O TRABALHO COMO MITO E COMO UTOPIA

Analía Sonia Batista

Resumo


O presente artigo pretende abordar, de modo crítico, a visão de Karl Marx sobre o trabalho humano. Enfatiza que a “utopia do trabalho libertário”, presente no pensamento desse autor e que se ‘encarna’ na história dando impulso às lutas operárias durante a modernidade capitalista, reflete um modo mítico de compreensão do trabalho artesanal, pré-capitalista. O pensamento da época moderna não pode ‘acenar’ com o mito do “eterno retorno”, pois esse tipo de procura social pelo passado corresponde, segundo alguns de seus próprios parâmetros analíticos, à sociedade tradicional. De modo que o mito do trabalho artesanal, como trabalho libertário, haverá de ser transformado em utopia, que exigirá não apenas olhar em direção ao futuro, mas lutar pela sua concreção na história.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427