Psicanálise e pesquisa social de hermenêutica profunda

Thomas Leithauser

Resumo


Resumo

O ponto de partida do artigo é a crítica de Theodor W. Adorno à psicanálise. Nem Freud teria reconhecido bem as complexas mediações entre indivíduo e sociedade, referenciando-se de maneira unilateral demais ao indivíduo, em suas análises de crítica cultural. O campo central de investigação da psicanálise é o inconsciente, conceito que a psicologia e as ciências sociais sempre voltam a discutir, e de modo controverso. Será que existe mesmo um fenômeno como o inconsciente? Será que ele se deixa, afinal, apreender conceitualmente? Quando, como Freud, se consegue conceber como pesquisa científica as muitas milhares de psicanálises já realizadas e que se realizam como terapias individuais, aí o fenômeno do inconsciente existe, para além de qualquer conceituação positivista que o descarte. Adorno, entretanto, acrescenta com razão que, em contraposição à opinião pedagógica dominante da psicanálise, não se trata apenas de um fenômeno individual, e sim, ao mesmo tempo, um fenômeno social geral. Essa concepção crítica do inconsciente foi retomada particularmente em termos metodológicos pelo psicanalista frankfurtiano Alfred Lorenzer. No campo social não clínico, ele desenvolveu a psicanálise da hermenêutica em profundidade como método de investigação para as ciências sociais e culturais. Neste artigo, apresenta-se a hermenêutica em profundidade em sua relação com a psicanálise. A última seção oferece um exemplo de interpretação hermenêutica em profundidade de processos sociais. A interpretação busca apreender o problema da violência e da solidariedade em gangues juvenis. Trata-se de compreender formas definidas de interação cujas fontes, embora se encontrem na primeira infância, não deixam, simultaneamente, de determinar de modo bem concreto as ações do presente.


Palavras-chave

Psicanálise. Hermenêutica em profundidade. Consciência. O inconsciente. Formas de interação. Sociedade. Indivíduo. Método psicanalítico. Método da hermenêutica em profundidade. Discussão em grupo.


PSYCHOANALYSIS AND SOCIAL RESEARCH OF DEEP HERMENEUTICS


Abstract

The starting point for this paper is the critique of psychoanalysis by Theodor W. Adorno. Not even Freud has understood well the complex mediation between individual and society, having overemphasised the individual in his analyses of cultural critique. The central field of investigation of psychoanalysis is the unconscious, a concept that both psychology and the social sciences go back to discussing, and in a controversial manner. Is there really such a phenomenon as the unconscious? When one is, as was Freud, able to conceive as scientific research the many thousands of psychoanalyses realised in the form of individual therapies, then the unconscious phenomenon exists beyond any positivistic conception that denies it. Adorno, however, correctly adds that, in opposition to psychoanalysis’ dominant pedagogical position, this is not just about an individual phenomenon, but also about a general social phenomenon. Frankfurtian psychoanalyst Alfred Lorenzer recast such critical conception of the unconscious in particularly methodological terms. In the social non-clinical field, he developed the psychoanalysis of deep hermeneutics as a method of investigation for the social and cultural sciences. In this paper we present deep hermeneutics in its relation with psychoanalysis. The final section presents an example of deep hermeneutics of social processes. Interpretation seeks to apprehend issues of violence and solidarity in youth gangs. The aim is to understand particular forms of interaction whose roots, though found in early childhood, simultaneously determine in very concrete ways present actions.


Keywords

Psychoanalysis. Deep hermeneutics. Consciousness. The unconscious. Forms of interaction. Society. Individual. Psychoanalytic method. The method of deep hermeneutics. Group discussions.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427