Interacionismo Sociodiscursivo e Trabalho Colaborativo: Possibilidades de Formação Continuada

Mariolinda Rosa Romera Ferraz, Adair Vieira Gonçalves

Resumo


Resumo: Neste artigo, objetiva-se defender o Interacionismo Sociodiscursivo como uma concepção teórica e uma vertente didática (BRONCKART, 2007; DOLZ, NOVERRAZ, SCHNEUWLY, 2004) integrante do currículo de cursos de formação continuada de professores articulado ao trabalho colaborativo. Inicialmente, apresenta-se o contexto de uma pesquisa que adotou esta concepção teórico-metodológica; em seguida, relatam-se aspectos da formação desenvolvida, na qual professores efetuaram a construção de modelo didático e de sequência didática. Para se avaliar as concepções docentes, prévias e/ou aprimoradas, sobre o aporte teórico, foram aplicados dois questionários: o primeiro (com 09 questões e respondido por 13 professores) no início, e o segundo (com 10 questões e respondido por 09 professores) no final do curso, cuja carga horária total foi de 140h, sendo 12h horas destinadas para modelização de gênero e 30h à planificação da sequência didática. Ademais, a geração dos dados foi feita também por meio de material audiovisual, do/no qual se evidenciam as reflexões docentes sobre as implicações desta concepção no fazer pedagógico do professor de língua.

Palavras-chave: interacionismo sociodiscursivo; formação continuada de professores; trabalho colaborativo.


Abstract: This paper aims to defend the Sociodiscursive Interactionism as a theoretical conception and a didactic aspect (BRONCKART, 2007; DOLZ, NOVERRAZ, SCHNEUWLY, 2004) embedded in the curriculum for the teachers of the continuing education course together with the collaborative work. Firstly, this work will introduce the context of a research which has adopted the theoretical and methodological conception; secondly, it will report aspects of the developed education in which the teachers have carried out the construction of the didactic model and didactic sequence.  To evaluate the previous and/or perfected conceptions of the teachers about the theoretical contribution, two questionnaires were applied: the first, which included 09 questions and was answered by 13 of the teachers, was made in the beginning of the course, and the second, which included 10 questions and was answered by 09 teachers, was made by the end of the course. The course had a total of 140 hours, of which 12 hours were destined to genre modeling and 30 hours destined to didactic sequence planning. Besides all the data analysis, there was also an audiovisual material, which clarifies the reflections of the teachers about all the implications of this conception to the Language teacher Pedagogy.

Keywords: sociodiscursive interactionism; teachers’ continuing education; collaborative work.

 

 

 


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, J. P. Do professor suposto pelos PCNs ao professor real de língua portuguesa: são os PCNs praticáveis? In: ROJO, R. (Org.). A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. 2 ed. Campinas-SP: Mercado de Letras, pp. 149-182, 2002.

BARROS, E. M. D. de. Gestos de ensinar e de aprender gêneros textuais: a sequência didática como instrumento de mediação. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem). Universidade Estadual de Londrina, Centro de Letras e Ciências Humanas, Londrina/PR, 2012.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, texto e discursos: por um interacionismo sociodiscursivo. 2ª edição. São Paulo: EDUC, 2007.

______. Gêneros de textos, tipos de discurso e sequências. Por uma renovação do ensino da produção escrita. Revista Letras, Santa Maria, v. 20, n. 40, pp. 163-176, jan/jun. 2010.

CELANI, M. A. A. (Org). Professores e formadores em mudança: relato de um processo de reflexão e transformação da prática docente. 2. ed. Campinas-SP, Mercado de Letras, pp. 19-33, 2010 [2002].

CRISTOVÃO, V.L.L. Aprendendo a planificar o próprio trabalho: gêneros textuais na formação de professores de língua estrangeira. In: CRISTOVÃO, V. L. L.; NASCIMENTO, E. L. (Orgs.) Gêneros textuais: teoria e prática II. Palmas e União da Vitória-PR: Kaygangue, pp. 153-162, 2005.

______. A relação entre teoria e prática no desenvolvimento do professor. In: MAGALHÃES, M. C. C. A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. 2 ed. Campinas – SP: Mercado de Letras, pp. 179-198, 2009 [2004].

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e escrita: apresentação de um procedimento. In: Gêneros orais e escritos na escola. Trad. e (Org). de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas-SP: Mercado de Letras, pp. 95-128, 2004.

______; SCHNEUWLY, B.; HALLER, Sylvie. O oral como texto: como construir um objeto de ensino. In: Gêneros orais e escritos na escola. Trad. e (Org). de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas-SP: Mercado de Letras, pp. 149-185, 2004.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 23 ed. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1987.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro-RJ: Paz e Terra, 2002.

GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagógica crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997

KINCHELOE, J. L. A formação do professor como compromisso político: mapeando o pós-moderno. Trad. Nize Maria Campos Pellanda. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MACHADO, A.R.; CRISTOVÃO, V. L. L. A construção de modelos didáticos de gêneros: aportes e questionamentos para o ensino de gêneros. Linguagem em (Dis)curso, LemD, Tubarão/SC, v.6, n.3, pp.547-573, set./dez. 2006.

MAGALHÃES, M. C. C. A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. 2 ed. Campinas – SP: Mercado de Letras, 2009 [2004].

NIÉRI, J.S. A transposição didática do gênero dissertação escolar. Dissertação (Mestrado em Letras) – Faculdade de Comunicação, Artes e Letras, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados/MS, 2010.

OLIVEIRA, M. do S. Gêneros textuais e letramento. Disponível em: http://www.ucs.br/ucs/tplSiget/extensao/agenda/eventos/vsiget/portugues/Download%20%20das%20palestras/Painel_14.08_Maria_do_Socorro.pdf. Acesso em: 10/04/2012.

ROMERO, T. R. de S. Características linguísticas do processo reflexivo. In: MAGALHÃES, M. C. C. A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. 2 ed. Campinas – SP: Mercado de Letras, pp. 135-144, 2009.

RUIZ, E. Como se corrige redação na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2001.

SCHNEUWLY. B. ;DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e Organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras.

-----------------------------------------------------------------------------------

DOI: http://dx.doi.org/10.19134/eutomia-v1i15p358-383




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i15p358-383

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional