Reflexões sobre o sujeito social e o sujeito ideológico

Lícia Maria Bahia Heine

Resumo


Este artigo pretende apresentar reflexões sobre o sujeito social,comumente presente nas pesquisas da Lingüística Textual, em sua fasecognitivista, objetivando cotejá-lo com a concepção de sujeitoassujeitado, um dos pilares da Análise do Discurso de linha francesa.Pretende-se ainda discorrer, de forma sucinta, sobre o sujeito pragmático,tentando estabelecer, quando possível, um liame entre essas entidadesdiscursivas.

Texto completo:

PDF

Referências


APOTHÉLOZ, Denis; REICHLERr-BÉGUELIN, Marie-Jose.1995. Constrution de la référence et stratégies de désignation. In: BERRENDONNER, A. ; BÉGUELIN, M. R. (eds). Du syntagme nominal aux objets-de-discours: SN complexes, nominalisation anaphores. Neuchatel : Institut de Linguistique Université de Neuchatel, p. 227- 271.

ARMENGAUD, F. 2006. A pragmática. Trad. de M. Marcionilo. São Paulo: Parábola.

BAKHTIN, M. 2003. Os gêneros textuais. In —: Estética da criação textual. 4. ed. Trad. de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes.

BEAUGRANDE, Robert de. 1997. Lingüística textual: Para novas margens? In: ANTOS, G.; TIETZ, H. (eds.). O futuro da lingüística textual: Tradições, transformações, tendências. Tübingen: Niemeyer RGL, p. 1-12.

BENTES, Anna Christina. Lingüística Textual. 2001. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (orgs.). Introdução à lingüística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, v.1, p. 101-142.

BENVENISTE, Émile. 1989. Problemas de Lingüística Geral II. Trad. de E.Guimarães et al. Campinas, São Paulo: Pontes.

BERRENDONNER, Alain ; REICHLER-BÉGUELIN, Marie-Jose (org.). 1995. Du syntagme nominal aux objets-de-descours: SN complexes, nominalisations, anaphores. Neuchatel : Institut de linguistique de I’Université de Neuchatel, p. 273-302.

BORBA, Francisco da Silva. 1977. Fundamentos da gramática gerativa. 6. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Editora Vozes.

BRANDÃO, Helena Nagamine. 2001. Da língua ao discurso, do homogêneo ao heterogêneo. In: BRAIT, B. (org.), Estudos iniciativos no

Brasil: histórias e perspectivas. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP, p.59-69.

BROWN, Gillian; YULE, George. 1983. Discourse analysis. New York: Cambridge University Press.

CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. 2004. Dicionário de análise do discurso. Trad. F.Komesu, 6. ed. São Paulo: Contexto.

DASCAL, Marcelo (org.). 1982. Fundamentos metodológicos da lingüística. Campinas: UNICAMP.

DIJK, Teun van. 1992. Cognição, discurso e interação. 6. ed. São Paulo: Contexto.

FERNANDES, Claudemar Alves. 2007. Análise do discurso: reflexões introdutórias. 2. ed. São Carlos: Claraluz.

FIORIN, José Luiz (org.). 2001. Introdução à lingüística I: Objetos teóricos. São Paulo: Contexto.

GRICE, H. P. Lógica e conversação. 1982. In: DASCAL, M. (org.). Fundamentos Metodológicos da lingüística, v.4. Campinas: UNICAMP,

p. 81-103.

HEINE, Lícia Maria Bahia. 2000. Aspectos do Uso da Anáfora no Português Oral. Tese de Doutorado. Pós-Graduação do Instituto de

Letras da Universidade Federal da Bahia, Salvador, mimeo.

______. 2000. Aspectos da língua falada. Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, Salvador. mimeo.

HYMES, Dell. 1995. A cerca de la competencia comunicativa. In: LLOPERA, M. Llopera. Competência comunicativa: documentos básicos

en la ensenanza de lenguas extranjeras. Madrid: Edeselsa, p. 27-46.

JUBRAN, Clélia C. Alves Abreu Spinardi. 2006. A perspectiva textual interativa. In: JUBRAN, C. C. A. A. S.; KOCH, I. G. V. (orgs.), Gramática do português falado no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, p. 27-36.

KLEIBER, G.; SCHNEDECKER, C.; UJMA, L. 1991. L'anaphore associative, d'une conception a l'autre. In: SCHNEDECKER, C. et al (orgs.). L'Anaphore associative. Paris: Librairie Klincksieck, pp. 5-64.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça; ELIAS, Vanda Maria. 2006. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto.

______. 2004. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Contexto.

______. 2002. Introdução à lingüística textual. São Paulo: Martins Fontes.

______. 2001. Da fala para escrita: atividades de retextualização. São

Paulo: Cortez.

______. 1997. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto.

______. 1984. Argumentação e Linguagem. São Paulo: Cortez.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.