REALISMO E O PROBLEMA DA AGÊNCIA

Margaret S. Archer

Resumo


O problema central ao se teorizar sobre agenda diz respeito a como conceituar o agente humano como alguém que é parcialmente formado por sua socialidade, mas que também tem a capacidade de transformar parcialmente sua sociedade. A parte preliminar deste artigo procura mostrar como dois modelos deficientes de ser humano, um super socializado e outro subsocializado, sequencialmente dominaram a teoria social desde o Iluminsmo, assim como indicar suas deficiências para a teorização social. O restante do artigo busca, a partir do realismo social, construir uma melhor concepção de homem, atribuindo à humanidade (I) prioridade temporal, (II) autonomia relativa e (III) eficácia causal em relação aos seres sociais que nos tornamos, assim como levar em consideração os poderes que a reflexão e ação transformativas da humanidade trazem ao seu contexto social.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427