Manoel Bomfim e o pensamento insurgente latino-americano: algumas notas para o debate

Gislania de Freitas Silva

Resumo


Este artigo discute a construção social do pensamento insurgente na obra do pensador sergipano Manoel Bomfim. Ao discutir o que denominou parasitismo social, o autor analisa a formação da sociedade brasileira, destacando os problemas herdados da colonização portuguesa, prescindindo do repertório racista, comum no discurso de seus coetâneos. Bomfim teceu duras críticas à elite dirigente e aos intelectuais recheados de conhecimento livresco e avessos aos fenômenos sociais que se desenrolavam diante dos seus olhos. Para o sergipano, o problema não era a leitura de autores estrangeiros, mas a aplicação grosseira de teorias alheias à realidade social que, invariavelmente, eram negativas. As explicações abstratas e teorias exóticas turvavam a visão e impediam que se compreendessem os reais motivos do atraso como, por exemplo, a insistência na monocultura e o tratamento aviltante ao trabalhador. Em sua análise, racismo e parasitismo são indissociáveis, e sob essa chave de leitura se centrará nossa argumentação.

Palavras-chave


Manoel Bomfim. Pensamento insurgente. Parasitismo social. Racismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, R. C. (2000). O rebelde esquecido: tempo, vida e obra de Manoel Bomfim. Rio de Janeiro: Topbooks.

ALEXANDER, J. C. (1999). “A importância dos clássicos”. In: GIDDENS, A. & TURNER, J. Teoria social hoje. São Paulo: Editora UNESP.

ALONSO, A. (2002) Ideias em movimento: a Geração 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra.

BOMFIM, M. (2010). “Cultura e educação do povo brasileiro: pela difusão da instrução primária”. In: GONTIJO, Rebeca (org.). Manoel Bomfim. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Editora Massagana. (Coleção Educadores).

BOMFIM, M. (2005). A América Latina: males de origem. Rio de Janeiro: Topbooks, 2005.

BOMFIM, M. (1997). O Brasil na América: caracterização da formação brasileira. (2ª ed.) Rio de Janeiro: Topbooks.

CANDIDO, A. (1988). “Radicalismos”. Estudos Avançados, 4, (8), 4-18.

CARNEIRO, A. C. (2013). LDB fácil: leitura crítico-compreensiva artigo a artigo. (21ª ed.) Petrópolis, RJ: Vozes.

CARVALHO, J. M. (1987). Os bestializados: o Rio de Janeiro e a república que não foi. São Paulo: Companhia das Letras.

CHAKRABARTY, D. (2010). “Una pequeña hiatoria de los Estudios Subalternos”. IN. SANDOVAL, Pablo (comp.). Repensando la subalternidad: miradas criticas desde/sobre America Latina. Lima: IEP, 2010.

COSTA, J. C. C. (2005). “O problema nacional, globalização e o pensamento social no Brasil: notas sobre as implicações do ‘nacional’ em Manoel Bomfim”. Política & Trabalho, 22, 165-184.

COSTA, S. (2010). “(Re)encontrando-se nas redes? As ciências sociais humanas e a nova geopolítica do conhecimento”. Estudos de Sociologia, Recife, 16 (2), 25-43.

CONNELL, R. (2012). “O Império e a criação de uma Ciência Social”. Contemporânea, 2 (2), 309-336.

CONNELL, R. (2017). “Usando a teoria do Sul: descolonizando o pensamento social na teoria, na pesquisa e na prática”. Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçu, 1 (1), 87-109.

GIDDENS, A. (2011). Política, sociologia e teoria social. (2ª ed.) São Paulo: Unesp.

GONTIJO, R. (2003). “Manoel Bomfim, ‘pensador da História’ na Primeira República”. Revista Brasileira de História, São Paulo, 23 (45), 129-154.

GROSFOGUEL, R. (2012). “Descolonizar as esquerdas ocidentalizadas: para além das esquerdas eurocêntricas rumo a uma esquerda transmoderna descolonial”. Contemporânea, v. 2, nº 2, p. 337-362, jul./dez., 2012.

GUALTIERRE, R. G. E. (2003). “O Evolucionismo na produção científica do Museu Nacional do Rio de Janeiro (1876 – 1915)”. In: A recepção do darwinismo no Brasil. DOMINGUES, Heloísa Maria Bertol; SÁ, Magali Romero; CLICK, Thomas (orgs.). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

IANNI, O. (2000). “Tendências do pensamento brasileiro”. Tempo Social, São Paulo, 12 (2), pp. 55-74.

LYNCH, C. E. C. (2015). “Teoria pós-colonial e o pensamento brasileiro na obra de Guerreiro Ramos: o pensamento sociológico (1953-1955)”. Cadernos CRH, Salvador, 28 (73), 27-45.

LYNCH, C. E. C. (2013) “Por que pensamento e não teoria? A imaginação político-social brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970)”. Dados- Revista de Ciências Sociais, 56 (4), 727-767.

MAIA, J. M. E. (2017) “História da Sociologia como campo de pesquisa e algumas tendências recentes do pensamento social brasileiro”. História, ciência, saúde – Manguinhos, 24, (1), 111-128.

MAIA, J. M. E. (2011a). “O pensamento social brasileiro e a imaginação pós-colonial”. Revista Estudos Políticos, 1 (1), 64-78.

MAIA, J. M. E. (2011b) “Ao Sul da Teoria: a atualidade teórica do pensamento social brasileiro”. Revista Sociedade e Estado, 26 (2), 71-94.

MARTINS, P. H. (2015). A descolonialidade da América Latina: a heterotopia de uma comunidade de destino solidária. São Paulo: Annablume.

MARTINS, P.H. (2019). Teoria Crítica da Colonialidade. Rio de Janeiro: Ateliê de Humanidades.

OLIVEIRA, L. L. (2005). “Manoel Bomfim: autor esquecido ou fora do tempo?” Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, 5 (3), 771-797.

OLIVEIRA, L. L. (1990). A questão nacional na primeira república. São Paulo: Brasiliense.

ORTIZ, R. (2013). “Imagens do Brasil”. Revista Sociedade e Estado, 28 (3), 609-633.

ORTIZ, R. (2012a). Cultura Brasileira e identidade nacional. (5ª ed). São Paulo: Brasiliense.

ORTIZ, R. (2012b). “As Ciências Sociais e a diversidade de sotaques”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 27 (78), 7-24.

ORTIZ, R. (2004). “As Ciências Sociais e o inglês”. Revista Brasileira de Ciências Sociais,19 (54), 05-22.

PAREDES, M. M. (2010). “A Ibéria como mal-de-origem”. Revista de História das Ideias, 31, 337-362.

SAID, E. (2007). Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras.

SCHWARCZ, L. M. (1993). O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870 – 1930. São Paulo: Companhia das Letras.

SCHWARCZ, L. M. (2003). “O espetáculo da miscigenação”. In: A recepção do darwinismo no Brasil. DOMINGUES, Heloísa Maria Bertol; SÁ, Magali Romero; CLICK, Thomas (orgs.). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

SILVA, G. F. & MATHIAS, L. L. (2016). “Parasitismo social: chave analítica para a obra de Manoel Bomfim”. Tensões Mundiais, 12 (23), p. 101-120.

SUSSEKIND, F. & VENTURA, R. (1984). “Uma teoria biológica da mais-valia? Análise da obra de Manoel Bomfim”. In: SUSSEKIND, F. & VENTURA, R. História e dependência: cultura e sociedade em Manoel Bomfim. São Paulo: Ed. Moderna.

UEMORI, C. N. (2008). “Darwin por Manoel Bomfim”. Revista Brasileira de História, 28 (36), 327-348.

VECCHI, R. (2015). “O Mistério de Nápoles e o parasitismo social em Bomfim e Gramsci”. Conexão Letras, 10 (13), 77-82.

VENTURA, R. (1991). Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

VIANNA, Luiz Verneck. (1997). A revolução passiva - Iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan.

WALLERSTEIN, I. (1996). “El eurocentismo y sus avatares: los dilemas de las ciências sociales”. Discurso inaugural da ISA East Asian Regional Coloquium, realizado em Seul, em 22 e 23 de novembro de 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.