Clarice Lispector:nas trevas dos acontecimentos

Cicero Cunha Bezerra

Resumo


Sob uma lua que demarca o tempo, mas que, em certa altura da noite, desaparece, o protagonista central do romance A maçã no escuro, Martim, dorme profundamente mergulhado no fundo de uma noite silenciosa. Assim como na narrativa dos Vedas (Upanixade), presente na citação que abre esse romance, o texto é marcado por uma não distinção entre forma e informe. Corpos vivos e inanimados compartem uma mesma atmosfera em que o exterior (Jardim) e interior (quarto de hotel) oscilam entre o discernível e o indiscernível de uma noite silenciosa de março em que os acontecimentos, mais do que pontos de convergências de experiências linearmente ordenadas, são irrupções, fissuras e desdobramentos que constroem, ao mesmo tempo em que descontroem, um enredo marcado pelo mistério de um crime em que a morte assume a condição de dýnamis, isto é, de potência criadora e reveladora de sentido. Esse artigo pretende, portanto, estabelecer uma reflexão, centrada especificamente no personagem Martim, sobre o papel da linguagem como lugar de perdição, mas também, de acontecimento em que sujeito e mundo se definem, dinamicamente, pelo jogo entre a fundação e a despossessão das categorias que definem as antagonias tais como:  conhecimento - ignorância, todo-vazio, palavra-silêncio e vida-morte.


Palavras-chave


Clarice Lispector; Filosofia;Literatura;Acontecimento

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i24p16%20-%2031



 

Qualis (CAPES): B1 (Quadriênio 2013-2016)

Diretórios:


Indexadores:

 JURN: Get the research you need, free

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

 

 

Institucional