Engajamento sartreano e mímesis na Literatura: pontos e contrapontos

Fabiana Ferreira da Costa

Resumo


Este ensaio problematiza a consideração do filósofo Jean-Paul Sartre de que a literatura é a rigor “comprometida”. Para ele, escritor e sociedade se entrelaçam formando um elo refletido na literatura. Vendo a prosa como utilitária por essência, em que as palavras são instrumentos convencionais destinados a significar — tanto significar quanto falar, para Sartre, são agir. Assim, a palavra para o escritor “engajado” relaciona-se à mudança, à revelação.


Texto completo:

PDF

Referências


BAKTHIN, Mikhail. 1998. Questões de Literatura e Estética — A teoria do Romance. São Paulo: Editora Unesp.

COMPAGNON, Antoine. 2001. O Mundo. In: — O demônio da teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: UFMG, pp. 97-138.

ISER, Wolfang. 1996. O Ato da Leitura — Uma Teoria do Efeito

Estético. Trad. Johannes Kretschmer. São Paulo: Editora 34, vol.1.

JAUSS, Hans Robert. 1994. A história da literatura como provocação à teoria literéria. Trad. Sérgio Tellaroli. São Paulo: Editora Ática.

LIMA, Luiz Costa. 2000. Mímesis: desafio ao pensamento. Rio de

Janeiro: Civilização Brasileira.

______. 1980. Mímesis e modernidade: formas das sombras. Rio de

Janeiro: Edições Graal.

______. 1981. Representação social e mímesis. In: — Dispersa demanda. Rio de Janeiro: Francisco Alves, pp. 217-233.

SARTRE, Jean-Paul. 1993. Que é a Literatura? São Paulo: Ática.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.