As concepções de leitura de professores em formação inicial e continuada: encontros ou desencontros?

Monica de Sousa Serafim

Resumo


Resumo: Este trabalho tem por objetivo mostrar quais as concepções de leitura dos professores em formação inicial e continuada. A fim de vislumbrarmos quais são essas concepções e suas implicações, utilizaremos como postulados teóricos as contribuições de Braggio (1992), Martins (1992), Leffa (1996), Bronckart (2003, 2006), Clot (1999, 2006) e Cicurel (1974, 1996, 2001). A metodologia utilizada consistiu em uma entrevista com 25 professores em formação inicial e de 25 professores em formação continuada. A entrevista foi do tipo estruturada, contendo 10 perguntas. O resultado desta pesquisa nos mostrou que a concepção de leitura dos professores em formação inicial é mais voltada para uma concepção interativa de leitura ao passo que os professores em formação continuada tendem a ver a leitura enquanto um processo de decodificação e interpretação única do texto. Isso nos permitiu concluir que é cada vez mais urgente a necessidade de motivar os professores das escolas para modificar as práticas, de dar condições para que outras práticas sejam adotadas e de se investigar por que nos novos tempos velhas práticas ainda permanecem. 

Palavras-chave: Concepções de Leitura; professores em formação inicial; professores em formação continuada.  


Abstract: This work aims to show that teachers' conceptions of reading in initial and continuing education. In order to see what these concepts and their implications are, we will use as theoretical postulates the contributions of Braggio (1992), Martins (1992), Leffa (1996), Bronckart (2003, 2006), Clot (1999, 2006) e Cicurel (1974, 1996, 2001). The methodology used consisted of an interview with 25 teachers in initial training and 25 teachers in continuing education. The interview was the structured type, containing 10 questions. The result of this research has shown that the design of initial training for teachers of reading is more focused on an interactive conception of reading while teachers in continuing education tend to see reading as a process of decoding and unique interpretation of the text. This allowed us to conclude that it is ever more urgent the need to motivate teachers of schools to modify the practice of giving conditions for other practices are adopted and to investigate why the new times old practices still remain.

Keywords: Reading Conceptions; teachers in initial training; teachers in continuing education.


Texto completo:

PDF

Referências


BRAGGIO, S.L.B. Leitura e Alfabetização: da concepção mecanicista à sóciopsicolingüística. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

BRONCKART, J.P. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo

sociodiscursivo na escola. São Paulo: EDUC, 2003.

_____. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

CHARTIER, R. Do livro à leitura. In: CHARTIER, R. (Org). Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

CICOUREL, A. Cognitive sociology: language meaning in social interaction. New York: Free Press, 1974.

CICUREL, F. L’instabilité énonciative en classe de langue. In: Les Carnets du Cediscor [En ligne], vol.4 , 1996. Captado de http://cediscor.revues.org/393. Acesso em 01 junho de 2015.

CICUREL, F. Quand le français langue professionnelle est l’objet de l’interaction. In: Les Carnets du Cediscor [En ligne], vol. 7, 2001. Captado de http://cediscor.revues.org/297. Acesso em 01 junho de 2015.

CLOT, Y; FAÏTA, D. Genres et styles en analyse du travail. Concepts et méthodes. Travailler, 6, 7-43, 1999.

__________. A função psicológica do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006.

COLOMER, T. ; C. A. Ensinar a ler, Ensinar a compreender. Porto Alegre: Artmed, 2002.

COSTA. N. B. da. As letras e a letra: o gênero canção na mídia literária. IN: DIONÍSIO, A.P.; MACHADO, A.R. e BEZERRA, M.A. (Orgs.) Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

CURTO, L. et al. Escrever e ler: como as crianças aprendem e como o professor pode ensiná-las a escrever e ler. Porto Alegre: Artmed, 2000.

DELL’ISOLLA, R. L. P. A interação sujeito-linguagem em leitura. In: MAGALHÃES, I. (org.) As múltiplas faces da linguagem. Brasília: UNB, 1996.

ECO, U. Interpretação e superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

EISNER, E.W. The enlightened eye: qualitative inquiry and the enancement of educational practice. New York: Macmillan Publish Company, 1991.

GOODMAN, K. The reading process. In: In: CARREL, P.L. DEVINE, J. ESKEY, D.E. (eds.). Interactive approaches to second language reading. Cambrigde: Cambrigde University Press, 1988, p.11-21.

GOULEMOT, J. M. Da leitura como produção de sentidos. In: CHARTIER, Roger (Org.). Práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

GRABE, W. ; STOLLER, F. L. Teaching and researching reading. London, England: Pearson Education, 2002.

KLEIMAN, A. Oficina de leitura – teoria e prática. Campinas: UNICAMP, 1993.

_____. Leitura: ensino e pesquisa. Campinas: Pontes, 1996.

KRESS, G. ; VAN LEEUWEN.T. Reading Images: The Grammar of Visual Design. London: Routledge, 1996.

KRESS, G. Literacy in the New Media Age. London: Routledge, 2003.

LEFFA, V.J. O conceito de leitura. In: Aspectos da Leitura: uma perspectiva. Psicolinguística. Porto Alegre: Sagra, DC Luzzatto, 1996. p. 9-18.

LEURQUIN, E. V. L. F. Contrato de comunicação e concepções de leitura na prática pedagógica de língua portuguesa. UFRN: Natal, 2001. Tese de Doutorado.

MARCUSCHI, L. A. Compreensão de texto: algumas reflexões. In: DIONÍSIO, A. e PAIVA, M. A. O livro didático de português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003.

MARTINS, M. H. O que é leitura? São Paulo: Brasiliense, 1992.

PERINI, M. A.. Gramática descritiva do português. São Paulo: Ática, 1996.

POSSENTI, S. Sobre a leitura: o que diz a Análise do Discurso? IN: MARINHO, M. (org.). Ler e navegar: espaços e percursos da leitura. Campinas: Mercado de Letras, 2001, pp. 19-30.

SAMUELS , S. J. & KAMIL, M. Models of the reading process. In CARRELL, P.L; DEVINE, J. ESKEY, D.E.(eds.). Interactive approaches to second language reading. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.

SCARAMUCCHI, M.V.R. O papel do léxico na compreensão em leitura em língua estrangeira: foco no produto e no processo. Tese de Doutorado. Campinas: Unicamp, 1995.

SMITH, F. Compreendendo a Leitura: uma análise psicolingüística da leitura e do aprender a ler. Porto Alegre, Artes Médicas, 1989.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de Leitura. Porto Alegre: Artmed, 1998.

-----------------------------------------------------------------------------------

DOI: http://dx.doi.org/10.19134/eutomia-v1i15p315-337




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i15p315-337

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional