MOTIVAÇÃO DOS DISCENTES EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS NA ÓTICA DA TEORIA DA AUTODETERMINAÇÃO

Ana Carolina Vasconcelos Colares, Nailce Boas da Silva Amorim

Resumo


Buscou-se nesta pesquisa analisar o nível de motivação dos discentes em Ciências Contábeis e a relação com as características demográficas como base a Teoria da Autodeterminação, assim como identificar outros motivos que os levaram a escolher o curso. A pesquisa foi realizada por meio de um questionário a 339 discentes do curso de Ciências Contábeis em cinco universidades. Os resultados constataram um elevado nível de motivação intrínseca, a qual está relacionada a fazer algo pelo prazer e pela realização pessoal, e, pela satisfação de aprender e por entender o que quer do futuro. No entanto, as razões mencionadas pelos participantes para realização do curso estavam alinhadas à motivação extrínseca, relacionadas às expectativas com oportunidades no mercado de trabalho e abrangência nas áreas de atuação. Constatou-se ainda que um maior nível de motivação intrínseca está associado aos estudantes de maiores faixas etárias, do gênero feminino e dos períodos iniciais do curso.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Marcelo Daiha Castro; SANTANA, Claudio Moreira. Análise das Percepções e expectativas dos alunos de ciências contábeis na universidade de Brasília quanto ao perfil do professor e inserção no mercado de trabalho. In: Anais... Congresso USP de Contabilidade e Controladoria: São Paulo, 2008.

BECK, F.; RAUSH, R. B. Fatores que influenciam o processo ensino aprendizagem na percepção de discentes do curso de ciências contábeis. Contabilidade Vista & Revista, 25(2), 38-58, 2015.

BERGAMINI, Cecília Whitaker. Motivação nas organizações. 6. ed. São Paulo, SP: Atlas, 1 recurso online ISBN 9788522478231, 2013.

BRASILEIRO, Ada Magaly Matias. Manual de produção de textos acadêmicos e científi-cos. São Paulo: Atlas. xiv, 171 p. ISBN 9788522476084, 2013.

BZUNECK, José Aloyseo; GUIMARÃES, S. E. R. Estilos de professores na promoção da motivação intrínseca: reformulação e validação de instrumento. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 23, n. 4, p. 415-422, 2007.

CARMO, Carlos Roberto Souza; MIRANDA, Gilberto José; LEAL, Edvalda Araújo. Motivação discente para a aprendizagem das disciplinas do curso de Ciências Contábeis. Registro Con-tábil, v. 3, n. 3, p. 123-143, 2012.

CARMO, Carlos Roberto Souza. Motivação para aprendizagem no curso de Ciências contá-beis: um estudo comparativo entre alunos da modalidade presencial e a distância, referente a disciplina de Controladoria. REUNIR: Revista de Administração, Contabilidade e Susten-tabilidade, v. 4, n. 2, p. 76-95, 2014.

CAVENAGHI, Ana Raquel Abelha; BZUNECK, José Aloyseo. A motivação de alunos adolescentes enquanto desafio na formação do professor. In: Congresso Nacional De Educação, 9. Encontro Sul Brasileiro De Psicopedagogia, 3., 2009, Curitiba. Anais... Curitiba: PUCPR, 2009.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. Elsevier Brasil. Disponível em:

COLARES, Ana Carolina Vasconcelos; CASTRO, Mariana Camilla Coelho Silva; CUNHA, Jacqueline Veneroso Alves da; BARBOSA Neto, João Estevão. Motivação docente na pós-graduação stricto sensu: uma análise a partir da teoria da autodeterminação. Revista Contabilidade & Finanças, USP, São Paulo, v. 30, n. 81, p. 381-395, set./dez. 2019.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SÃO PAULO. Ciências Contábeis é o quarto curso mais procurado segundo o Mec. Disponível em: . Acesso em nov. 2019. São Paulo, 2014.

DECI, E. L. Effects of externally mediated rewards on intrinsic motivation. Journal of Personality and Social Psychology, 18 (1), p. 105-115, 1971.

DOS SANTOS, Acácia Aparecida Angeli, MOGNON, Jocemara Ferreira; LIMA, Thatiana Helena de; CUNHA, Neide Brito. A relação entre vida acadêmica e a motivação para aprender em universitários. Psicologia Escolar e Educacional, v. 15, n. 2, p. 283-290, 2018.

DUARTE, Jorge; BARROS, Antônio (Org.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

FERNET, C.; SENECAL, C.; GUAY, F.; MARSH, H.; & DOWSON, M. The work tasks motivation scale for teachers (WTMST). Journal of Career assessment, 16 (2), p. 256, 2008.

FLORES, Maria Assunção. Tendências e tensões no trabalho docente: reflexões a partir da voz dos professores. Perspectiva, v. 29, n. 1, p. 161-191, 2011.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GUIMARÃES, Sueli E.; BZUNECK, José Aloyseo. Propriedades psicométricas de uma medida de avaliação da motivação intrínseca e extrínseca: um estudo exploratório. Psico-USF, v. 7, n. 1, p. 01-08, 2002.

GUIMARÃES, Sueli Édi Rufini; BZUNECK, José Aloyseo; SANCHES, Samuel Fabre. Psicologia educacional nos cursos de licenciatura: a motivação dos estudantes. Psicologia Escolar e Educacional, v. 6, n. 1, p. 11-19, 2002.

GUIMARÃES, Sueli Édi; BORUCHOVITCH, Evely. O estilo motivacional do professor e a motivação Intrínseca dos estudantes: uma perspectiva da teoria da Autodeterminação. Psico-logia: reflexão e crítica, v. 17, n. 2, p. 143-150, 2004.

LAGIOLA, Umbelina Cravo Teixeira, SANTIAGO, Hugo Leonardo Ferraz; GOMES, Rafael Barbosa; RIBEIRO FILHO, José Francisco. Uma investigação sobre as expectativas dos estu-dantes e o seu grau de satisfação em relação ao Curso de Ciências Contábeis. Revista Con-temporânea de Contabilidade, Florianópolis, v. 4, n. 8, p. 121-138, jul, 2008.

LEAL, Edvalda Araújo; MIRANDA, Gilberto José; CARMO, Carlos Roberto Souza. Teoria da autodeterminação: uma análise da motivação dos estudantes do curso de ciências contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, v. 24, n. 62, p. 162-173, 2013.

LENS, Willy; MATOS, Lennia; VANSTEENKISTE, Maarten. Professores como fontes de motivação dos alunos: o quê e o porquê da aprendizagem do aluno. Educação, v. 31, n. 1, 2008.

LOPES, Laerson Morais Silva; PINHEIRO, Francisco Marton Gleuson; SILVA, Antônio Carlos Ribeiro da; ABREU, Emmanuel Sousa de. Aspectos da motivação intrínseca e extrínseca: uma análise com discentes de Ciências Contábeis da Bahia na perspectiva da Teoria da Autodeterminação. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 1, n. 1, p. 21-39, 2015.

LÜCK, Heloísa. Dimensões da gestão escolar e suas competências. Curitiba: Editora Positivo, p. 47-69. 2009. Disponível em: https://scholar.google.com.br. Acesso em: nov. 2019.

MARINS, Luiz. Desmistificando a Motivação. São Paulo: Harbra, 2007.

MASIERO, Gilmar. Administração de empresas. 3. São Paulo Saraiva. 1 recurso online ISBN 9788502177543, 2012.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Fundamentos de administração introdução à teoria geral e aos processos da administração. 3. Rio de Janeiro LTC 1 recurso online ISBN 978-85-216-2751-7, 2014.

MOREIRA, Herivelto. A investigação da motivação do professor: a dimensão esquecida. Revista Educação e Tecnologia. Campinas, n. 1, p. 88-96, 1997.

NEVES, Edna Rosa Correia; BORUCHOVITCH, Evely. A motivação de alunos no contexto da progressão continuada. Psicologia: teoria e pesquisa, 2004.

OLÍMPO, Eliana. A transferência na relação professor-aluno na adolescência. 88 f. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, 2015.

OLIVEIRA, Plícia Araújo; THEOPHILO, Carlos Renato; BATISTA, Igor Veloso Colares; SOARES, Simarly Maria. Motivação sob a perspectiva da Teoria da Autodeterminação: um estudo da motivação de alunos do curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Montes Claros. In: Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade. Anais... São Paulo, 2010.

PIZANI, J., Barbosa-Rinaldi, I. P., MIRANDA, A. C. M., & Vieira, L. F. (Des) motivação na educação física escolar: uma análise a partir da teoria da autodeterminação. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 38 (3), p. 259-266, 2016.

REEVE, Johnmarshall. Motivação e emoção. 4. Rio de Janeiro, 2006.

RYAN, R. M.; DECI, E. L. Intrinsic and extrinsic motivations: Classic de nitions and new directions. Contemporary Educational Psychology, 25(1), 54-67, 2000a.

RYAN, R. M.; DECI, E. L. Self-determination theory and the facilitation of intrinsic motivation, social development, and well-being. American Psychological Association, 55 (1), p. 68–78, 2000b.

SOBRAL, Dejano T. Motivação do aprendiz de medicina: uso da escala de motivação acadêmica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 19, n. 1, p. 25-31, 2003.

VALLERAND, R. J.; PELLETIER, L. G.; BLAIS, M. R.; BRIÈRE, N. M.; SENECAL, C.; VALLIERES, E. F. The Academic Motivation Scale: a measure of intrinsic, extrinsic, and amotivation in education. Educational and Psychological Measurement 52, 1003-1017, 1992.




DOI: https://doi.org/10.34629/ric.v14i0.e-020008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

-----------------------------------------------------------------------------------
Apoio institucional:
Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PPGCC)
Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Avenida dos Economistas, s/n - Cidade Universitária
CEP 50670-901 - Recife - Pernambuco - Brasil
Tel/fax. 55-(81) 21268874

 

Indexadores

BASE Logo