Inteligência Artificial e a Crise do Poder Judiciário: Linhas Introdutórias sobre a Experiência Norte-Americana, Brasileira e sua Aplicação no Direito Brasileiro

Thiago Souza Brito, Rodrigo Saldanha Fernandes

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar a denominada crise no Poder Judiciário brasileiro, que demanda novas formas de enfrentar antigos problemas. Dentre as medidas possíveis, propõe-se a utilização de novas tecnologias. Desta forma, o presente artigo busca analisar as possíveis aplicações da Inteligência Artificial pelo Judiciário. Para tanto, são explicitados alguns problemas vivenciados pelo jurisdicionado no Brasil. Apresenta também conceitos introdutórios sobre inteligência artificial e sua aplicabilidade nos EUA e no Poder Judiciário brasileiro. Por fim, demonstra algumas hipóteses de ampliação da utilização da IA no contexto brasileiro. 


Palavras-chave


Direito Processual; Inteligência Artificial; Juiz-Robô

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Pública. Negros são mais condenados por tráfico e com menos drogas em São Paulo. Disponível em https://apublica.org/2019/05/negros-sao-mais-condenados-por-trafico-e-com-menos-drogas-em-sao-paulo/. Acesso em 4/4/2020.

Agrast, M. D., Botero, J. C., Martinez, J., Ponce, A., & Pratt, C. The World Justice Project: Rule of Law Index 2015. World Justice Project. Disponível em: https://worldjusticeproject.org/sites/default/files/roli_2015_0.pdf. Acesso em 4/4/2020.

ASIMOV, Isaac. The Toronto Star. Edição de 31/12/1983. Disponível em: https://www.thestar.com/news/world/2018/12/27/35-years-ago-isaac-asimov-was-asked-by-the-star-to-predict-the-world-of-2019-here-is-what-he-wrote.html. Acesso em 2/1/2020.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. Rio de Janeiro: BestBolso, 2014.

BRITO, Thiago Carlos de Souza. Gerenciamento dos processos judiciais: Estudo Comparado dos Poderes e Atuação do Juiz na Inglaterra, nos Estados Unidos e no Brasil – Dissertação. UFMG: 2013.

BRITO, Thiago Carlos de Souza. Crítica aos recursos repetitivos de acordo com a teoria dos precedentes e a função jurisdicional. In: Revista da Faculdade de Direito da UFRGS. N. 35, p. 252-267, Dez. 2016.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryan. Acesso à justiça. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editora, 2002.

CARVALHO, Claudia. A inteligência artificial na Justiça dos EUA e o Direito Penal brasileiro. Disponível em: https://www.ab2l.org.br/inteligencia-artificial-na-justica-dos-eua-e-o-direito-penal-brasileiro/. Acesso em: 25 mai.2019

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Relatório Justiça em Números 2019. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/pesquisas-judiciarias/justicaemnumeros/2016-10-21-13-13-04/pj-justica-em-numeros, página 79 Acesso em: 18 Set.2019

COPPIN, Ben. Inteligência Artificial. Rio de Janeiro: LTC, 2010.

DE LUCA, Cristina. Americanos dão o primeiro passo para regulamentar a Inteligência Artificial. Disponível em: https://porta23.blogosfera.uol.com.br/2019/04/12/americanos-dao-o-primeiro-passo-para-regulamentar-a-inteligencia-artificial/. Acesso em 26 mai.2019

D’ALMEIDA, André Correa; BREHM, Katie; HIRABAYASHI, Momori; LANGEVIN, Clara; MUÑOZCANO, Bernardo Rivera; SEKIZAWA, Katsumi; ZHU, Jiayi. Futuro da IA no sistema judiciário brasileiro: mapeamento, integração e governança. New York: 2020.

EUROPARL, Disponível em: http://www.europarl.europa.eu/doceo/document/TA-8-2019-0081_PT.html?redirect. Acesso em: 18 ago.2019.

FERRARI, Isabela; BECKER, Daniel; WOLKART, Erick Navarro. Arbitrum Ex Machina: panorama, riscos e a necessidade de regulação das decisões informadas por algoritmos. In: Revista dos Tribunais. Vol. 995, p. 635-655, Set. 2018.

FORSTER, João. Pode o “juiz natural” ser uma máquina? Disponível em: http://sisbib.emnuvens.com.br/direitosegarantias/article/view/1631. Acesso em: 22 set.2019

LIMA, Juliana Domingos de. Por que tantos assistentes virtuais têm nome de mulher. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/12/04/Por-que-tantos-assistentes-virtuais-têm-nome-de-mulher. Acesso em: 06 out.2019

LOPES, Camila. O que é ADR (alternative dispute resolution) e ODR (online dispute resolution)? Disponível em: https://legaltechnobrasil.com.br/noticias/10471-o-que-e-adr-alternative-dispute-resolution-e-odr-online-dispute-resolution/. Acesso em: 25 out. 2019.

MARINONI, Luiz Guilherme. Julgamento nas cortes supremas: precedente e decisão do recurso diante do novo CPC. 2ª ed. São Paulo: RT, 2017.

MARQUES, Ricardo Dalmaso. A resolução de disputas online: do comércio eletrônico ao seu efeito transformador sobre o conceito e a prática do acesso à justiça. In: Revista de Direito e Novas Tecnologias. Vol. 5. Out-Dez. São Paulo: RT, 2019.

MEGGIOLARO, Daniella. O machismo no judiciário. Migralhas de Peso. Disponível em: https://www.migalhas.com.br/depeso/289230/o-machismo-no-judiciario. Acesso em 10/4/2020.

MOROZOV, Evgeny. Big tech: a ascensão dos dados e a morte da política. São Paulo: Ubu, 2017.

NALINI, José Renato. Ética na magistratura. São Paulo: RT, 2009.

NALINI, José Renato. A rebelião da toga. 3ª ed. São Paulo: RT, 2015.

NUNES, Dierle; MARQUES, Ana Luiza Pinto Coelho. Inteligência artificial e direito processual: vieses algoritmos e os riscos de atribuição de função decisória às máquinas. In: Revista de Processo. Vol. 285, p. 421-447, nov. 2018.

PAMPLONA FILHO, Rodolfo. O mito da neutralidade do juiz como elemento de seu papel social. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/2052/o-mito-da-neutralidade-do-juiz-como-elemento-de-seu-papel-social acesso em: 16 jun.2019

PORTO JÚNIOR, Odélio. Como a inteligência artificial pode afetar os tribunais? Disponível em: http://irisbh.com.br/como-a-inteligencia-artificial-pode-afetar-os-tribunais/. Acesso em: 06 out.2019

ROS, Luciano da. O custo da Justiça no Brasil: uma análise comparativa exploratória. In: Observatório de elites políticas e sociais do Brasil. Vol. 2, n.9. Curitiba: UFPR, 2015.

RUSSEL, Stuart J. Inteligência artificial. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

SOUZA, Artur César. Imparcialidade do juiz – uma leitura constitucional de sua concepção dogmática. In: Revista de Processo. Vol. 269, p. 59-88, Jul. 2017.

TAURION, Cezar. Revista do TCU: As inovações tecnológicas na fiscalização. Disponível em: https://revista.tcu.gov.br/ojs/index.php/RTCU/issue/download/68/101. Acesso em 26 mai.2019

TEIXEIRA, Matheus. STF investe em inteligência artificial para dar celeridade a processos. Disponível em: https://www.ab2l.org.br/stf-investe-em-inteligencia-artificial-para-dar-celeridade-a-processos/. Acesso em: 28 mai. 2019

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito Processual Civil. Volume I. 56ª edição. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

TST, Inteligência artificial traz melhorias inovadoras para tramitação de processos no TST. Disponível em: https://www.ab2l.org.br/inteligencia-artificial-traz-melhorias-inovadoras-para-tramitacao-de-processos-no-tst/. Acesso em: 26 mai.2019

VILLAN, Cédric. Donner uns sens à li’intelligence artificielle: pour une stratégie nationale et européenne. Disponível em: https://www.aiforhumanity.fr. Acesso em 12 jul.2019

WOLKART, Erik Navarro. Análise Econômica do Processo Civil. São Paulo: RT, 2018.

ZANETI JÚNIOR, Hermes; CABRAL, Antônio do Passo. Entidades de infraestrutura específica para resolução de conflitos coletivos: as claims resolutions facilities e sua aplicabilidade no Brasil. In: Revista dos Tribunais. Vol. 287, p. 445-483, Jan. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Thiago Souza Brito, Rodrigo Saldanha Fernandes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

DIRETÓRIOS, PORTAIS E INDEXADORES:

 

 

 

  vLex Brasil

 

 

AVALIADO PELO

 

INSTITUCIONAL