Rotinas interativas mãe-bebê: constituindo gêneros do discurso

Marianne Carvalho Bezerra Cavalcante

Resumo


Este artigo busca mostrar as primeiras interações entre mãe e bebê envolvendo o uso de gêneros do discurso dentro da esfera familiar, mostrando como, a partir das estratégias de atenção conjunta, as rotinas interativas começam a se organizar em torno de gêneros orais diversos: como a conversa, o jogo, a história, as cantigas. Para isso, trabalho com autores como Bruner (1983) Tomasello (2003) e McNeill (1985) no que diz respeito à aquisição da linguagem e gestualidade, respectivamente; e Bakhtin (1979), no que se refere aos gêneros textuais.

Texto completo:

PDF

Referências


BATES, E.; CAMAIONI, L.; VOLTERRA, V. 1979. The Acquisition of Performatives Prior to Speech. In: OCHS, E.; SCHIEFFELIN, B. B. (orgs.). Developmental Pragmatics. London: Academic Press.

BRUNER, J. 1978. The ontogenesis of speech acts”. Journal of child language. Vol. 2 Nº 1. Cambridge: CUP.

______. 1983. Childs Talk. Oxford: OUP.

BUTCHER, C.; GOLDIN-MEADOW, S. 2000. Gesture and the transition from one-to-two-word speech: when hand and mouth come together. In: MCNEILL, D. (ed.). Language and gesture. Cambridge: CUP.

CAVALCANTE, M. C. B. 1994. O gesto de apontar como processo de co-construção nas interações mãe-criança. Dissertação de Mestrado, UFPE. ______. 1999. Da voz à língua: a prosódia materna e o deslocamento do sujeito na fala dirigida ao bebê. Tese de Doutoramento, IEL/UNICAMP. ______.; NASLAVSKY, J. P. N. A matriz inicial da subjetividade tendo como locus a dialogia do/no manhês. In: BRIAN, A.P.; SILVA, M. Silva; LYRA, M. (orgs.). Microgênese: Estudo do Processo de Mudança. (A sair pela ARTMED).

CLARK, E.V. 1978. From Gesture to Word: On the Natural History of Deixis in Language Acquisition. In: BRUNNER, J. S. Brunner; GARTON, A. (eds.). Human Growth and Development. Oxford: Clarendon Press, p. 85-117.

DE LEMOS, C. T. G. 1986. interacionismo e aquisição de linguagem. Revista D.E.L.T.A. Vol. 2. São Paulo: Editora da PUC-SP.

______. 1992. Los processos metafóricos y metonímicos como mecanismos del cambio. Substratum, vol.1, n. 1.

______. 1995. Língua e discurso na teorização sobre aquisição da linguagem. Letras de Hoje, no. 4.

GOLDIN-MEADOW, S. 1993. When does gesture become language? A study of gesture used as a primary communication system by deaf children of hearing parents”. In: GIBSON, K. R.; INGOLD, T. (eds). Tools,Language and Cognition in Human Evolution. Cambridge: CUP.

______.; ALIBALI, M.; CHURCH, R. B. 1993. Transitions in concept acquisition: Using the hands to read the mind. Psychological Review 100 (2): 279-297.

______.; WEIN, D.; CHANG, C. 1992. Assessing knowledge through gesture: Using children's hands to read their minds. Cognition and Instruction 9 (3): 201-219.

KENDON, A. 1982. The Study of Gesture: someremarks on its history. Recherches sémiotiques/semiotic inquiry 2: 45-62.

______. 2000. Language and Gesture: Unity or Duality? In: MCNEIL, D. (ed.), Language and Gesture. Cambridge: CUP, pp. 47-63.

LAVER, J. 1991. The Gift of Speech. Papers in the Analysis of Speech and Voice. Edinburgh: Edinburgh University Press. pp. 235-264.

______. 2000. Unifying principles in the description of voice, posture and gesture. In: CAVE, C. ; GUAITELLA, I. Interations et comportement multimodaux dans la communication. Paris: L’Harmattan.

______.; TRUDGILL, P. 1979. Phonetic and linguistic markers in speech". In: SCHERER, K.; GILES, H. (eds). Social Markers in Speech. Cambridge: CUP, p. 1-32.

______. ; HANSON, R. 1981. Describing the normal voice. In: DARBY, J. (ed.). Evaluation of speech in psychiatry. New York: Grune & Stratton, p. 51-78.

MARCUSCHI, L. A. 2005. Oralidade e Letramento como práticas sociais. In: MARCUSCHI, L. A.; DIONISIO, A. P. (orgs.), Oralidade e Escrita. Belo Horizonte: Autentica/MEC/CEEL.

MCNEILL, D. 1985. So you think gestures are nonverbal? Psychological Review. Vol 92(3): 350-371.

______. 2000. Introduction. In: MCNEILL, D. (ed.). Language and Gesture. Cambridge: CUP.

MORATO, E. M. 2004. O interacionismo no campo lingüístico. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (orgs.). Introdução à lingüística: fundamentos epistemológicos, Vol. 3. São Paulo: Cortez.

TOMASELLO, M. 2003. Origens Culturais da Aquisição do Conhecimento Humano. Trad. Cláudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes.

______. 1995. Understanding the self as social agent. In: ROCHAT, P. (ed.). The Self in Early Infancy. Theory and Research: 449-460. Amsterdam: Elsevier.

______.; TODD, J. 1983. Joint attention and lexical acquisition style. First Language, 4:197-212.

WERNER, H.; KAPLAN, B. 1963. Symbol Formation.Worcester: Clark University.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.