Representação do masculino no imaginário do cordel

Antonio de Pádua Dias da Silva

Resumo


O objetivo deste artigo é discutir a noção de crise do masculino em textos da literatura de cordel nordestina, examinando o porquê da noção de crise nesse sujeito não ser representada na produção cordelística da segunda metade do século XX, momento em que a psicologia social e a sociologia apontam para a identificação do perfil de um homem em crise, principalmente quando confrontado com as várias transformações ocorridas nas relações de gênero depois dos feminismos. O cordel é visto, nesta óptica, como um espaço simbólico de representação de estruturas sócio-culturais arcaicas vinculadas ao poder patriarcal ou de base falocêntrica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. 2003. Nordestino: uma

invenção do falo – uma história do gênero masculino (Nordeste 1920-

. Maceió: Edições Catavento.

AMARAL, Firmino Teixeira do. 1927. Recordação do passado.

Guajarina.

ANTUNES, Carolino Leobas de França. 1977. A mulher com seus

carinhos faz do homem o que ela quer.

BADINTER, Elizabeth. 2005. Rumo equivocado: o feminismo e

alguns destinos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

BARASCH, Mara. Sexo e afeto no cotidiano do homem. In: CALDAS,

Dário (org.). 1997. Homens. São Paulo: Senac, p.93-119.

BARROS, Fernando de. Assim caminha a moda masculina. In:

CALDAS, Dário (org.). 1997. Homens. São Paulo: Senac, p.132-146.

BARROS, Homero do Rego. 1979. Batalha dos Guararapes. Recife.

BARROS, Maria Nazaré Alvim de. 2001. As deusas, as bruxas e a

igreja: séculos de perseguição. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

BATISTA, Abraão Bezerra. 1976. Nascimento, vida e morte de uma

coroa.

______. 1980. O direito que a mulher tem. Juazeiro.

______. 1997. João Peitudo, o filho de Maria bonita e de Lampião.

Juazeiro do Norte.

BAUMAN, Zygmunt. 2004. Amor líquido: sobre a fragilidade dos

laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BERMAN, Marshall. 1986. Tudo que é sólido desmancha no ar – a

aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras.

BHABHA, Homi. 1998. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da

UFMG.

BOCCALATO, Marisa Mikahil. 1996. A invenção do erotismo:

Tristão e Isolda e as trovas corteses. São Paulo: Educ/Experimento.

BOFF, Leonardo; MURARO, Rose Marie. 2002. Feminino e

masculino: uma nova consciência para o encontro das diferenças. 4. ed.

Rio de Janeiro: Sextante.

BOURDIEU, Pierre.2003. A dominação masculina. Rio de Janeiro:

Bertrand Brasil.

BOZON, Michel. 2004. Sociologia da sexualidade. Rio de Janeiro:

Editora FGV.

CALDAS, Dário; QUEIROZ, Mário. O novo homem:

comportamento, moda e mercado. In: CALDAS, Dário (org.). 1997.

Homens. São Paulo: Senac, p. 147-162.

CALDAS, Waldenyr. 1986. Cultura de massa e política de

comunicações. São Paulo: Global.

COSTA, Jurandir Freire. 1998. Sem fraude nem favor: estudos sobre o

amor romântico. Rio de Janeiro: Rocco.

CUSCHNIR, Luiz; MARDEGAN, Jr., Elyseu. 2001. Homens e suas

máscaras: a revolução silenciosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Campus.

______. Após o feminismo, surge o masculinismo. Correio da Paraíba,

Campina Grande, Caderno A-8, 13 mar. 2005, Entrevista concedida a

Tatiana Learth.

DENIZART, Hugo. 1997. Engenharia erótica: travestis no Rio de

Janeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. [edição bilíngüe].

DOR, Joel. 1991. O pai e sua função em psicanálise. Rio de Janeiro:

Jorge Zahar.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina.2001. Cartografias dos estudos

culturais: uma versão latino-americana. Belo Horizonte: Autêntica.

FRY, Peter; McRAE, Edward. 1991. O que é homossexualidade. 7. ed.

São Paulo: Brasiliense.

GIDDENS, Anthony. 1993. A transformação da intimidade:

sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo:

UNESP.

HALL, Stuart. 1998. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio

de Janeiro: DP&A.

HEILBORN, Maria Luiza (org.). 2004. Família e sexualidade. Rio de

Janeiro: Editora FGV.

KELLNER, Douglas. 2001. Cultura da mídia – Estudos Culturais:

identidade política entre o moderno e o pós-moderno. São Paulo: Edusc.

MACEDO, Otávio Roberti. A vaidade de todos nós. ln: CALDAS,

Dário (org.). 1997. Homens. São Paulo: Senac, p. 120-131.

MACHADO, Franklin Vitória de Cerqueira de. 1982. Eu quero é ser

madamo e casar com feminista. Rio de janeiro.

MARTINS, Thadeu de Serpa. 1933. O imposto sobre os solteiros.

Belém.

MATTELART, Armand; NEVEU, Eric. 2005. Introdução aos estudos

culturais. 2004. São Paulo: Parábola Editorial.

MAY, Rollo. 1998. O homem à procura de si mesmo. 24. ed.

Petrópolis: Vozes.

MELO, Vicente Vitorino de. As bravuras de 99 (noventa e nove), s/d.

______. O valentão número um, s/d.

MILL, Stuart. 2006. A sujeição das mulheres. São Paulo: Editora

Escala.

MINAYO, Maria Cecília. O conceito de Representações Sociais dentro

da sociologia clássica. In: GUARESCHI, Pedrinho; JOVCHELOVITCH,

Sandra (orgs.). 1995. Textos em representações sociais. 2. ed. Petrópolis: Vozes, p.89-112.

MONTEIRO, Manoel. 2004. Poema da solidão. Campina Grande.

MORIN, Edgar. Pour une crisologie. In Communications, 25, 1976,

Paris, 149-163.

NOLASCO, Sócrates. 1995b. A desconstrução do masculino: uma

contribuição crítica à análise de gênero. In: A desconstrução do

masculino. Rio de Janeiro: Rocco, p.15-29.

______. 1995a. O mito da masculinidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco.

______. 2006. O primeiro sexo e outras mentiras sobre o segundo: as

questões que mais estão mexendo com a cabeça dos homens. Rio de

Janeiro: Best Seller.

______. 1997. Um homem de verdade. In: CALDAS, Dário (org.).

Homens. São Paulo: Senac, p.13-39.

PINTO, ELISABETE Aparecida. Aborto numa perspectiva étnica e de

gênero: o olhar masculino. In: ARILHA, Margareth; UNBEHAUM,

Sandra; MEDRADO, Benedito (orgs.). 1998. Homens e masculinidades:

outras palavras. São Paulo: Editora 34, p. 101-128.

RAMIREZ, Rafael L. Ideologias masculinas: Sexualidade e poder. In:

NOLASCO, Sócrates (org.). 1995. A desconstrução do masculino. Rio de

Janeiro: Rocco, p. 75-82.

ROJAS, Enrique. 1996. O homem moderno: a luta contra o vazio. São

Paulo: Mandarim.

SANTOS, José Francisco dos. S/d. Carta de amor.

SANTOS, Manoel Camilo dos. S/d. A mulher é a santa deste mundo.

SILVA, Alberto Porfirio da. S/d. Discussão de um velho com um rapaz

cabeludo.

TREVISAN, João Silvério. O espetáculo do desejo: homossexualidade

e crise do masculino. In: CALDAS, Dário (org.). 1997. Homens. São

Paulo: Senac, p. 51-92.

VIDAL, Gore. Sexo é política. In: HALL, Michael; PINHEIRO,

PAULO Sérgio (orgs.). 1987. De fato e de ficção. São Paulo: Companhia

das Letras, p. 227-250.

VILA MAIOR, Dionísio. 2003. O Sujeito modernista — Fernando

Pessoa, Mário de Sá- Carneiro, Almada Negreiros e Antônio Ferro: crise e superação do sujeito. Lisboa: Universidade Aberta.

VILLELA, Wilza. Homem que é homem também pega AIDS. In:

ARILHA, Margareth; UNBEHAUM, Sandra; MEDRADO, Benedito (orgs.). 1998. Homens masculinidades: outras palavras. São Paulo: Editora 34, p. 129-142.

XAVIER, Elódia. 1998. O declínio do patriarcado — a família no imaginário feminino. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Tempos.

ZAJDSZNAJDER, Luciano. 1992. Travessia do pós-moderno: nos

tempos do vale-tudo. Rio de Janeiro: Gryphus.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.