A subjetividade do demonstrativo na mídia jornalística

Cláudia Roncarati

Resumo


Estudos anteriores sobre a variação do demonstrativo no português brasileiro atestaram que a oposição entre os valores proximais da 1ªpessoa (este) e os valores distais da 2ª pessoa (esse) está praticamenteneutralizada na fala. A escrita, sujeita a pressões normativas, contudo,ainda tende a preservar tal distinção. Mas os resultados desta pesquisa,extraídos de dados da mídia jornalística escrita, sugerem que pressões do sistema e de ordem comunicativa, em contínua competição, estão atuando sobre um processo de subjetividade, indiciador da ingerência do enunciador na instância da enunciação, através do qual os valores distal e proximal dos demonstrativos vêm sendo alterados.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Manoel de Carvalho. 2003. A multifuncionalidade da clivagem na fala e na escrita, 294 f. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa), Instituto de Letras, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2003.

BECHARA, Evanildo. 2001. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna.

BENVENISTE, Émile. 1976. Problemas de lingüística geral I. São Paulo: Editora Nacional/Editora da USP.

DIESSEL, Holger. Demonstratives: form, function, and grammaticalization. 1999. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins.

FIORIN, José Luiz. Discurso e categorias de enunciação. 1999. Estudos Lingüísticos XXVIII, São Paulo, (28): 16-29.

______. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e

tempo. 2002b. 2. ed. São Paulo: Ática.

FRANCIS, Gill. 2003. Rotulação do discurso: um aspecto da coesão lexical de grupos nominais. In: CAVALCANTE, M. M.et al. (org.).

Referenciação. São Paulo: Contexto. p.191- 228.

GREENBERG, Joseph H. 1985. Some iconic relationships among place,

time, and discourse deixis. In: HAIMAN, J. Iconicity in syntax. Amsterdam/ Philadelphia: John Benjamins. p. 271-287.

HALLIDAY, Michael Alexander; HASAN, Ruqaiya. 1976. Cohesion in English. London: Longman.

HEINE, Bernd et al. 1991. Grammaticalization: a conceptual framework. Chicago/London: The University of Chicago Press.

HERRING, Susan C. The grammaticalization of rhetorical questions in Tamil. In: TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. (Ed.). Approaches to grammaticalization, Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, v.1, 1991.

p. 253-284.

HOPPER, Paul. Parts of speech. Curso ministrado durante o XVI Instituto Internacional de Lingüística da ABRALIN, 10 a 22 de março de 2003, Faculdade de Letras, UFRJ. Mimeografado.

______.; TRAUGOTT, Elizabeth Closs. Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. 2002. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez.

______. A perspectiva da lingüística textual. 2004. In: BASTOS, N. B. (org.). Língua portuguesa em calidoscópio. São Paulo: EDUC. p. 99-113.

______; MARCUSCHI, Luiz Antônio. 1998. Processos de referenciação na produção discursiva. D.E.L.T.A, (14): 169-190.

LAKOFF, Robin. 1974. Remarks on this and that. In: LEGALY, M.; FOX, R.; BRUCK, A. (ed.). Papers from the Tenth Regional Meeting of the Chicago Linguistics Society. Chicago: Chicago Linguistics Society. p. 345-

LAHUD, Michael. 1979. A propósito da noção de dêixis. São Paulo: Ática.

LYONS, John. Introduction to theoretical linguistics. 1968. Cambridge: Cambridge University Press.

MAINGUENEAU, Dominique. 1996. Pragmática para o discurso literário. São Paulo: Martins Fontes.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Cognição, linguagem e práticas interacionais. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

______. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo:Parábola, 2008.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. 2000. São Paulo: Editora UNESP.

______; BRAGA, Maria Luiza. 1998. Hipotaxe e gramaticalização: uma análise das construções de tempo e condição. D.E.L.T.A., v. 14, p. 191-

Edição especial.

RONCARATI, Cláudia. 2003a. Os mostrativos na variedade carioca falada. In: PAIVA, M. C.; DUARTE, M. E. (org.). Mudança lingüística em tempo real. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria/FAPERJ. p. 139-157.

______. 2003b. Domínios referenciais e a hipótese da trajetória universal. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (org.). Português brasileiro — contato lingüístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: FAPERJ/ Ed. 7 Letras. p. 144- 159.

______. 2003c. A dêixis: domínio e princípios atuantes de uso. Relatório

final de pesquisa, vinculado ao Projeto ‘Princípios atuantes no uso: tensão e sistematização’, apresentado ao CNPq, pr. nº 350076/92-8, período de 07/02 a 04/03/2003.

SWEETSER, Eve. 1988. Grammaticalization and semantic bleaching.

In: Berkeley Linguistics Society, Proceedings of the Fourteenth Annual

Meeting. p. 389-405.

TEYSSIER, Paul. 1990. Le système des déictiques spatiaux en portugais aux XIVe, XVe et XVIe siècles. In : Cahiers de Linguistique Hispanique Médiévale, Universidade de Paris XIII nº 6 1981, p. 5-39. Tradução: Márcia Jotha Mattos. Revisão: Mirian Therezinha da Matta Machado.

RAUGOTT, Elizabeth Closs. 1982. From propositional to textual and expressive meanings: some semantic-pragmatic aspects of grammaticalization. In: LEHMANN, W. P.; MALKIEL, Y. (Ed.). Perspectives on historical linguistics. Amsterdam/ Philadelphia: John Benjamins. p. 245-271.

______.; KÖNIG, Ekkehard. 1991. The semantics-pragmatics of grammaticalization revisited. In: TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. (Ed.). 1991. Approaches to grammaticalization, Amsterdam/Philadelphia: John

Benjamins, v.1.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.