DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE PERNAMBUCO: UMA PERSPECTIVA SUSTENTÁVEL

Marcio Sampaio Pimentel, Gabriela de Vasconcelos

Resumo


O estudo objetivou analisar o desempenho dos sistemas de esgotamento sanitário de Pernambuco sob a ótica da sustentabilidade. Para tanto, foram adotados os seguintes indicadores disponíveis no Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: índice de coleta de esgoto, índice de tratamento de esgoto, extensão da rede por ligação, atendimento urbano de esgoto e atendimento total de esgoto. A análise estatística foi realizada através do software estatístico SPSS (Statistical Package for the Social Sciences), onde se procedeu ao exame do banco de dados a partir da análise de correlação de Spearman e análise multivariada para formação de clusters. Os resultados sugerem que a Região Metropolitana de Recife apresenta os indicadores de desempenho mais preocupantes do estado. Ademais, os achados indicam que existem disparidades no acesso aos serviços de esgotamento sanitário entre as zonas urbanas e rurais. Adicionalmente, foi possível perceber que o índice de coleta de esgoto apresenta baixo desempenho na maior parte dos clusters, seguido pelos indicadores de extensão da rede de esgoto, atendimento total e tratamento de esgoto, assim percebe-se a necessidade de ações voltadas para o processo de coleta de esgoto e que estas sejam acompanhadas por melhorias nos índices de extensão da rede e de tratamento de esgoto a fim de promover o maior atendimento urbano e total nos serviços de esgotamento sanitário. Conclui-se que se faz necessária a formulação de políticas públicas de expansão dos serviços de saneamento a fim de atender as populações rurais e assim promover a universalização do acesso sanitário e o alcance da sustentabilidade local


Palavras-chave


Saneamento; Desempenho sustentável; Sistemas de esgotamento sanitário municipais.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL. Ranking ABES da universalização do saneamento. 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 dez. 2017.

BERCHIN, I. I.; CARVALHO, A. de S. C. O Papel das Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente para o Desenvolvimento dos Regimes Internacionais Ambientais: de Estocolmo a Rio+ 20. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR. 7., Florianópolis, SC, Anais... Florianópolis-SC: [s.n.], 2015.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Disponível em:

constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 19 mar. 2017.

______. Lei Nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Brasília, 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 7 abr. 2017.

______. Lei n. 13.329, de 1º de agosto de 2016. Brasília, 2016. Altera a Lei no 11.445, de 5 de janeiro de 2007, que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico, para criar o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento do Saneamento Básico - REISB, com o objetivo de estimular a pessoa jurídica prestadora de serviços públicos de saneamento básico a aumentar seu volume de investimentos, por meio da concessão de créditos relativos à contribuição para o Programa de Integração Social - PIS e para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PASEP e à Contribuição para Financiamento da Seguridade Social - COFINS. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2017.

COMPAHIA PERNAMBUCANA DE SANEAMENTO. Esgotamento Sanitário. Recife, 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 de out. 2016.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. Comparações internacionais uma agenda de soluções para os desafios do saneamento brasileiro. Brasílai, 2017. Disponível em: . Acesso: em 25 maio 2017.

INSTITUTO TRATA BRASIL. Esgotamento sanitário inadequado e impactos na saúde da população: um diagnóstico da situação nos 81 municípios brasileiros com mais de 300 mil habitantes. 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2017.

______. Benefícios econômicos da expansão do saneamento brasileiro: qualidade de vida, produtividade, educação e valorização ambiental. Brasília, 2014. Disponível em:

Economicosdaexpans%C3%A3odoSaneamentoBrasileiro.pdf> Acesso em: 27 fev. 2017.

______. Estudo mostra que avanços em saneamento básico das Capitais nos últimos 5 anos foi insuficiente para tirar o Brasil do atraso histórico. [2017?]. Disponível em: . Acesso em:

mar. 2017.

KRAEMER, Maria Elisabeth Pereira. Responsabilidade Social–uma alavanca para sustentabilidade. 2012. Disponível em:

midia/anexos/457.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2017.

OLIVEIRA, Verônica Macário de. Promoção do consumo sustentável no contexto brasileiro: uma análise dos papéis dos governos, das empresas e da sociedade civil. 2014. 235 f. Tese (Doutorado em Administração)–Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014. Disponível em:

ver%c3%b4nica%20mac%c3%a1rio%20de%20oliveira.pdf>. Acesso em: 22 out. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em:

nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/#>. Acesso em: 23 jul. 2017.

SICHE, Raúl. et al. Índices versus Indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente & Sociedade, v. 10, n. 2, p. 137-148, 2007.

Disponível em: .

Acesso em: 21 abr. 2017

VAN BELLEN, Hans Michael. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Tese (Doutorado em engenharia da produção) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2017.

WCED, World Commission on Environment and Development. Our Common Future. Oxford, U.K.: Oxford University Press, 1987. 383 p.




DOI: https://doi.org/10.34629/ric.v13i2.32-49

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

-----------------------------------------------------------------------------------
Apoio institucional:
Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PPGCC)
Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Avenida dos Economistas, s/n - Cidade Universitária
CEP 50670-901 - Recife - Pernambuco - Brasil
Tel/fax. 55-(81) 21268874

 

Indexadores

BASE Logo