Produção de texto: uma visão funcionalista

Gilda Maria Lins de Araújo, Maria José de Matos Luna

Resumo


Neste ensaio, faz-se uma discussão da maneira como estudantes de Letras organizam sintaticamente seus textos e com quais estratégias discursivas operam para alcançarem seus objetivos interlocutivos. Para isso, foram tomados como suporte teórico os estudos sobre a noção de escrita como trabalho lingüístico, elaborados por Geraldi (1991; 1997;1997), algumas categorias tomadas de empréstimo do funcionalismo, discutidas por Neves (1977), Cunha et al. (2003) sobre a relação forma e função dentro do princípio da Iconicidade e nele os subprincípios daquantidade, da integração, e da ordenação linear.

Texto completo:

PDF

Referências


ANASTASIOU, L.G.C. 1998. Metodologia do Ensino Superior: da prática docente a uma possível teoria pedagógica. Curitiba: IBPEX.

ARAUJO, G. M. L. 2004. Ação da UFPE no Aperfeiçoamento de Professores, Revista Linha D'Água, n. 16, Humanitas, FFLCH/USP, jan.

ARRUDA, J. E. C. 2000. O Projeto Vitae e a formação do Professor de Língua Portuguesa: História, Avaliação e resultados. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPE, Recife.

AZEREDO, J. C. de. 1997. Iniciação à sintaxe do português. Rio de Janeiro: Zahar.

BAKHTIN, V. 1986. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da ciência na linguagem. São Paulo: Hucitec.

BARTHES, R.; MARTY, E. 1987. "Oral/Escrito". In: Enciclopédia Einaudi, vol. I. Lisboa: Imprensa Nacional, p. 32-57.

BASILIO, M. 1980. Estruturas lexicais de português: uma abordagem gerativa. Rio de Janeiro: Vozes.

BATISTA, A. A.; ROJO, R. 2005. Livros escolares no Brasil: a produção científica. In: COSTA VAL, M. G.; MARCUSCHI, B. (orgs.).

Livro didático de Língua Portuguesa: letramento, inclusão e cidadania. Belo Horizonte: CEALE/Autêntica, pp. inicial e final.

BEAUGRANDE, R. 1977. New Foundations for a Science and Discourse. Norwood: Ablex.

______. 1997. New Foundation for a science of text and discourse: cognition, communication, and the freedom of access to knowledge and

society. Norwood: Ablex.

BECHARA, E. 1976. Lições de Português pela Análise Sintática. Rio de Janeiro: LPAS.

______. 1991. Gramática funcional: naturezas, funções e tarefas. In: NEVES, M. H. M. (org.). Descrição do Português II. Publicação do Curso

de Pós-Graduação em Lingüística e Língua Portuguesa. Araraquara: UNESP. Ano V. n 1, p 1-97.

BERLINCK, R. A. et al. 2000. Sintaxe. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (orgs). Introdução à lingüística. São Paulo: Cortez, vol. 1, p.207- 244.

BORBA, F. S. 1979. Teoria Sintática. São Paulo: P. A. Queiroz, Ed. USP.

BRAIT, B. 2000. PCN, gêneros e ensino de língua: faces discursivas da textualidade. In: ROJO, R. (org.). A prática de linguagem em sala de aula. São Paulo: EDUC/ Mercado de Letras, p.13-23.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Sancionada em 12 de dezembro de 1996, pelo Presidente da República Federativa do Brasil.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais: 3º e 4º ciclos do Ensino Fundamental: Língua Portuguesa. Brasília/DF: MEC/SEF, 1998.

BRONCKART, J. P. 1999. Atividades de Linguagem, Textos e Discursos. Por um Interacionismo Sócio-discursivo. São Paulo: Ed. da PUC-SP, EDUC.

CAMACHO, R. G. 1993. Aspectos funcionais e estruturais da concordância verbal no português falado. Alfa, 37: p.111-116.

______. 1994. O papel do contexto social na teoria lingüística. Alfa. 38: pp. 19-36.

CÂMARA JR., J. M. 1955. Morfologia e Sintaxe. Jornal de Filologia, 3. São Paulo: Saraiva, p. 177-182.

______. 1971. Princípios de lingüística descritiva. Petrópolis: Vozes.

______. 1994. Estrutura da língua portuguesa. 22a edição. Petrópolis: Vozes.

CARONE, F. B. 1995. Morfossintaxe. São Paulo: Ática.

CARVALHO, J. A. 1993. A competência comunicativa em língua portuguesa de alunos universitários: estratégias para uso no ciclo geral,

área 1, UFPE. Recife.

CASTILHO, A. T. 1966. A sintaxe do verbo e os tempos do passado em português. Alfa 9, Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Marília, p. 105-153.

CHARROLES, M. 1997. Introdução aos problemas da coerência dos textos. In: GALVES, C. et al. (org). O texto: leitura e escrita. Campinas: Pontes.

______; PEÖFI, J; SÖZER, E. (eds). 1983. Research in text connexity and text coherence. Hamburgo: Survey.

CHAUÍ, M. 2001. O que é ideologia. São Paulo: UNESP.

CHOMSKY, N. 1957. Syntactic Structures. Haya: Mouton.

______. (1965). 1975. Aspectos da Teoria da Sintaxe. Trad. J.A. Meireles & E. P. Raposo. Coimbra: Armênio Amado.

CORBLIN, F.. 1988. Savoir la grammaire et faire de La grammaire. In:

HUOT, H. et al.. De la Grammaire Scientifique à la Grammaire Scolaire. Paris: Université Paris 7.

COSTA, C. et al. 1985. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

COSTA, M.A. 2000. Procedimentos de manifestação do sujeito. In: CUNHA, M. A. F. (org.). Procedimentos discursivos na fala de Natal. Uma abordagem funcionalista. Natal: Ed. UFRN.

COSTA VAL, M. G. 1991. Redação e Textualidade. São Paulo: Martins Fontes.

______. 2000. Repensando a Textualidade. In: AZEREDO, J. C. (org.).

Língua Portuguesa em Debate. Petrópolis: Vozes.

CUNHA, C. F. 1976. Gramática da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Fename.

CUNHA, M. A. F. et al. 1967. Lingüística funcional: teoria e prática. Rio de Janeiro: DP&A, p. 11-38.

DIRVEN, R.; FRIED, V. (eds.). 1987. Functionalism in Linguistics. Amsterdam: J. Benjamins.

DUBOIS, J. et al. 1998. Dicionário de lingüística. São Paulo: Cultrix.

FAVERO, L. ; KOCH, I. V. 1983. Lingüística Textual: introdução. São Paulo: Cortez.

______. 1991. Coesão e Coerência Textuais. São Paulo: Ática.

FIORIN, J. L. 1998. Teorias do texto e ensino: a coerência. In: VALENTE, A. Língua, lingüística e Literatura: uma integração para o ensino. Rio de Janeiro: EDUERJ.

______. 1995. Linguagem e ideologia. 4.ed. São Paulo: Ática.

______ (org). 2002. Introdução à Lingüística. II. Princípios de Análise. São Paulo: Contexto.

______; FONSECA, J. 1977. Pragmática lingüística e ensino de português. Coimbra: Almedina.

FRANCHI, C. 1976. Hipóteses para uma Teoria funcional da Linguagem. Tese de doutoramento. Universidade Estadual de Campinas.

GALVES C.; OTONI, P.; ORLANDI, E.P. 1977. O texto: leitura e escrita. Campinas: Pontes.

GERALDI, J. W. 1991. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes.

______. 1996. Linguagem e ensino. Campinas: ALB/Mercado Aberto de Letras.

GIVON, T. (org.). 1979a. Syntax and Semantics, 12: discourse and Syntax. Nova York: Academic Press.

______. 1979b. From discourse to syntax; grammar as a processing strategy. In —: (ed.). Syntax and semantics, 12: discourse and syntax.

Nova York: Academic Press, vol.12, p.81-112

GLEASON, H. A. Jr. 1661. An introduction to descriptive linguistics. New York: Holt, Rinehart Winston

GNERRE, M. 1991. Linguagem, escrita e poder. São Paulo: Martins Fontes.

GRICE, H. Paul. 1975. Logic and conversation. In: COLE, P.; MORGAN, J. (eds). Syntax and semantics, vol. 3, Speech acts. New York: Academic Press, p. 41-58.

GUIMARÃES, E. R. 2001. O processo de construção da sintaxe frasal em textos escritos por alunos de 5ª a 8ª série do ensino fundamental. Dissertação de Mestrado em Lingüística. Belo Horizonte: FALE/UFMG.

HALLIDAY, M.; HASAN, R. 1976b. Cohesion in English. Londres: Longman.

______.; ______. 1985. An Introduction to Functional Grammar. London: Edward Arnold.

KATO, M. 1998. As formas de funcionalismo na sintaxe. Delta, 14 (n. esp.), p. 145-168.

KOCH, I. G. V. 1992. A inter-ação pela linguagem. São Paulo:Contexto.

______. 1997. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo:Contexto.

______. 2002. Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez.

LEMLE, M. 1987. Análise sintática; teoria geral e descrição do português. São Paulo: Ática.

LEVY, D. 1979. Communicative goals and strategies. In: GIVON, T, (org.). Syntax and Semantics 12: discourse and Syntax. New York: Academic Press.

LUNA, M. J. M. 2004. A redação no vestibular: a elipse e a textualidade. 2ª ed. Recife: Ed. Universitária UFPE.

______. 2007. Produção de Texto do Profissional de Letras: Um estudo

morfossintático comparativo entre a UFPE/Brasil e a FLUP/Portugal. Tese de doutoramento. Porto, Portugal.

MARCUSCHI, L. A. 1999a. Cognição, explicitude e autonomia no texto falado e escrito. Conferência pronunciada no III ELFE — Encontro

de língua falada e ensino. Maceió: UFAL.

______. 1999b. Linearização, cognição e referência: o desafio do intertexto. Comunicação apresentada no IV Colóquio da Associação Latinoamericana de Analistas do Discurso. Santiago, Chile, abril.

MARTELOTTA, M. S.; VOTRE, S. J.; CEZÁRIO, M. M. 1996. Gramaticalização no português do Brasil: uma abordagem funcional. Rio

de Janeiro: Tempo Brasileiro.

MATEUS, M. H. M. et al. 1983. Gramática da Língua Portuguesa. Coimbra: Almedina.

MESERANI, S. 2002. O intertexto escolar sobre leitura, aula e redação. São Paulo: Cortez.

NYSTRAND, M. 1987. The role of context in written communication. In: HOROWITZ, R.; SAMUELS, S. J. (eds). Comprehending oral and written language. San Diego: Academic Press, p. 197-214.

ORLANDI, E. 1983. "A produção da leitura e suas condições". In: Leitura: Teoria e Prática, ano 2, n.1, abril, p. 20-5.

OTTICICA, J. 1958. Manual de Análise (léxica e sintática). Rio de Janeiro: Francisco Alves.

PÉCORA, A. 1983. Problemas de redação. São Paulo: Martins Fontes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.