Rio Grande do Sul, examino como suas experiências de mobilidade interagem com a narrativa hegemônica de formação da cidade pelas migrações europeias do início do século XX. A partir de uma discussão conceitual sobre a construção da imigração como questão socioantropólogica, apresento alguns dados históricos e etnográficos que interligam o mundo do trabalho às práticas religiosas de senegaleses envolvidos nos fluxos migratórios contemporâneos. Conflitos e complementaridades que emergem deste processo expressam uma oposição entre perspectivas utilitaristas, que concebem a imigração como fenômeno determinado por razões econômicas, e não-utilitaristas, que observam outras dimensões como igualmente influentes sobre a imigração.


Palavras-chave


imigração senegalesa; campo de atenção às migrações; imigração e religião; mouridismo; utilitarismo e antiutilitarismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGIER, M. (2006). Refugiados diante da nova ordem mundial. Tempo Social, 18(2), pp. 197-215.

ALTER, N. (2002) Theorie du don et sociologie du monde du travail. Revue du MAUSS, 20, pp. 263-285.

__________. (2010). Donner et prendre: la coopération en entreprise. Paris: La Découverte.

BABOU, C. A. (2005). Contesting space, shaping places: making room for the Muridiyya in colonial Senegal. Journal of African History, 46(3), pp. 405–426.

__________. (2007). Fighting the greater Jihad: Amadu Bamba and the founding of the Muridiyya of Senegal, 1853–1913. Athens: Ohio University Press.

__________. (2009). Généalogie, éducation, et baraka (grâce divine) dans la famille Mbakke: une exploration de quelques sources de l'autorité spirituelle d'Amadu Bamba. Afrique & Histoire, 1(1), pp. 199-234.

__________. (2013). The Senegalese “social contract” revisited: the Muridiyya muslim order and State politics in post-colonial Senegal. In: DIOUF, M (ed.). Tolerance, democracy, and sufis in Senegal. New York: Columbia University Press, pp. 125-146.

BAVA, S. (2003). De la “baraka aux affaires”: ethos économico-religieux et transnationalité chez les migrants sénégalais mourides. Revue Européenne des Migrations Internationales, 19(2), pp. 69-84.

__________. (2005). Variations autour de trois sites mourides dans la migration. Autrepart, 4(36), pp. 105-122.

BOURDIEU, P. (1983a). O que falar quer dizer. In.: Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, pp. 75-88.

__________. (1983b). Algumas propriedades dos campos. In: Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, pp. 89-94.

BOURDIEU, P.; CHAMBOREDON, J-C.; PASSERON, J-C. (2004). O oficio do sociólogo: metodologia da pesquisa na sociologia. Petrópolis: Vozes.

CAILLÉ, A. (2001). O princípio de razão, o utilitarismo e o antiutilitarismo. Sociedade e Estado, 16(1-2), pp. 26-56.

__________. (2014) Une petite histoire de l'assujettissement au travail. Cahiers Jungiens de Psychanalyse, 140(2), pp. 9-19.

CAILLÉ, A.; ALTER, N. (2012). Peut-on penser le travail par le don? Débat avec la rédaction de la Nouvelle Revue du Travail. Nouvelle Revue du Travail, 1. [Disponível em http://nrt.revues.org/317, acesso em 30 de junho de 2017].

CASTLES, S.; MILLER, M. J. (1998). The age of migration: international population movements in the modern world. 2 ed. London: MacMillan Press.

COPANS, J. (1998). Les marabouts de l'arachide: la confrerie mouride et les paysans du Sénégal. Paris: L'Harmattan.

DIAS, G. M; SPRANDEL, M. A. (2011). Reflexões sobre políticas para migrações e tráfico de pessoas no Brasil. REMHU: Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, 19(37), pp. 59-77.

DIAZ, O. C. (2017) A Muridiyya e a internet: dinâmicas on-line de transnacionalização de uma confraria islâmica senegalesa. Antropolítica, 42(1), pp.114-139.

DIOUF, M. (2000) The Senegalese murid trade diaspora and the making of a vernacular cosmopolitanism. Public Culture, 12(3), pp. 679-702.

FELDMAN-BIANCO, B. (2000). Globalização, antigos imaginários e reconfigurações de identidade: percursos de uma pesquisa comparativa. Caderno CRH, 13(33), pp. 27-48.

__________. (2009). Reinventando a localidade: globalização heterogênea, escala da cidade e a incorporação desigual de migrantes transnacionais. Horizontes Antropológicos, 15(31), pp. 19-50.

FRANCO, C. (3 de junho de 2015). Comissão de Direitos Humanos acompanhará situação dos imigrantes no RS. Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. Notícias. [Disponível em http://ww1.al.rs.gov.br/catarina/Imprensa/DetalhesdaNot%C3%Adcia/tabid/2524/IdMateria/298923/Default.aspx, acesso em 31 de julho de 2017].

GODBOUT, J. T. (1998). Introdução à dádiva. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 13(38), pp. 39-52.

HEREDIA, V. (Org.). (2015). Migrações internacionais: o caso dos senegaleses no Sul do Brasil. Caxias do Sul: Quatrilho Editorial.

HEYMAN, J. (1998). State effects on labor exploitation: the INS and undocumented immigrants at the Mexico-United States border. Critique of Anthropology, 18(2), pp. 157-180.

JARDIM, D. F. (2013). Os direitos humanos dos imigrantes: reconfigurações normativas dos debates sobre imigrações no Brasil contemporâneo. Densidades, 14, pp. 67-85.

JORNALISMO UIRAPURU. (22 de fevereiro de 2017). Senegalês e populares são detidos pela polícia após confusão no Centro. Rádio Uirapuru. [Disponível em http://www.rduirapuru.com.br/policia/41721/senegales+e+popular+sao+, acesso em 31 de julho de 2017].

KANAAN, B. R. (2012). A etnização em produção: reflexões antropológicas sobre trabalhadores-migrantes na região de colonização italiana no nordeste gaúcho. Métis: História & Cultura, 11(22), pp. 117-139.

MAMDANI, M. (1996). Citizen and subject: contemporary Africa and the legacy of late colonialism. New Jersey: Princeton University Press.

MAUSS, M. (2009). Ensaio sobre a dádiva. São Paulo: Cosac & Naify.

MULLER, P. (2013). Noções de solidariedade e responsabilidade no campo da cooperação internacional para a proteção dos refugiados. Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana (REMHU), 21(40), pp. 229-244.

ODY, J. (28 de maio de 2016) URI lidera grupo para inserir imigrantes na comunidade. Atmosfera Online. [Disponível em http://atmosferaonline.com.br/uri-lidera-grupo-para-inseririmigrantes-na-comunidade/, acesso em 31 de julho de 2017].

PÓVOA NETO, H. (2005). A criminalização das migrações na nova ordem internacional. In: PÓVOA NETO, H.; FERREIRA, A. P. (Org.) Cruzando fronteiras disciplinares: um panorama dos estudos migratórios. Rio de Janeiro: Revan, pp. 297-309.

ROMERO, F. L. (2016). O simbolismo de poder de líderes mourides em plataformas virtuais: enraizamentos históricos, dinâmicas identitárias e rituais multissituados. In: REIS, R. B.; RESENDE, T. A. G.; MOTA, T. (Eds.). Estudos sobre África Ocidental: dinâmicas culturais, diálogos atlânticos. Curitiba: Prisma, pp. 71-112.

__________. (2017). Islã, parentesco e ritual na irmandade religiosa Mouridiyya: percursos da etnografa no contexto da imigração de africanos senegaleses no Brasil. In: TEDESCO, J. C.; KLEIDERMACHER, G. A imigração senegalesa no Brasil e na Argentina: múltiplos olhares. Porto Alegre: EST Edições, pp. 275-296.

ROSSA, J. (2017). Poética vocal religiosa de imigrantes senegaleses mourides em Caxias do Sul-RS. In: TEDESCO, J. C.; KLEIDERMACHER, G. A imigração senegalesa no Brasil e na Argentina: múltiplos olhares. Porto Alegre: EST Edições, pp. 297-310.

SAKHO, P.; DIAGNE, A.; SAMBOU, P. C. (2017). Le bassin arachidier, du réceptacle de flux internes au foyer d’émigration interne et internationale. In: TEDESCO, J. C.; KLEIDERMACHER, G. A imigração senegalesa no Brasil e na Argentina: múltiplos olhares. Porto Alegre: EST Edições, pp. 21-40.

SAYAD, A. (1977). Les trois "âges" de l'émigration algérienne en France. In: Actes de la Recherche en Sciences Sociales, 15, pp. 59-79.

__________. (1998). A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP.

__________. (1998a). Introdução. In: A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP, pp. 13-24.

__________. (1998b) O que é um imigrante? In: A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP, pp. 45-72.

__________. (1998c). A ordem da imigração na ordem das nações. In: A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP, pp. 265-286.

SCHUCH, P. (2010). Uma lei moderna X uma cultura tradicional: notas sobre reformulação do campo de atenção à infância e juventude no Brasil. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 2(4), pp. 73-84.

SEYFERTH, G. (2013). The diverse understandings of foreign migration to the South of Brazil (1818-1950). VIBRANT: Virtual Brazilian Anthropology, 10(2), pp. 120-162.

TEDESCO, J. C.; KLEIDERMACHER, G. (2017). A imigração senegalesa no Brasil e na Argentina: múltiplos olhares. Porto Alegre: EST Edições.

TEDESCO, J. C.; MELLO, P. A. T. (2015). Senegaleses no Centro-Norte do Rio Grande do Sul: imigração laboral e dinâmica social. Porto Alegre: Letra&Vida.

TORPEY, J. (2000). The Invention of the passport: surveillance, citizenship and the State. Cambridge: Cambridge University Press.

VILLALÓN, L. A. (1995). Islamic society and State power in Senegal: disciples and citizens in Fatick. Cambridge: Cambridge University Press.

ZANINI, M. C. (2007). Um olhar antropológico sobre fatos e memórias da imigração italiana. Mana, 13(2), pp. 521-547.

ZANINI, M. C.; SANTOS, M. (2009). O. O trabalho como “categoria étnica”: um estudo comparativo da ascensão social de imigrantes italianos e seus descendentes no Rio Grande do Sul (1875-1975). REMHU: Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, 17(33), pp. 175-196.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.