CAOS E ESTRATÉGIAS EMERGENTES PARA CRISES: O CASO DO GOVERNO DE PERNAMBUCO.

Ricardo Henrique Miranda de Araújo, Erica Piros Kovacs

Resumo


O objetivo dessa pesquisa é de investigar, no âmbito da administração pública, o processo de desenvolvimento de estratégias evolutivas, desencadeado por eventos caóticos no ambiente de atuação organizacional, a partir do sistema de medição de desempenho. Com o propósito exploratório, a pesquisa teve por objeto de estudo o caso do sistema de medição de desempenho configurado para atender o Plano de Contingenciamento de Gastos - PCG instituído pelo Governo do Estado de Pernambuco para enfrentamento da crise econômica vivenciada durante o ano de 2015. Os resultados demonstraram que o sistema de medição de desempenho, quando bem orquestrado, é decisivo para o sucesso do desenvolvimento de estratégias evolutivas, integrando diversos fatores dentro da organização considerados críticos como facilitadores ou barreiras para o sucesso dessas estratégias.

Palavras-chave


Estratégia. Planejamento Governamental. Administração Pública. Sistema de Medição de Desempenho.

Texto completo:

PDF

Referências


BECHTOLD, B.L. Chaos theory as a model for strategy development. Empowerment in Organizations, v. 5, n. 4, 1997,

BRYSON, J.M. y ROERING, W.D. (1987). Applying private-sector strategic planning in the public sector. Journal of the American Planning Association, v. 53, n. 1, 1987.

BUTLER, A. A methodological approach to chaos: Are economists missing the point. Federal Reserve Bank of St. Louis Review, v. 72, n. 2, 1990.

COSTA-FILHO, A. Estado-Nação e construção do futuro. En: CARDOSO JR, J. C. (Eds.). A reinvenção do planejamento governamental no Brasil. Brasília: Ipea, 2011.

DENZIN, N.K. The research act: A theoretical introduction to sociological methods. Transaction publishers, 1973.

FARAZMAND, A. Chaos and transformation theories: A theoretical analysis with implications for organization theory and public management. Public Organization Review, v. 3, n. 4, 2003.

FERNANDES, A.S.A. Políticas públicas: definição, evolução e o caso brasileiro. São Paulo: Paulos, 2007.

FLICK, U. Triangulation revisited: strategy of validation or alternative?. Journal for the theory of social behaviour, v. 22, n. 2, 1992.

GERRING, J. Case study research: principles and practices. Cambridge University Press, 2006.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos: coleção pesquisa qualitativa. Bookman, 2009.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Atlas, 2002.

GROVE, AS. Only the Paranoid Survive: How to Exploit the Crisis Points that

Challenge Every Career and Company. Currency Doubleday. New York, 1996.

HANCOCK, D.R.; ALGOZZINE, B. Doing case study research: A practical guide for beginning researchers. Teachers College Press, 2006.

HOOD, C. Contemporary public management: a new global paradigm?. Public Policy and Administration, v. 10, n. 2, 1995.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Contas Nacionais Trimestrais - Indicadores de Volume e Valores Correntes. Out./Dez., 2015.

KATZ, D.; KAHN, R. Psicologia social das organizações. 2ed. São Paulo: Atlas, 1975.

KAUFMAN, J.L.; JACOBS, H.M. A public planning perspective on strategic planning. Journal of the American Planning Association, v. 53,n. 1, 1987.

KENNERLEY, M.; NEELY, A.; ADAMS, C. Survival of the fittest: measuring performance in a changing business environment. Measuring Business Excellence, v. 7, n. 4, 2003.

LEVY, D. Chaos theory and strategy: Theory, application and managerial implications. Strategic Management Journal, v. 15, 1994.

MANN, S.R. Chaos theory and strategic thought. Parameters, v. 22, n. 3, 1992.

MURPHY, P. Chaos theory as a model for managing issues and crises. Public Relations Review, v. 22, n. 2, 1999.

NAVEIRA, R.B. Caos e complexidade nas organizações. Revista de Administração Pública, v. 32, n. 5, 1990.

PALMER, A.J. Performance measurement in local government. Public Money & Management, v. 13, n. 4, 1993.

PERNAMBUCO. (2015). Decreto Estadual nº 41.466, de 2 de fevereiro de 2015. Institui o Plano de Contingenciamento de Gastos (PCG) no âmbito do Poder Executivo Estadual.

PERNAMBUCO. Lei nº 15.703 , de 21 de dezembro de 2015. Dispõe, em cumprimento ao que preceitua o artigo 124, § 1º, inciso IV, da Constituição do Estado de Pernambuco, com a redação dada pela Emenda Constitucional nº 31 de 27 de junho de 2008, sobre o Plano Plurianual do Estado, para o período 2016-2019, e dá outras providências. 2015a.

PINA E CUNHA, M.; VIEIRA DA CUNHA, J. Towards a complexity theory of strategy. Management Decision, v. 44, n. 7, 2006.

RADZICKI, M.J. Institutional dynamics, deterministic chaos, and self-organizing systems. Journal of Economic Issues, v. 24, n. 1, 1990.

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, 2009.

SILVA, C.A.T.; REVORÊDO, W.C. Economicidade da gestão pública municipal: um estudo das decisões do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. Revista Universo Contábil, v.1, n. 2, 2005.

THIRY-CHERQUES, H.R. A rebeldia conservadora: aspectos da resistência à modernização nas organizações brasileiras. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 1, 1995.

WHITTINGTON, R. O que é estratégia. São Paulo: Thomson, 2002.

WILLIAMSON, O.E. Strategizing, economizing, and economic organization. Strategic Management Journal, v. 12, n. 2, 1991.

YIN, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Bookman editor, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34629/ric.v13i2.18-31

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

-----------------------------------------------------------------------------------
Apoio institucional:
Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PPGCC)
Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Avenida dos Economistas, s/n - Cidade Universitária
CEP 50670-901 - Recife - Pernambuco - Brasil
Tel/fax. 55-(81) 21268874

 

Indexadores

 

BASE Logo