Por um planejamento linguístico local

Solange Aparecida Gonçalves

Resumo


Neste trabalho objetivo fazer uma reflexão sobre alguns dos fatores envolvidos naelaboração e na condução de políticas / planejamentos linguísticos necessários parao fortalecimento de línguas indígenas. Nesse percurso, enfatizo a importância deplanejamentos linguísticos locais e apresento algumas experiências voltadas para arevitalização de línguas indígenas em nosso país e também no exterior.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBÓ, Xavier. 1988. El futuro de los idiomas oprimidos. In: ORLANDI, Eni Pulcinelli (org). Política Linguística na América Latina. Campinas, SP: Pontes, pp. 75 -104.

BOBALJIK, Jonathan D. & PENSALFINI, Rob. 1996. Introduction. In: BOBALJIK, Jonathan D., PENSALFINI, Rob e STORTO, Luciana (eds). Papers on Language Endangerment and the Maintenance of Linguistic Diversity. v. 28, Cambrige: MIT, pp. 1 - 24.

CALVET, Louis-Jean. 2007. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola.

CESARINO, Pedro de Niemeyer. 2008. Oniska - A poética do mundo e da morte entre os Marubo da Amazônia ocidental. Museu Nacional/UFRJ, Tese de Doutoramento. Disponível em http://www.ppgasmuseu.etc.br/museu/pages/teses.html (acessado

em setembro de 2008).

COOPER, Robert L. 1989. Language planning and social change. Cambridge: CUP.

CRUZ, Décio T. 2006. O ensino de língua estrangeira como meio de transformação social. In: MOTA, Kátia; SCHEYERL, Denise (org.). Espaços Linguísticos: resistências e expansões. Salvador: EDUFBA.

D’ANGELIS, Wilmar da Rocha. 2005. Línguas indígenas precisam de escritores? Como formá-los? Linguagem e letramento em foco – formação do professor indígena. Campinas: Cefiel, IEL/Unicamp.

FISHMAN, Joshua A. 1991. Reversing language shift: theoretical and empirical foundations of assistance to threatened languages. Bristol, PA: Multilingual Matters.

GRENOBLE, Lenore A.; WHALEY, Lindsay J. 1998/1999. “Toward a typology of language endangerment”. In: GRENOBLE, Lenore A.; WHALEY, Lindsay J. (eds). Endangered languages. New York: CUP, pp. 22-54.

HINTON, Leanne. Language revitalization: an overview. 2001. In: HINTON, Leanne; HALE, Ken (eds). The Green Book of Language Revitalization in Practice. San Diego, Califórnia: Academic Press, pp. 3-18.

______. (2001a). Language planning. In: HINTON, Leanne; HALE, Ken (eds). The Green Book of Language Revitalization in Practice. San Diego, Califórnia: Academic Press, pp.51-59.

______. (2001b). The use of linguistic archives in language revitalization – The

native California language restoration workshop. In: HINTON, Leanne; HALE,

Ken (eds). The Green Book of Language Revitalization in Practice. San Diego, Califórnia:

Academic Press, pp. 419-424.

______. (2001c). The master-apprentice language learning program. In: HINTON, Leanne; HALE, Ken (eds). The Green Book of Language Revitalization in Practice. San

Diego, Califórnia: Academic Press, pp. 217-235.

KING, Jeanette. 2001. Te Kõhanga Reo - Mãori language Revitalization. In: HINTON, Leanne; HALE, Ken (eds). The Green Book of Language Revitalization in Practice. San Diego, Califórnia: Academic Press, pp. 119-128.

MAHER, Terezinha J. M. 1996. Ser professor sendo índio – questões de língua(gem) e identidade. IEL/Unicamp. Tese de Doutoramento.

______. 2006. Uma pequena grande luta: a escrita e o destino das línguas indígenas acreanas. In: MOTA, Kátia; SCHEYERL, Denise (org.). Espaços Linguísticos: resistências e expansões. Salvador: EDUFBA.

______. (2006a). Projeto Cartografias Sociolinguísticas no Acre Indígena /Política Linguística e Formação de Professores – Pesquisadores. Mimeo, 2006.

______. 2008. Em busca de conforto linguístico e metodológico no Acre Indígena. Trabalhos de Linguística Aplicada, Campinas. 47 (2), pp. 283-462, julho/dezembro 2008.

MONSERRAT, Ruth. 2001. Política e planejamento linguístico nas sociedades indígenas do Brasil hoje: o espaço e o futuro das línguas modernas. In: VEIGA, Juracilda; SALANOVA, Andrés (orgs.). Questões de Educação Escolar Indígena: da formação do professor ao projeto de escola. Brasília: Funai/Dedoc e ALB.

______. 2006. Política e Planejamento Linguístico nas Sociedades Indígenas do Brasil Hoje: o espaço e o futuro das línguas indígenas. In: GRUPIONI, L. D. B. (org.) Formação de Professores Indígenas: repensando trajetórias. Brasília: MEC/SECAD, pp. 131-153.

MOORE, Denny. 2005. Brazil: Language situation. Encyclopedia of languages and linguistics. 2ª edição, ed. por Keith Brown, vol. 2: 117-127. Amsterdã: Elsevier.

______.2006. Endangered languages of Lowland Tropical South America. In: BRENZINGER Matthias (ed.). Language Diversity Endangered. Berlim: Mouton de Gruyter. Disponível em http://www.revista.iphan.gov.br/materia.php?id=213. (acessado em setembro de 2008).

PECOS, Regis; BLUM-MARTINEZ, Rebecca. 2001. The key to cultural survival:language planning and revitalization in Pueblo de Cochiti. In: HINTON, Leanne;HALE, Ken (eds). The Green Book of Language Revitalization in Practice. San Diego,Califórnia: Academic Press, pp. 75-82.

RODRIGUES, Ayron Dall’Igna. 1986. Línguas brasileiras – para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Edições Loyola.

ROMAINE, Suzanne. 2002. The impact of language policy on endangered languages. International Journal on Multicultural Societies, v. 4, nº 2. UNESCO, pp. 194-212. Disponível em www.unesco.org/shs/ijms/vol4/issue2/art3.

TOLLEFSON, James W. 1991. Planning language, planning inequality – language policy in the community. Londres: Longman Publishers.

UNESCO – 1993. Red Book on Endangered Languages. Disponível em http://www.tooyoo.L.u-tokyo.ac.jp/ichel.html#Redbook e http://www.helsinki.fi/tasalmin/endangered.html

UNESCO – 2003. Intangible Cultural Heritage Unit’s Ad Hoc Expert Group onEndangered Languages. Language Vitality and Endangerment. Disponível em www.portalunesco.org

ZIMMERMANN, Klaus. 1999. Política del lenguaje y planificación para los pueblos amerindios: ensayos de ecología linguística. In: PÉREZ, Julie C. & al. (eds). Lengua y Sociedad en el Mundo Hispánico. vol.5. Vervuert-Iberoamericana.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.