PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BANCÁRIAS QUE ATUAM NO BRASIL SOBRE AS CRÍTICAS AO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO

Célio Beserra Sá, Cristiano Belarmino, Carla Renata Silva Leitão

Resumo


O artigo tem como objetivo analisar a percepção dos profissionais envolvidos no processo orçamentário das instituições financeiras bancárias que atuam no Brasil sobre as críticas feitas ao orçamento pela literatura. Com esse objetivo atribuído, além de contribuir oferecendo uma perspectiva dos profissionais que participam de forma ativa no orçamento, o trabalho também contribui fornecendo evidências empíricas que podem ampliar o conhecimento acerca do uso do orçamento enquanto ferramenta gerencial.  A metodologia envolveu uma pesquisa descritiva, com uma abordagem quantitativa, operacionalizada através de um survey. O instrumento foi encaminhado, por correio eletrônico, aos profissionais envolvidos no processo orçamentário das 117 instituições bancárias que atuam no Brasil, associadas à Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN) e obteve-se 16 questionários devidamente respondidos. De modo geral, pode-se concluir que os profissionais investigados têm uma percepção dividida entre a neutralidade e a concordância sobre as críticas feitas ao orçamento pelos autores pesquisados.


Palavras-chave


Orçamento empresarial; Processo orçamentário; Instituições financeiras; Bancos; Críticas ao orçamento.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. I. R.; MARQUES, A. Prós e os contras de se ter planejamento e controle estratégico em instituições financeiras. In: Anais..., 3o SEMEAD, São Paulo, 1998.

ALPER, C. E.; ONIS, Z. Soft budget constraints, government ownership of banks and regulatory failure: The political economy of the Turkish banking system in the post-capital account liberalization era. Bogazici U, Economics Working Paper ISS/EC, v. 2, n. 2, p. 1-28, 2002. doi: 10.2139/ssrn.303220.

ATKINSON, A. A.; BANKER, R. D.; KAPLAN, R. S.; YOUNG. S. M. Contabilidade Gerencial. São Paulo, SP: Atlas. Tradução André Olímpio Mosselman Du Chenoy Castro; revisão técnica Rubens Famá, 2000.

BRIMSON, J. A.; ANTOS, J.; COLLINS, J. Driving value using activity-based budgeting. New York: John Wiley, 1999.

CASTANHEIRA, D. R. F. O uso do orçamento empresarial como ferramenta de apoio à tomada de decisão e ao controle gerencial em indústrias farmacêuticas de médio porte. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. doi: 10.11606/D.12.2008.tde-11122008-165845.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. Metodologia científica. 6 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

COVALESKI, M.A.; EVANS, J.H.; LUFT, J.L.; SHIELDS, M.D. Budgeting Research: three theoretical perspectives and criteria for selective integration. Journal of Management Accounting Research, n.15, p. 3-49, 2003.

DU, J.; LI, D. D. The soft budget constraint of banks. Journal of Comparative Economics, v.35, n.1, p. 108-135, 2007.

EKHOLM, B.; WALLIN, J. (2000). Is the annual budget really dead? European Accounting Review, v. 9, n. 4, p. 519-539, 2000.

FANK, O. L.; ANGONESE, R.; LAVARDA, C. E. F. A percepção dos gestores acadêmicos de uma IES quanto às críticas ao orçamento. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, v. 14, n. 1, p. 82-93, 2011.

FEBRABAN, Federação Brasileira de Bancos. (2019). A FEBRABAN. Disponível em: https://portal.febraban.org.br/pagina/3031/9/pt-br/institucional.

FISHER, L. One step beyond. Accountancy, v. 129, n. 1303, p. 32-34, 2002.

FREZATTI, F. Beyond budgeting: inovação ou resgate de antigos conceitos do orçamento empresarial? RAE- Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, p. 23-33, 2005.

FREZATTI, F.; RELVAS, T. R. S.; JUNQUEIRA, E.; NASCIMENTO, A. R. do; OYADOMARI, J. C. Críticas ao orçamento: problemas com o artefato ou a não utilização de uma abordagem abrangente de análise? ASAA-Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 3, n. 2, p. 190-216, 2010.

FREZATTI, F. (2015). Orçamento Empresarial: planejamento e controle gerencial. 6 ed. São Paulo: Atlas.

GARRISON, R. H.; NOREEN, E. W.; BREWER P. C. Contabilidade gerencial. 11 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HANSEN, S. C. A Theoretical Analysis of the Impact of Adopting Rolling Budgets, Activity-Based Budgeting and Beyond Budgeting. European Accounting Review, v. 20, n. 2, p. 289-319, 2011.

HERATH, S. K.; INDRANI, M. W. Budgeting as a competitive advantage: evidence from Sri Lanka. Journal of American Academy of Business, v. 11, n.1, p. 79-91, 2007.

HOJI, M. Orçamento Empresarial: passo a passo. São Paulo: Saraiva Educação, 2018.

HOPE, J. Beyond budgeting: pathways to the emerging model. Balanced Scorecard Report. Harvard Business School Publishing, p. 3-5, 2000.

HOPE, J.; FRASER, R. Beyond budgeting. Management Accounting: Magazine for Chartered Management Accountants, v. 77, n. 1, p. 16-21, 1999.

HOPE, J.; FRASER, R. Beyond Budgeting: How Managers Can Break Free from the Annual Performance Trap. Boston: Harvard Business School Press, 2003.

ISHISAKI, N. A utilização do orçamento empresarial: Um estudo em empresas da região do Vale do Paraíba-SP. Dissertação (Mestrado em Administração) – Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Comércio Exterior, Universidade de Taubaté, Taubaté, 2003.

JENSEN, M. C. Corporate Budgeting Is Broken, Let's Fix It. Harvard Business Review, v. 79, n. 10, p. 94-101, 2001.

KING, R., CLARKSON, P. M., & WALLACE, S. Budgeting practices and performance in small healthcare businesses. Management Accounting Research, v. 21, n. 1, p. 40-55, 2010.

KORNAI, J.; MASKIN, E.; ROLAND, G. Understanding the soft budget constraint. Journal of economic literature, v. 41, n. 4, p. 1095-1136, 2003.

KREUZBERG, F.; BECK, F.; LAVARDA, C. E. F. Orçamento base zero: um estudo de caso sob a perspectiva da teoria institucional. Revista Contabilidade Vista e Revista,v. 27, n. 3, p. 32-60, 2016.

LIBBY, T.; LINDSAY, M. Beyond budgeting or budgeting reconsidered? A survey of North-American budgeting practice. Management Accounting Research, v. 21, n. 1, p. 56-75, 2010.

LIDIA, T. G. Difficulties of the Budgeting Process and Factors Leading to the Decision to Implement this Management Tool. Procedia Economics and Finance, v. 15, p. 466-473, 2014.

LU, C. T. Relationships among budgeting control system, budgetary perceptions, and performance: A study of public hospitals. African Journal of Business Management, v. 5, n. 15, p. 6261-6270, 2011.

LUNKES, R. J. Contribuição à melhoria do processo orçamentário empresarial. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção)- Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

LUNKES, R. J. Manual do Orçamento. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MARGINSON, D.; OGDEN, S. Coping with ambiguity through the budget: the positive effects of budgetary targets on managers' budgeting behaviours. Accounting, Organizations and Society, v. 30, n. 5, p. 435-456, 2005.

MASKIN, E.; XU, C. Soft budget constraint theories: From centralization to the market. Economics of transition, v. 9, n. 1, p. 1-27, 2001.

MICHEL, M. H. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 2005.

MOREIRA, J. C. Orçamento empresarial: manual de elaboração. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2013.

MUCCI, D. M.; FREZATTI, F. De que forma os gestores percebem as críticas ao orçamento empresarial? Revista Universo Contábil, v. 13, n. 4, p. 127-154, 2017.

NEELY, A.; SUTCLIFF, M. R.; HEYNS, H. R. Driving Value through Strategic Planning and Budgeting. New York: Accenture, 2001.

OLIVEIRA, L. M. de; PEREZ JUNIOR, J. H.; SILVA, C. A. dos S. Controladoria Estratégica. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2004.

OSTERGREN, K.; STENSAKER, I. Management Control Without Budgets: A Field Study of “Beyond Budgeting” in Practice. European Accounting Review, v. 20, n. 1, p. 149-181, 2011. doi: 10.1080/09638180903487842.

PADOVEZE, C. L.; TARANTO, F. C. Orçamento Empresarial: novos conceitos e técnicas. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.

PANDOLFI JÚNIOR, L.; NAKAMURA, W. T.; MARTIN, D. M. L.; CARVALHO FILHO, A. F. de; FORTE, D. Estudo empírico sobre a relação entre a adoção de orçamento empresarial e o desempenho financeiro das empresas. Anais... 12o Congresso Brasileiro de Custos-ABC. Florianópolis, Santa Catarina, 2005.

PASSARELLI, J.; BOMFIM, E. de A. Orçamento Empresarial: como elaborar e analisar. São Paulo: Thomsom: IOB, 2004.

PELEIAS, I. R;, ELIAS NETO, J.; SEGRETTI, J. B.; SILVA, A. F. da. Beyond Budgeting–percepções e adaptabilidade ao varejo bancário: pesquisa junto aos gestores de um grande banco brasileiro. Revista de Negócios, v. 17, n. 1, p. 97-117, 2012.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do conhecimento científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SANTOS, C. Estatística descritiva. Manual de auto-aprendizagem, v. 2, 2007.

SANVICENTE, A. Z.; SANTOS, C. da C. Orçamento na administração de empresas: planejamento e controle. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1983.

SCHMIDT, J. A. Is it time to replace traditional budgeting? Journal of Accountancy, v. 174, n. 4, p. 103-107, 1992.

SILAEN, P.; WILLIAMS, R. B. Management control systems: a model for R&D units. Accounting Research Journal, v. 22, n. 3, p. 262-274, 2009.

SOBANSKI, J. J. Prática de Orçamento Empresarial: um exercício programado. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

SOLA, G. L. O processo orçamentário e a tomada de decisão dos gestores em um hospital público. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis)- Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014. Doi: 10.11606/D.96.2014.tde-09122014-113541

SPONEM, S.; Lambert, C. Exploring differences in budget characteristics, roles and satisfaction: a configurational approach. Management Accounting Research, v. 30, p. 47-61, 2016.

STEWART, T. A. Why budgets are bad for business. Fortune, n. 4, p. 179-90, 1990.

SUAVE, R.; PINTO, H. de M., CODESSO, M. M.; LUNKES, R. J. Práticas de orçamento nos processos de planejamento e execução: um estudo em bancos comerciais públicos do Brasil. Anais... 20o Congresso Brasileiro de Custos, Uberlândia, Minas Gerais, 2013.

TANNEMBAUM, A. Control in organizations. New York: McGraw-Hill, 1968.

UYAR, A.; BILGIN, N. Budgeting practices in the Turkish hospitality industry: An exploratory survey in the Antalya region. International Journal of Hospitality Management, v. 30, n. 2, p. 398-408, 2011.

VASCONCELOS, Y. L. Planejamento Financeiro. Curitiba: IESDE Brasil, 2008.

WALLANDER, J. Budgeting: an unnecessary evil. Scandinavian journal of Management, v. 15, n. 4, p. 405-421, 1999.

WARREN, C. S.; REEVE, J. M.; DUCHAC, J. E. Managerial Accounting. 10 ed. Manson, Ohio: Cengage Learning, 2008.

WELSCH, G. A. Orçamento Empresarial. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

WELSCH, G. A.; HILTON, R.; Gordon, P. Budgeting: Profit Planning and Control. New Jersey: Prentice-Hall, 1988.




DOI: https://doi.org/10.34629/ric.v13i3.1-18

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

-----------------------------------------------------------------------------------
Apoio institucional:
Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PPGCC)
Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Avenida dos Economistas, s/n - Cidade Universitária
CEP 50670-901 - Recife - Pernambuco - Brasil
Tel/fax. 55-(81) 21268874

 

Indexadores

BASE Logo