Ana Cristina César, a arte de ser desdobrável

Larissa Drigo Agostinho

Resumo


Este artigo explora a natureza da enunciação da poeta Ana Cristina na primeira pessoa. Trata-se de buscar definir como seus poemas se localizam num espaço aberto pela escritura que já não é mais tentativa de escrever o eu, mas a abertura para o encontro com o outro. Neste sentido exploramos a sua escrita feminina como exemplo maior da natureza multifacetada de sua lírica, que a poeta define também como gênero ligeiro. A relevância deste artigo está em buscar demonstrar que a expressão lírica de Ana Cristina é própria ao “feminino” ou do que se entende comumente por tal.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.