Algumas contribuições da linguística aplicada para o ensino de escrita em aulas de língua materna no Brasil

Wagner Rodrigues da Silva

Resumo


Neste trabalho, apresentamos algumas contribuições dos estudos aplicados dalinguagem para a pesquisa científica sobre ensino de escrita, assim como algunsdesdobramentos de tais estudos para a prática de produção escrita em aulas delíngua materna. A perspectiva crítica dos estudos transdisciplinares da linguísticaaplicada é assumida na investigação apresentada. A análise dos dados mostra quetransformações significativas da prática escolar de escrita, numa perspectiva doletramento social amplo, escapam ao exclusivismo de encaminhamentos dos estudoslinguísticos, demandando, portanto, contribuições teóricas de diferentes disciplinasacadêmicas, e construção de objetos de pesquisa complexos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Geraldo P. de. 2007. Transposição didática: por onde começar? São Paulo:Cortez.

ANTUNES, Irandé. 2003. Aulas de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola.

BAGNO, Marcos. 2002. A inevitável travessia: da prescrição gramatical à educação linguística. In: BAGNO, Marcos; STUBBS, Michael; Gagné, Gilles. Língua materna: letramento, variação & ensino. São Paulo: Parábola, pp.13-84.

BAKHTIN, Mikhail. 2000. Estética da criação verbal. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes.

BAZERMAN, Charles. 2007. Escrita, gênero e interação social. In: HOFFNAGEL, Judith C. & DIONÍSIO, Angela P. (orgs.). São Paulo: Cortez.

______. 2006. Gênero, agência e escrita. In: DIONÍSIO, Angela P. & HOFFNAGEL, Judith J. (orgs.). São Paulo: Cortez.

______. 2005. Gêneros textuais, tipificação e interação. In: DIONÍSIO, Angela P. & HOFFNAGEL, Judith J. (orgs.). São Paulo: Cortez.

BARTON, David. 1994. Literacy: an introduction to the ecology of written language. Oxford/Cambridge: Blackwell.

BRASIL. 1998. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: 3º e 4º ciclos: Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF.

BRITTO, Luiz Percival L. 2005. Letramento e alfabetização: implicações para a educação infantil. In: FARIA, Ana Lúcia G. de; MELLO, Suely Amaral (orgs.). O mundo da escrita no universo da pequena infância. Campinas: Autores Associados, pp. 05-21.

FABRÍCIO, Branca F. 2006. Linguística aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso. In: LOPES, Luiz Paulo da M. (org.). Por uma linguística indisciplinar. São Paulo: Parábola, pp. 45-65.

FREIRE, Paulo; MACEDO, Donald. 1990. Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra. Rio de Janeiro: Paz & Terra.

KLEIMAN, Angela. 2006. Processo identitários na formação profissional: o professor como agente de letramento. In: CORRÊA, Manoel L. G.; BOCH, Françoise (orgs.). Ensino de língua: representação e letramento. Campinas: Mercado de Letras, pp.75-91.

______. 1995. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: –. (orgs.). Os significados do letramento. Campinas: Mercado de Letras. pp. 15-61.

KUMARAVADIVELU, B. 2005. Deconstructing Applied Linguistics: a postcolonial perspective. In: FREIRE, Maximina M.; ABRAHÃO, Maria Helena V.; BARCELOS, Ana Maria F. (orgs.). Linguística aplicada & contemporaneidade. Campinas: Pontes/ALAB, pp. 25-37.

LISPECTOR, Clarice. 2004. Aprendendo a viver. Rio de Janeiro: Rocco.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. 2002. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Angela P.; MACHADO, Anna R.; BEZERRA, Maria A. (orgs.). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, pp. 19-36.

MATENCIO, Maria de Lourdes M. 2006. Letramento na formação do professor –

integração a práticas discursivas acadêmicas e construção da identidade profissional.

In: CORRÊA, Manoel L. G.; BOCH, Françoise (orgs.). Ensino de língua: representação

e letramento. Campinas: Mercado de Letras, pp. 93-105.

NEVES, Maria Helena de M.1999. Gramática na escola. São Paulo: Contexto.

PENNYCOOK, Alastair. 2006. Uma linguística aplicada transgressiva. In: LOPES, Luiz

Paulo da M. (org.). Por uma linguística indisciplinar. São Paulo: Parábola, pp. 67-84.

______. 1998. A Linguística Aplicada dos anos 90: em defesa de uma abordagem

crítica. In: SIGNORINI, Inês; CAVALCANTI, Marilda C. (orgs.). Linguística aplicada

e transdisciplinaridade. Campinas: Mercado de Letras, pp. 23-49.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. 2003. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e

a questão ética. São Paulo: Parábola.

ROCHA FILHO, João B.; BASSO, Nara Regina de S.; BORGES, Regina Maria R. 2007.

Transdisciplinaridade: a natureza íntima da educação científica. Porto Alegre: EDIPUCRS.

SILVA, Wagner R. 2008a. A constituição de um gênero textual escolar no exercício

de escrita coletiva. Revista de documentação de estudos em linguística teórica e aplicada.

São Paulo: Editora PUCSP/EDUC, v. 24, n. 1, pp. 73-103.

______. 2008b. Construção e mistura de saberes em projetos de ensino produzidos

por professores em formação inicial. In: SILVA, Norma Lucia da (org.). Construindo

saberes: o ensino por projetos nas licenciaturas – experiências docentes. Goiânia: Grafset

Gráfica e Editora Ltda, pp. 53-80.

______. 2008c. Seleção textual no ensino interdisciplinar por projeto. Revista

Brasileira de Linguística Aplicada. (no prelo)

______. 2006. Construção de aprendizes de leitura e escrita através de exercícios didáticos:

um estudo de caso. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada ao Ensino/Aprendizagem

de Língua Materna) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de

Campinas, Campinas.

VILELA, Mário; KOCH, Ingedore V. 2001. Gramática da língua portuguesa. Coimbra:

Almeidina.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.