Vicente Franz Cecim & as fábulas do imaginário rebelde: literatura, imaginário e utopia na invenção de Andara

José Juvino da Silva Júnior

Resumo


Este artigo analisa as configurações poéticas de Vicente Franz Cecim para a composição de Andara, em Ó Serdespanto, bem como os posicionamentos que emanam da escritura do texto Flagrados em delito contra a noite (Manifesto Curau). Por meio de uma reflexão que engloba e deslinda a narrativa poética e o texto do manifesto investigamos como estas criações textuais se tornam espaços de resignificação e reinvenção do território amazônico.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. 2007. A utopia na era da incerteza. In: – Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

CAPRA, Fritjof. 2002. As conexões ocultas: ciência para uma vida sustentável. São Paulo: Cultrix.

CECIM, Vicente Franz. 2006. Ó Serdespanto. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

CHAUÍ, Marilena. 1989. Cultura e Democracia: o discurso competente e outras falas. São Paulo: Cortez editora.

DEAN, Warren. 1996. A ferro e fogo: a história da devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.

LIMA, Luiz Costa. 1989. O Controle do Imaginário: razão e imaginação nos tempos modernos. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

MANNHEIM, K. 1982. Ideologia e Utopia. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

RIBEIRO, Darcy. 1977. Os índios e a civilização. Petrópolis: Editora Vozes.

WEBER, Max. 1993. Ciência e Política: duas vocações. São Paulo: Cultrix.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.