Mitopoética de Lucila Nogueira

André Cervinskis

Resumo


A poeta Lucila Nogueira perpassa, em toda sua obra, pelo interculturalismo, desejo e sensualidade. Nos escritos lucilianos, os mitos ibéricos remetem às suas raízes poéticas, sua origem luso-galega. Assim, em sua “tetralogia ibérica”, iniciada em meados da década de 1990 e concluída nos anos 2000, (Ainadamar, Ilaiana, Amaya e Imilce). Em depoimento ao livro De Imilce a Medellín, a poesia de Lucila Nogueira, (CERVINSKIS, 2008) Yaracilda Coymet, com muita propriedade, afirmava: “Atravessando fronteiras culturais e desdobrando tapetes míticos nórdicos, essa Sherazade dos tempos modernos nos arrebata em seu vôo viking para muito além de mil e uma noites e léguas”. Lucila Nogueira, certamente, foi e é uma dessas autoras; carioca assumidamente nordestina, pernambucana, brasileira, mas com os seus pés no mundo inteiro.

Palavras-chave


Mito e performance; poesia de Lucila Nogueira; Poesia e identidades.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i23p371-390



 

Qualis (CAPES): B1 (Quadriênio 2013-2016)

Diretórios:


Indexadores:

 JURN: Get the research you need, free

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

 

 

Institucional