ACESSO À JUSTIÇA: DIREITO DOS ANIMAIS

Ingrid de Lima Barbosa, José Orlando Ribeiro Rosário

Resumo


Não podendo o Estado de Direito reconhecer direitos sem fornecer o mecanismo necessário ao exercício e salvaguarda desses perante ele mesmo, o acesso à justiça é previsto constitucionalmente por se revestir dos aspectos de um direito fundamental para a manutenção da vida em sociedade. Porém, esse direito nem sempre apresentou a mesma conotação, sendo, assim, como muitos outros, interpretado diferentemente no decorrer do tempo, agregando, com o avançar da sociedade, novos aspectos e sujeitos-titulares. De fato, aos poucos, pessoas que não gozavam de capacidade jurídica a adquiriram, como os negros. Atualmente, a discussão se centra sobre a consideração moral e jurídica dos animais, o que remete ao acesso à justiça como um direito-consequência da atribuição de direitos já previstos no ordenamento. Portanto, no presente artigo foram analisados os critérios-chave da capacidade jurídica no Direito brasileiro, e verificada a solidez da possibilidade do reconhecimento da capacidade jurídica dos animais, com o instrumental metodológico dedutivo. A perspectiva extraída da pesquisa foi a de que, a partir do tecnicismo do conceito jurídico de pessoa/sujeito de direito e de algum suporte na teoria dos casos marginais, não há óbice concreto ao reconhecimento da capacidade de ser parte dos animais, embora não sejam capazes de estar em juízo, devendo ser representados ou substituídos, conforme disciplina a legislação.


Palavras-chave


Acesso à justiça; Capacidade jurídica; Animais

Texto completo:

PDF

Referências


ABAL, Felipe Cittolinl; CHINI, Mariana. O julgamento de animais na obra de E. P. Evans. Revista Duc In Altum Cadernos de Direito, Recife, v. 10, 20, p. 135-151, jan.-abr., 2018. Disponível em: http://www.faculdadedamas.edu.br/revistafd/index.php/cihjur/article/view/690. Acesso em:14 jun. 2020.

ALVIM, José Eduardo Carreira. Teoria Geral do Processo. 19 ed. rev., atual e ampl. Rio de Janeiro: Forense, 2016, [n.p.].

ATAIDE JUNIOR, Vicente. Introdução ao Direito Animal Brasileiro. Revista Brasileira de Direito Animal, Salvador, v. 13, n. 3, p. 48-76, 8 nov. 2018. Universidade Federal da Bahia. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/rbda.v13i3.28768. e-ISSN: 2317-4552. Disponível em: https://rigs.ufba.br/index.php/RBDA/article/view/28768. Acesso em: 13 jun. 2020.

BARATELA, Daiane Fernandes. A proteção jurídica da fauna à luz da Constituição Brasileira. 2015. Dissertação (Mestrado em Direito Constitucional) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 22 abr. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Plenário). Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 4.983. Processo Objetivo – Ação Direta de Inconstitucionalidade – Atuação do Advogado-Geral da União. Vaquejada – Manifestação Cultural – Animais – Crueldade Manifesta – Preservação da Fauna e da Flora – Inconstitucionalidade. Requerente: Procurador-Geral da República. Interessados: Assembleia Legislativa do Estado do Ceará e Governador do Estado do Ceará. Relator: Ministro Marco Aurélio, 06 de outubro de 2016. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/downloadPeca.asp?id=311683661&ext=.pdf. Acesso em: 08 dez. 2020.

BRASIL. Tribunal de Justiça do Paraná. Decisão Interlocutória 0000691-32.2020.8.16.0021. 4ª Vara Cível de Cascavel. Juíza: Gabrielle Britto de Oliveira, 04 de março de 2020a. Disponível em: https://projudi.tjpr.jus.br/projudi_consulta/. Acesso em: 09 dez. 2020.

BRASIL. Tribunal de Justiça da Bahia. Processo 8000905-50.2020.8.05.0001. 5ª Vara Cível da Comarca de Salvador. Autor: Camila de Jesus Dantas de Oliveira; Réus: Civil Construtora LTDA. e BEEL – Barcino Esteve Construções e Incorporações LTDA. Juiz: Joanísio de Matos Dantas Júnior, 2020b. Disponível em: https://consultapublicapje.tjba.jus.br/pje-web/ConsultaPublica/DetalheProcessoConsultaPublica/listView.seam?ca=af04b8907ffb71508125733ef0d4f40021983bbb885681ec. Acesso em: 20 dez. 2020.

BARREIROS, Lorena Miranda Santos. Breves considerações sobre o princípio do acesso à justiça no Direito brasileiro. Revista Direito UNIFACS, Salvador, n. 112, out./2009. ISSN 1808-4435. p. 1-30. Disponível em: https://revistas.unifacs.br/index.php/redu/article/view/835. Acesso em: 13 jun. 2020.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 26. ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2011. 835 p.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7ª ed. Coimbra: Almedina, 2003. 1522 p.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Tradução: Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Fabris, 1988. 168 p.

CARTA FORENSE. Direito Animal: Expectativas Constitucionais. Jornal Carta Forense. São Paulo, 01 jun. 2017 [online]. Disponível em: http://www.cartaforense.com.br/conteudo/entrevistas/direito animal

expectativas constitucionais/17619. Acesso em: 22 abr. 2020.

CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil. Campinas: Bookseller, 2009. 1323 p.

COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito civil: parte geral. v. 1. 5 ed. São Paulo: Saraiva, 2012. [n.p.].

DESCARTES, René. Discurso do Método: Para bem conduzir a própria razão e procurar a verdade nas ciências. In: GUINSBURG, Jacob; PRADO JUNIOR, Bento (Org.). Obras Escolhidas. São Paulo: Difel - Difusão Europeia do Livro, 1962, p. 1-51.

FARIAS, Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Curso de Direito Civil: parte geral e LINDB, v. 1. 13 ed., ver., ampl. e atual. São Paulo: Atlas, 2015. 752 p.

FERREIRA, Ana Conceição Barbuda. Animais não humanos como Sujeitos de Direito: considerações processuais. Revista Brasileira de Direito Animal, Salvador, v. 6, n. 9, p. 307-353, 21 jul. 2011. Universidade Federal da Bahia. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/rbda.v6i9.1173. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RBDA/article/view/11733. Acesso em: 13 jun. 2020.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro: parte geral. v. 1. 10 ed. São Paulo: Saraiva, 2012. [n.p.].

GOUVEIA FILHO, Roberto Pinheiro Campos. A capacidade postulatória como uma situação jurídica processual simples: ensaio em defesa de uma teoria das capacidades em direito. 2008. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Mestrado em Direito, Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2008.

GORDILHO, Heron José de Santana; SILVA, Tagore Trajano de Almeida. Animais em Juízo: Direito, Personalidade Jurídica e Capacidade Processual. Revista de Direito Ambiental, [s.l.], v. 65, p. 333-362, jan. 2012. Disponível em: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2352064. Acesso em: 13 jun. 2020.

KANT, Immanuel. Lecciones de Ética. Barcelona: Editorial Crítica, 1988. 307 p.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. São Paulo: Martins Fontes, 1999. 271 p.

LIMA, Fernando Bezerra de Oliveira. Habeas Corpus para animais: admissibilidade do HC “Suíça”. Revista Brasileira de Direito Animal, Salvador, v. 2, n. 3, p. 155-192, 20 maio 2014. Universidade Federal da Bahia. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/rbda.v2i3.10362. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RBDA/article/view/10362. Acesso em: 20 abr. 2020.

LIMA, George Marmelstein. O direito fundamental à ação. Fortaleza: [s.n.], 1999. 183 p.

LOURENÇO, Daniel Braga. A persecução e a condenação criminal de animais: o processo judicial como meio de conferir integridade às narrativas sociais em conflito. Revista Brasileira de Direito Animal, Salvador, v. 12, n. 02, p. 85-123, 24 jul. 2017. Universidade Federal da Bahia. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/rbda.v12i02.22944. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RBDA/article/view/22944. Acesso em: 13 jun. 2020.

LOW, Philip et al. The Cambridge Declaration on Consciousness. Proclamada publicamente em Cambridge, Reino Único, em 7 de julho de 2012, na Conferência realizada no Francis Crick Memorial sobre a Consciência em Animais Humanos e Não Humanos. Disponível em: http://fcmconference.org/img/CambridgeDeclarationOnConsciousness.pdf. Acesso em: 11 jun. 2020.

MONNERAT, Fábio. Introdução ao estudo do Direito Processual Civil. 5 ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2020. 616 p.

NACONECY, Carlos Michelon. Ética & Animais: um guia de argumentação filosófica. 2 ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014, Ebook.

NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de Direito Processual Civil. v. único. 9 ed. Salvador: Ed. Juspodivm, 2017. 1808 p.

SARLET, Ingo Wolfgang; FENSTERSEIFER, Tiago. Direito Constitucional Ambiental: Constituição, direitos fundamentais e proteção do ambiente. 2 ed. rev. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012. 384 p.

SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de direito constitucional. 4. ed. ampl. São Paulo: Saraiva, 2015. [n.p.].

SILVA, Camilo Henrique; VIEIRA, Tereza Rodrigues. Tutela Jurídica dos Animais Não-Humanos no Brasil. Revista Jurídica CESUMAR, Paraná, v. 14, n. 2, p. 469-489, 23 set. 2014. UniCesumar. ISSN 2176-9184. Disponível em: https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/revjuridica/article/view/3720. Acesso em: 04 abr. 2020.

SILVA, Juvêncio Borges. O acesso à justiça como direito fundamental e sua efetivação jurisdicional. Revista de Direito Brasileira, Florianópolis, v. 4, n. 3, set./2013, p. 478-503. ISSN 2358-1352. DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2358-1352/2013.v4i3.2648. Disponível em: https://www.indexlaw.org/index.php/rdb/article/view/2648. Acesso em: 10 abr. 2020.

TAVARES, André Ramos. Curso de direito constitucional. 18. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2020. 1240 p.

THEODORO JR., Humberto. Curso de Direito Processual Civil: Teoria geral do direito processual civil e processo de conhecimento. v. 4. Rio de Janeiro: Forense, 2014. Produção Digital: Geethik. ISBN 978-85-309-5405-5. 2632 p.

THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais (1500-1800). Tradução de João Roberto Martins Filho. São Paulo: Companhia das Letras, 1988. 454 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Ingrid de Lima Barbosa, José Orlando Ribeiro Rosário

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

DIRETÓRIOS, PORTAIS E INDEXADORES:

 

 

 

  vLex Brasil

 

 

AVALIADO PELO

 

INSTITUCIONAL