Entrevista de pesquisa e migração internacional de brasileiros: construções identitárias na relação com atividades de trabalho

Maria das Graças Dias Pereira

Resumo


Focalizo, no estudo, a construção de identidades de imigrantes brasileiros nos Estados Unidos a partir de suas avaliações e/ou posições sobre o pertencimento ou não pertencimento a categorias sociais de trabalho por eles construídas na interação. As categorias em que se inserem não refletem reconfigurações das habilidades profissionais da nova ordem do trabalho. No retorno ao país de origem, há reconfiguração dasconstruções identitárias, mas a viagem permanece como ‘uma fronteiraaberta’ nas expectativas de vida e de desestabilização identitária dos imigrantes.

Texto completo:

PDF

Referências


ATKINSON, J. MAXWELL; HERITAGE, John. 1984. Structures of social action. Cambridge: Cambridge University Press.

CANGLINI, Néstor García.1999. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio: Editora da UFRJ.

DENZIN, N.; LINCOLN, Y. S. (eds). 2006. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed.

FONTANA, A.; FREY, J. H. 2000. The interview: From structured questions to negotiated text. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (eds.). Handbook of qualitative research. 2nd ed. EUA: Sage.

FRIDMAN, Luiz Carlos. 2000. Vertigens pós-modernas. Rio: Relume & Dumará.

GIDDENS, Anthony. 2002. Tribulações do eu. In —: Modernidade e

identidade. Rio de Janeiro: Zahar, p.168-192

HOLSTEIN, J. A.; GUBRIUM, J. F. 1997. Active Interviewing. In:

SILVERMAN, D. (ed.). Qualitative Research: Theory, method and practice. Great Britain: Sage, p. 113-128

LINDE, Charlotte. 1997. Evaluation: a linguistic structure and social practice. In —: Life stories. New York: Oxford University Press.

HUNSTON, S.; THOMPSON, G. 2003. Evaluation: an introduction. In —: (eds.). Evaluation in text: Authorial stance and the construction of discourse. Oxford: Oxford University Press, p. 1-27.

MÄKITALO, Asa; SÄLJÖ, Roger. 2002. Talk in institutional context and institutional context in talk: categories as situated practices. Text, 22(1)57-82

MISHLER, E. G. 1986. Research Interviewing: Context and narrative. USA: Harvard.

PAOLETTI, Isabella. 2002. Caring for older people: a gendered pratice. In: STOKOE, Elizabeth H.; WHEATHERALL, Ann (eds.). Gender, language, conversation analysis and feminism. Discourse & Society, 13, (6): 805-817, nov. Special issue.

PEREIRA, Maria das Graças Dias. 2004. Imigrantes brasileiros de classe popular nos Estados Unidos: Construções identitárias na relação com atividades de trabalho, VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais, Coimbra, 2004. Disponível no site do congresso http://www.ces.uc.pt/http://www.ces.uc.pt/)

SACKS, Harvey. 1992. Lectures in conversation. Cambridge: Blackwell.

SALES, Teresa. 1999. Brasileiros longe de casa. São Paulo: Cortez.

SCHFFRIN, Deborah. 1990. The management of a co-operative self during argument: the role of opinions and stories. In: Allen D. Grimshaw, Conflict talk: sociolinguistic investigations of arguments in conversations. 2.ed., Cambridge: Cambridge University Press, p. 241-259

______. 1987. Discourse Markers. Cambridge: Cambridge.

SENNETT, Richard. 2002. A corrosão do caráter. 6. ed. São Paulo: Record.

SHI, Xu. 2000. Opinion discourse: Investigating the paradoxical nature of the text and talk of opinion. Research on language and social interaction, 33(3): 263-289.

TANNEN, Deborah. 1989. Talking voices. Repetition, dialogue, and imagery in conversacional discourse. Cambridge: Cambridge University Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.