Peleja virtual: um novo gênero do discurso?

Doralice Pereira de Santana, Marígia Ana de Moura Aguiar

Resumo


Apoiado nos conceitos bakhtinianos de discurso e gêneros do discurso, e no princípio de transmutação dos gêneros existentes para dar origem a outros com características próprias, também postulado por Bakhtin(2003), este estudo busca responder à questão relativa ao surgimento de um novo gênero, a peleja virtual, a partir da observação e análise de uma nova prática discursiva no domínio da poesia popular nordestina.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, M. A. 2007. No visgo do improviso ou A peleja virtual entre

cibercultura e tradição. Dissertação de Mestrado. São Paulo, PUC.

BAKHTIN, M. M. 2003. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins

Fontes.

FAIRCLOUGH, N. s.d. The dialectics of discourse. Mimeo.

MARCUSCHI, L. A. 1996. Por uma proposta de classificação dos

gêneros textuais. UFPE. Mimeo.

______. 2007. Fala e escrita: atividades de retextualização. São Paulo:

Cortez.

______. 2008. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São

Paulo: Parábola.

______.; DIONISIO, A. P. 2005. Fala e Escrita. Belo Horizonte:

Autêntica.

______.; XAVIER, A. C. 2004. Hipertexto e gêneros digitais: novas

formas de construção de sentido. Rio de Janeiro: Lucerna.

SANTANA, D. P.; MORAIS, M. D.; AGUIAR, M. A. M. 2008. Aproximações e distanciamentos no continuum fala/escrita da poesia popular. XXII Jornada de Estudos Lingüístico, GELNE, Maceió.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.