ESPLENDORES E MISÉRIAS DE UMA METÁFORA: A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA REALIDADE

Bernard Lahire

Resumo


Desde os anos 1960, numerosos trabalhos sociológicos francófonos e anglo-saxões usam a metáfora da «construção social da realidade» para abordar o estudo do mundo social. Útil no que ela participa da desnaturalização e da deseternização de certos fatos sociais, lembrando sua gênese e suas possíveis transformações históricas, esta começa, no entanto, a incomodar a partir do momento em que se converte em uma expressão que se usa de forma mecânica, não questionada, e que torna-se por vezes o refugio de todos os lugares comuns hiper-relativistas, antirrealistas, antiobjetivistas e acríticos. Quando a metáfora sugestiva torna-se metástase incomoda, e a um trabalho critico que o sociólogo deve se ater se não quiser se deixar guiar pelos maus hábitos de linguagem e pelas associações automáticas de ideias frequentemente muito contestáveis. Destacarei neste artigo cinco lugares comuns que me parecem os mais frequentemente ligados hoje a uma deriva do «construtivismo sociológico».


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427