SUBJETIVIDADE, MUNDO DA VIDA E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

Thomas Leithauser

Resumo


Este artigo discute, a partir de uma perspectiva pisocossociológica, o modo como trabalhadores da indústria apropriam emocionalmente procedimentos formais de racionalização do trabalho. Partindo da noção fenomenológica de mundo da vida, procura-se resistir à tese “sócio-filosófica” segundo a qual a atividade industrial apresentaria uma tendência constante de separação entre as esferas de “interação” e racionalização da técnica. Este deslocamento resultaria na supressão da primeira destas esferas e na hipertrofia da segunda. O autor propõe, então, conceber um processo de humanização do trabalho que reconheça a organização industrial como produto de impulsos externos e formalizadores, mas também de uma mediação subjetiva e informal impossível de ser extirpada do processo de trabalho. O texto considera por fim o trabalho flexível e seu impacto na estrutura identitária de trabalhadores.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427