HABITUS COMO ASSUNTO E FERRAMENTA: reflexões sobre tornar-se um boxeador

Loïc Wacquant

Resumo


O presente artigo expõe mais detalhadamente como me engajei no uso do método etnográfico e como entrei acidentalmente numa academia de boxe de Chicago, que tornou-se palco e ator central do meu estudo de campo sobre lutadores no gueto negro americano,  levando  ao lançamento do livro Corpo e Alma que buscou tanto utilizar metodologicamente quanto elaborar empiricamente o conceito de Habitus, central na obra de Pierre Bourdieu. Habitus como objeto de investigação: o livro detalha cuidadosamente a geração das disposições corporais e mentais que definem o pugilista competente no cerne da academia. O habitus pode também ser considerado ferramenta de investigação: a aquisição prática daquelas mesmas disposições por parte do analista servem como técnica para melhor  penetrar nos seus processos de construção social e montagem. O aprendizado por parte do sociólogo é um espelho metodológico daquilo que os sujeitos empíricos do estudo tem que passar no seu processo de aprendizado. O sociólogo é levado a se aprofundar na compreensão daquilo que acontece com o sujeito nesse processo, trazendo à tona sua lógica interna e propriedades subterrâneas, tornando assim possível que sejam testadas tanto a robusteza quanto a fecundidade do habitus como guia para a investigação das fontes  da conduta social.   Quando utilizado apropriadamente, o habitus não apenas ilumina as lógicas variadas da ação social mas também fundamenta as virtudes distintivas da imersão profunda  e do engajamento carnal com o objeto da investigação etnográfica.



Texto completo:

HTML

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427