UMA ANÁLISE ACERCA DAS MUDANÇAS NA CONTABILIZAÇÃO DE ATIVOS BIOLÓGICOS PORTADORES: UM ESTUDO NAS EMPRESAS LISTADAS NA B3

Arthur Frederico Lerner, Vanessa Noguez Machado, Romina Batista de Lucena de Souza

Resumo


Levando em consideração as alterações do método de avaliação e evidenciação de ativos biológicos portadores (ABP) ocorrido em novembro de 2015, o objetivo desse estudo é analisar os efeitos na sua contabilização nas empresas listadas na Bolsa, Brasil, Balcão (B3). A amostra resultante foi de 21 companhias, tratando-se uma pesquisa com abordagem predominantemente quantitativa, descritiva e documental, baseada na análise de notas explicativas (NEs) por meio do roteiro elaborado pelos autores. Os principais resultados forneceram evidências de que Biosev, Brasilagro e São Martinho tiveram as maiores variações positivas de 2015 para 2016 nos saldos de imobilizado, corroborando com fato de possuirem as maiores representatividades do ABP no imobilizado. Assim, é possível afirmar que as mudanças à respeito dos ABP geraram alterações na composição do ativo das companhias, parte dos ativos biológicos passou a ser registrado no imobilizado. O disclosure voluntário ainda precisa ser melhorado, já que a Marfrig não mencionou as mudanças ocorridas nas políticas contábeis e a Karsten não mencionou a natureza de seus ativos biológicos.

Palavras-chave


Ativos Biológicos. Ativos Biológicos Portadores. Plantas Portadoras. CPC 29.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, C. A.; HILL, W.; ROBERTS, C. B. Corporate social reporting practices in Western

Europe: legitimating corporate behaviour? British Accounting Review, v. 30, n. 1, p. 1-21, 1998. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

ALMEIDA, M. C. Curso de contabilidade intermediária em IFRS e CPC. São Paulo: Atlas, 2014.

AMARO, H. D.; SOUZA, A.; SILVA, E. D. Ativo biológico: conceituação, reconhecimento e mensuração. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS, 23., 2016, Porto de Galinhas. Anais eletrônicos... Porto de Galinhas: CBC, 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

ARRUDA, F. C. S.; FERREIRA, V. S.; SILVA, A. Tratamento Contábil e suas divulgações quanto aos ativos biológicos e produtos agrícolas – IAS (International Accounting Standards) 41 – com correlação ao CPC 29 (Pronunciamento Contábil Brasileiro 29). Revista InterAtividade, Andradina, v. 4, n. 2, p. 68-76, 2. sem. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

BARROS, C. C. et al. O impacto do valor justo na mensuração dos ativos biológicos nas empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ (online), Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 41-59, set./dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2018.

BOHUŠOVÁ, H.; SVOBODA, P. Biological assets: in what way should be measured by SMEs? Procedia - Social and Behavioral Sciences, Amsterdam, v. 220, p. 62-69, 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2019.

BRITO, E. Um estudo sobre a subjetividade na mensuração do valor justo na atividade da pecuária bovina. 2010. 109 f. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeiro Preto, 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2019.

CARVALHO, F. S. et al. Ativos biológicos: evidenciação das empresas participantes do Ibovespa. Custos e @gronegócio on line, Recife, v. 9, n. 3, p. 106-130, jul./set. 2013. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

CARVALHO, N.; LEMES, S.; COSTA, F. Contabilidade internacional: aplicação das IFRS 2005. São Paulo: Atlas, 2006.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC. Conheça o CPC. Brasília, DF, 2019. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2019.

______. Revisão de pronunciamentos técnicos nº 08/2015. Brasília, DF, 2015. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL - CNA. Balanço 2016 e perspectivas 2017. Brasília, DF, 2016. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2019.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC. Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Geral NBC TG 26 (R5) - apresentação das demonstrações contábeis. Brasília, DF, 2017a. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2019.

______. Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Geral NBC TG 23 (R2) – políticas contábeis, mudanças de estimativa e retificação de erro. Brasília, DF, 2017b. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2018.

______. Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Geral NBC TG 29 (R2) – ativo biológico e produto agrícola. Brasília, DF, 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

______. Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Geral NBC TG 27 (R4) – ativo imobilizado. Brasília, DF, 2017c. Disponível em: . Acesso em: 1 mar. 2018.

______. Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Geral NBC TG 46 (R2) – mensuração a valor justo. Brasília, DF, 2017d. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

DANTAS, J. A. et al. Normatização contábil baseada em princípios ou em regras? Benefícios, custos, oportunidades e riscos. Revista de Contabilidade e Organizações, São Paulo, v. 4, n. 9, p. 3-29, maio/ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2019.

DELOITTE. IASB brings bearer plants into the scope of IAS 16. London, 2014. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

______. IASB issues Exposure Draft of proposed amendments to IAS 16 and IAS 41. London, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2019.

DIAS, C. P. et al. Evidenciação de informações socioambientais, teoria da legitimidade e isomorfismo: um estudo com mineradoras brasileiras. Revista de Gestão e Contabilidade da UFPI (GeCont), v. 1, n. 1, p. 100-118, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2019.

EUROPEAN FINANCIAL REPORTING ADVISORY GROUP - EFRAG. IAS 41 agriculture – bearer plants. Brussels, 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2019.

FIGUEIRA, L. M.; RIBEIRO, M. S. Análise da evidenciação sobre a mensuração de ativos biológicos: antes e depois do CPC 29. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, v. 12, n. 26, p. 73-98, maio/ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2019.

GARCIA, E. L. M.; SANCHES, S. L. R.; IGARASHI, D. C. C. Evidenciação dos ativos biológicos nas melhores e maiores empresas do setor de celulose e papel: uma comparação entre empreas abertas e fechadas. ConTexto, Porto Alegre, v. 16, n. 32, p. 20-36, jan./abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2018.

GIBBINS, M.; RICHARDSON, A,; WATERHOUSE, J. The management of corporate financial disclosure: Opportunism, ritualism, policies and process. Journal of Accounting Research, Chicago, v. 28, n. 1, p. 121-143, 1990. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2019.

GUTHRIE, J. E.; PARKER, L. D. Corporate social reporting: a rebuttal of legitimacy theory. Accounting and Business Research. v. 9, n. 76, p. 343-52, 1989.

HENDRIKSEN, E. S.; BREDA, M. F. B. Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999.

HINKE, J.; STÁROVÁ, M. The fair value model for the measurement of biological assets and agricultural produce in the Czech Republic. Procedia Economics and Finance, Amsterdam, v. 12, p. 213-220, 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2019.

HOLTZ, L.; ALMEIDA, J. E. F. Estudo sobre a relevância e a divulgação dos ativos biológicos das empresas listadas na BM&FBovespa. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 28-46, maio/ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2019.

HOPWOOD, A. G.; MILLER, P. Accounting as social and institutional practice. New York: Cambridge University Press, 1994.

INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARDS FOUNDATION – IFRS FOUNDATION. International Accounting Standards nº 41 – agriculture. London, 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

IUDÍCIBUS, S. Teoria da contabilidade. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

IUDÍCIBUS, S.; MARTINS, E. Uma investigação e uma proposição sobre o conceito e o uso do valor justo. Revista Contabilidade & Finanças, v. 18, p. 9-18, 2007. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2019.

JAMHOUR, J.; ASSMANN, T. S. (2017). Palestras: intensificação com sustentabilidade. In: I CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA E IV ENCONTRO DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA NO SUL DO BRASIL, 1., 2017, Pato Branco. Anais eletrônicos... Pato Branco: UTFPR, 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. H. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-360, Oct. 1976. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2018.

LANZANA, A. P. Relação entre Disclosure e Governança Corporativa das Empresas Brasileiras. 2004. 154 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2019.

LEVITT, A. The importance of high quality accounting standards. Accounting Horizons, Sarasota, v. 12, n. 1, p. 79-82, 1998.

LIMA, C. O.; COLARES, A. C. V.; MATTAR, P. Análise da evidenciação contábil de ativos biológicos frente ao pronunciamento técnico CPC 29 (IAS 41) em companhias abertas do setor de agronegócios. In: CONGRESSO UFU DE CONTABILIDADE, 1., 2015, Uberlândia. Anais eletrônicos... Uberlândia: UFU, 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2019.

LOPES, A. B.; MARTINS, E. Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas, 2014.

LOPES, A.; WALKER, M. Firm-level incentives and the infornativeness of accounting reports: an experiment in Brazil. [S.l.], 2008. (Working paper). Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2019.

LUSTOSA, P. R. B. A (in?) justiça do valor justo: SFAS 157, Irving Fisher e Gecon. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, João Pessoa, PB, v. 5, n. 1, p. 5-21, jan./abr. 2017. Disponível em: < http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/recfin/article/view/32293/16914 >. Acesso em: 26 fev. 2019.

______. Ativo e sua avaliação. In: RIBEIRO FILHO, J. F.; LOPES, J.; PEDERNEIRAS, M. (Org.). Estudando teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2009. p. 85-106.

MACEDO, V. M.; CAMPAGNONI, M.; ROVER, S. Ativos biológicos nas companhias abertas no brasil: conformidade com o CPC 29 e associação com características empresariais. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, set./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2018.

MACHADO, V. N.; VICTOR, F. G.; MATTS, J. S. Ativos biológicos: uma análise da aderência ao CPC 29 pelas companhias listadas na BM&FBovespa de 2007 a 2015. ConTexto, Porto Alegre, v. 16, n. 34, p. 35-52, set./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2019.

MARTINS, E. et al. Manual de Contabilidade Societária: aplicável a todas sociedades. (2. ed.). São Paulo: Atlas, 2013.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MURCIA, F. D. Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário de companhias abertas do Brasil. 2009. 173 f. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2019.

PELGER, C. Practices of standard-setting: an analysis of the IASB's and FASB's process of identifying the objective of financial reporting. Accounting, Organizations and Society, Amsterdam, v. 50, p. 51-73, Apr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2019.

PRICEWATERHOUSECOOPERS - PWC. Forest, paper & packaging. [S.l.], 2009. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

RAUPP, F. M.; BEUREN, I. M. Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: BEUREN, I. M. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010. p. 76-97.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

ROVER, S.; SANTOS, A. D. Revisitando os determinantes do disclosure voluntário socioambiental no brasil: em busca de robustez na mensuração da variável socioambiental. CONTABILOMETRIA - Brazilian Journal of Quantitative Methods Applied to Accounting, Monte Carmelo, v. 1, n. 2, p. 15-35, 2º sem/2014. Disponível em: < http://www.fucamp.edu.br/editora/index.php/contabilometria/article/view/433/337>. Acesso em: 22 fev. 2019.

SANTOS, A. F. et al. Análise da hierarquia do valor justo na mensuração de ativos biológicos das empresas listadas na BM&Bovespa no ano de 2013. In: CONGRESSO USP DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE: CONTABILIDADE E CONTROLADORIA NO SÉCULO XXI, 12., 2015, São Paulo. Anais eletrônicos... São Paulo: USP, 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2019.

SCHERCH, C. P. et al. Nível de conformidade do CPC 29 nas empresas brasileiras: uma análise com as empresas de capital aberto. RACE, Unoesc, v. 12, n. 2, p. 459-490, jul./dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2019.

SERRAGLIO, E. L. Análise do impacto do ajuste a valor justo dos ativos biológicos no resultado anual. 2016. 95 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2019.

SOUZA, M. M.; BORBA, J. A.; UHLMANN, V. O. Valor justo: uma verificação das informações divulgadas por empresas de capital aberto brasileiras. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 16, n. 3, p. 100-114, 2011. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2019.

UNITED STATES DEPARTAMENT OF AGRICULTURE. Market fact sheet. Washington, 2016. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2019.

WANDERLEY, C. A. N.; SILVA, A. C.; LEAL, R. B. Tratamento contábil de ativos biológicos e produtos agrícolas: uma análise das principais empresas do agronegócio brasileiro. Pensar Contábil, Rio de Janeiro, v. 14, n. 53, p. 5-15, jan./abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34629/ric.v12i4.53-72

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

-----------------------------------------------------------------------------------
Apoio institucional:
Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PPGCC)
Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Avenida dos Economistas, s/n - Cidade Universitária
CEP 50670-901 - Recife - Pernambuco - Brasil
Tel/fax. 55-(81) 21268874

 

Indexadores

BASE Logo