Pedagogia social e mediação sociopedagógica como processos de emancipação: Investigação e ação em escolas portuguesas

Ana Vieira, Ricardo Vieira

Resumo


Faz-se aqui uma reflexão sobre a pedagogia social e a mediação sociopedagógica, realizada quer por professores quer por Profissionais Superiores de Trabalho Social (PSTS), a partir de uma investigação sobre 3 territórios educativos da zona centro de Portugal, enquanto processos de construção de uma educação alternativa à homogeneização cultural e como emancipação dos cidadãos, criando terceiros lugares cognitivos e identitários e terceiras pessoas capazes de assumir as suas diferenças numa lógica de diálogos entre as singularidades e os universalismos acríticos. A contemporânea, mais complexa, exige outro tipo de respostas pouco comuns entre os professores. Os professores passaram a ver-se confrontados com mais questões de carácter social, para além da função tradicional de educadores. Alguns conseguem dar conta dos vários papéis sociais que tal implica. Outros reivindicam PSTS para lidar com as questões sociais e com o trabalho com a comunidade, o contexto familiar e sociocultural dos alunos como mecanismo de construção de uma escola que seja, efetivamente, emancipatória.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 REALIS | Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501



Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.