Epistemologias literárias: crítica do pensamento crítico

Leandro Durazzo

Resumo


Este pequeno artigo busca indicar, através de considerações epistemológicas, menos uma tese que uma linha de pensamento. Por meio de uma reflexão próxima ao que se chamaria de “história das mentalidades”, buscamos demonstrar a trajetória do pensamento racionalista ocidental, e como esse pensamento infl uencia o horizonte mental da crítica literária. Por fim, trazemos ao debate a permanência do mito enquanto estruturação simbólica do imaginário, mostrando como ele, mesmo “desbancado” pelo surgimento do romance, permanece subjacente a todo discurso racional moderno.

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, J. L. 2005. El informe de Brodie. Buenos Aires: Emecé Editores.

BOSI, A. (org.) 2001. Leitura de poesia. São Paulo: Editora Ática.

CAMPBELL, J. 1990. O poder do mito. São Paulo: Editora Palas Athena.

FRYE, N. 2000. Fábulas de identidade: estudos de mitologia poética. São Paulo: Nova Alexandria.

LUKÁCS, G. 2000. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. São Paulo: Editora 34.

ORTIZ-OSÉS, A. Mitologías culturales. Disponível em: http://paginaspersonales.deusto.es/aortiz2/articulos/mitologias_culturales.pdf Acesso: 20/06/2009.

TARNAS, R. 2003. A epopeia do pensamento ocidental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.