ORGANIZAÇÃO SOCIAL, JUVENTUDE E AGROECOLOGIA NAS ÁREAS DE ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA NO SUDOESTE PAULISTA

Carlos Alberto Feliciano, Fernanda Aparecida Matheus

Resumo


Os debates sobre a questão da agroecologia e a questão da juventude são recorrentes nas áreas de reforma
agrária, seja pautado pelos movimentos sociais de luta pela terra, seja como decorrência dos conflitos inerentes à
vivência e convivência cotidiana no âmbito das famílias assentadas e comunidades. A internalização do debate
sobre agroecologia ainda é recente para o conjunto dos assentamentos e representa um ponto de inflexão no
aspecto da organização social e produtiva, um fator de enfrentamento e resistência ao pacote tecnológico pautado
pelo agronegócio e de geração de possibilidades de inserção de mulheres e jovens não só no processo de
produção, mas também no planejamento da unidade produtiva e da comunidade. Logo, está colocado para os
movimentos sociais, famílias beneficiárias da reforma agrária, universidades, instituições de pesquisa e o poder
público, de forma geral, o desafio de construir políticas públicas e metodologias que possibilitem a inserção da
juventude na organização sociocomunitária nas áreas de acampamentos e assentamentos e o fortalecimento da
agroecologia, o que em grande medida tem sido articulado no contexto da educação do campo, onde se destacam
o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – Pronera e os programas Residência Agrária e
Residência Agrária Jovem.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

DOAJ
ROADDRJI

PERIÓDICOS CAPES

 

 

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.