O TRABALHO E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE FEMININA NA AGRICULTURA FAMILIAR

Jonas Anderson Simões das Neves

Resumo


Neste artigo busca-se discutir a importância da qualidade do trabalho agrícola na construção da identidade e na definição dos projetos ocupacionais de jovens agricultoras. Para realizar esta pesquisa utilizaram-se tanto informações procedentes de um conjunto de questionários fechados quanto de entrevistas, de tipo semi-estruturadas, numa abordagem que se afilia à perspectiva quanti-qualitativa. O referencial teórico utilizado está balizado pelo conceito de qualidade do trabalho agrícola, a partir do qual o trabalhador é entendido, simultaneamente, como membro de uma unidade produtiva e de acordo com suas percepções enquanto sujeito. A partir deste referencial, buscou-se demonstrar que a inserção profissional das moças nas unidades de produção familiar ocorre de forma precária, o que gera, entre elas, uma crise de identidade com a agricultura. Desta forma, demonstra-se, ao final, que as moças vislumbram apenas no meio urbano a possibilidade de construção de uma identidade positiva, tendendo a optar pela elaboração de projetos com vistas ao abandono do rural e de busca de inserções ocupacionais urbanas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427