A COMUNIDADE CIENTÍFICA DE ANALISTAS LUSÓFONOS DE REDES SOCIAIS: qual o potencial para a ação coletiva?

Marta Pedro Varanda, Breno Augusto Souto Maior Fontes, Raquel Rego, Klaus Eichner

Resumo


O crescimento dos estudos de redes sociais na comunidade lusófona tem experimentado um crescimento importante na última década, fato que constatamos nos encontros que realizamos com a comunidade acadêmica no Congresso Luso-Afro-Brasileiro (realizado em 2010, Salvador, Brasil) e SUNBELT (realizado em 2011, no Riva Del Garda, Itália).   Estes eventos têm revelado que os investigadores, salvo algumas exceções, não se conhecem, e não sendo uma comunidade cientifica no sentido de se relacionar, compartilhar ou cooperar, verificam-se manifestações de interesse em criar sinergias. O desafio que nos colocamos neste artigo foi o de olhar as estruturas de interdependência da ARS (Análise de Redes Sociais) lusófona do presente e refletir sobre o seu potencial de ação coletiva, isto é, a sua capacidade de desenvolver um projeto com objetivos comuns, de difundir e institucionalizar a ARS no meio científico. Questionamo-nos, por exemplo, por que é que ao longo destes últimos 20 anos a ARS lusófona não se institucionalizou? Que constrangimentos têm impedido o seu desenvolvimento mais vigoroso? Que evolução é expectável?

 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427