Por uma estética da resistência

Edson Costa Duarte

Resumo


Entendendo resistência como o eterno retorno do tempo, a poética da resistência é aquela que não se opõe ao antigo, mas que traz em si todos os tempos, e, portanto, os problemas intemporais do ser humano. Uma poética da resistência é aquela que se realiza pelo enfoque sempre renovado da palavra e da forma de contar. Uma poética da resistência é aquela que funda, inaugura. A partir desta idéia, produzimos um ensaio que analisa o conto “Rútilo Nada” (1992), de Hilda Hilst, procurando entendê-lo num fazer literário que persistirá além da contingência de seu tempo.

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. 1988. A dialética da duração. São Paulo: Ática

BAUDELAIRE, Charles. 1968. Ouvres complètes. Paris: Seuil.

______. 1985. As flores do mal (trad. Ivan Junqueira). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

______. 1996. Pequenos poemas em prosa. Trad. Dorothée de Bruchard. Florianópolis:

Editora da UFSC.

______. 1988. Fogachos/ O meu coração a nu. Lisboa: Guimarães.

______. 1991. Escritos sobre arte. São Paulo: Edusp.

______. 1996. O poema do haxixe. Rio de Janeiro: Newton Compton Brasil Ltda.

______. 1996. Um comedor de ópio. Rio de Janeiro: Newton Compton Brasil Ltda.

BENJAMIN, Walter. 1985. Walter Benjamin. São Paulo: Ática.

______. 1983. Benjamin, Habermas, Horkheimer, Adorno. São Paulo: Abril Cultural. (Os pensadores)

______. 1986. Documentos de cultura/Documentos de barbárie (escritos escolhidos). São Paulo: Cultrix/Edusp.

BOLLE, Willi. S/d. O amuleto de Theodor W. Adorno. In: Revista Discurso (ano VII, nº 7). São Paulo: Departamento de Filosofia da FFLCH da USP, p. 221-230.

BOLZ, Norbert W. Teoria da mídia em Walter Benjamin. Trad. George Bernard Sperber. Disponível em: . Acesso em 10 outubro 2003.

EISENSTEIN, Sergei. 1949. Film form. New York: Harcourt, Brace & World.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. 1989. Notas sobres as noções de origem e original em Walter Benjamin. In: ______. Revista 34 Letras (nº 5/6). Rio de Janeiro: Nova Fronteira/34 Literatura S/C Ltda, p. 285-296.

______. 1982. Walter Benjamin. São Paulo: Brasiliense.

______. Por que um mundo todo nos detalhes do cotidiano? Disponível em: . Acesso em 23 setembro de 2003.

HILST, Hilda. 1993. Rútilo nada/A obscena senhora D/Qadós. Campinas: Pontes.

MAFFESOLI, Michael. 2001. A conquista do presente. Natal: Argos.

POE, Edgar Allan. 1985. Poemas e ensaios. Rio de Janeiro: Globo.

QUEIROZ, Vera. 2000. Hilda Hilst: três leituras. Florianópolis: Editora Mulheres.

SANTOS, Roberto Corrêa dos. 1998. Ferocidade das fêmeas. In: Tais superfícies (estética e semiologia). Rio de Janeiro: Otti Editor, p. 49-52.

SARTRE, Jean-Paul. 1984. Baudelaire. Buenos Aires: Losada/Madrid: Alianza Editorial.

STEINER, George. 1991. No castelo do Barba Azul. São Paulo: Companhia da Letras.

TROYAT, Henri. 1995. Baudelaire. Trad. Renata Cordeiro. São Paulo: Scritta.

SEVCENKO, Nicolau. 1995. O enigma pós-moderno. In: ______. Pós-modernidade. Campinas: Editora da Unicamp, p. 43-55.

VIDAL, Gore. 1987. Letras francesas: teorias do novo romance. In: ______. De fato e de ficção. São Paulo: Companhia das Letras, p. 157-188.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.