O Simulacro em Memórias Póstumas de Brás Cubas: Outra Visão do Narrador

Germana da Cruz Pereira

Resumo


Utilizando o conceito de simulacro na acepção que lhe confere Baudrillard (1991), a análise ora proposta tem como finalidade verificar, no texto literário e nos textos fílmicos, como o narrador Brás Cubas formula seu discurso e, por conseguinte, seu metadiscurso, de maneira a gerar imagens de si como personagem e transmitir uma confiabilidade com o intuito de gerar no leitor/espectador o efeito de verossimilhança em relação ao exposto, quando o narrador não passa de uma simulação da realidade, simulacro.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Machado de. 1997. Memórias póstumas de brás cubas. 23ª ed. São Paulo: Ática.

AUMONT, Jacques et al. 1994. A estética do filme. São Paulo: Papirus Editora.

BAUDRILLARD, Jean. 1991. Simulacros e simulação. Trad.: Maria João da Costa Pereira. Lisboa: Relogio d'Agua.

BAVCAR, Evgen. 2005. A imagem, vestígio desconhecido da luz. In:NOVAES, Adauto (Org.). Muito além do espetáculo. São Paulo: Editora Senac.

COSTA, Beatriz. Aprendiz de Paulo Emílio. Disponível em: http://www.cinemando.com.br/200211/entrevistas/andreklotzel_01.htm > Acesso em: 03 de ago. 2007.

DELEUZE, Gilles. 1974. Lógica do sentido. Trad.: Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, EDUSP.

GENETTE, Gérard. 1979. Discurso da narrativa. Ensaio de método. Lisboa: Arcádia.

HUTCHEON, Linda. 1985. Uma teoria da paródia. Lisboa: Edições 70.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.