Formas históricas: o romance e a cisão do mundo

Newton de Castro Pontes

Resumo


Utilizando-se da noção de “formas históricas”, o presente trabalho busca compreender, na passagem da epopeia ao romance, como condições históricas e filosóficas foram plasmadas por este gênero, permitindo-o tornar-se a forma literária por excelência da era moderna. Analisaremos a sua representação de uma paisagem humana cujo significado lhe é imanente (e não transcendental, como na epopeia), seu modo particular de apreensão dos mitos e o seu caráter intensamente subjetivo, arguindo suas possibilidades de urdir o eu e o outro ao mesmo tempo em que é considerado uma “forma da crise”

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. 2005. Poética. In. ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. 12. ed. São Paulo: Cultrix, pp. 19-52.

BAKHTIN, Mikhail. 1998. Epos e romance (sobre a metodologia do estudo do romance). In: _____. Questões de Literatura e de Estética (A Teoria do Romance). 4. ed. São Paulo: Editora UNESP, pp. 397-427.

CANCLINI, Néstor García. 2003. Quién habla y en qué lugar: sujetos simulados e interculturalidad. Estudos de literatura brasileira contemporânea. Brasília, n. 22, pp. 15-37, julho/dezembro.

FRYE, Northrop. 2000. Fábulas de identidade: ensaios sobre mitopoética. São Paulo: Nova Alexandria.

HALL, Stuart. 2006. A identidade em questão. In: _____. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, pp. 7-22.

JAMESON, Frederic. 1985. Em defesa de Georg Lukács. In: –. Marxismo e forma: teorias dialéticas da literatura no século XX. São Paulo: Editora HUCITEC, pp. 127-160.

JOLLES, André. 1976. O Mito. In: _____. Formas simples. São Paulo: Cultrix, PP. 83-108.

KANT, Immanuel. 2003. Crítica da razão pura. São Paulo: Martin Claret.

LIMA, Luiz Costa. 2003. A explosão das sombras: mímesis entre os gregos. In: _____. Mímesis e modernidade: formas das sombras. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, pp. 25-84.

LUKÁCS, Georg. 2000. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. 34. ed. São Paulo: Duas Cidades.

RODRIGUES, Raquel Imanish. 2005. Teatro e crise. Novos estudos CEBRAP. São Paulo, n. 71, pp. 209-219, mar.

SZONDI, Peter. 2001. Teoria do drama moderno [1880-1950]. São Paulo: Cosac & Naify Edições.

WATT, Ian. 1990. O realismo e a forma romance. In: _____. A ascensão do romance: estudos sobre Defoe, Richardson e Fielding. São Paulo: Companhia das Letras, pp. 11-33.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.