A Contrução Pública do Conhecimento: Linguagem e Interação na Cognição Social

Jan Edson Rodrigues-Leite

Resumo


Este trabalho foca os processos de construção do conhecimento em iinterações face a face, em instituições escolares. O objetivo é demonstrar que a construção do conhecimento não é algo realizado individualmente, nem a conseqüência de pura internalização de informação, que é recebida, tratada e armazenada na mente dos alunos. A construção do conhecimento é, pelo contrário, de natureza essencialmente pública, ancorando-se em atividades social e interacionalmente situadas, através da negociação de versões da realidade e do compartilhamento de pressupostos comuns.


Texto completo:

PDF

Referências


CLARK, Herbert H. 1992. Arenas of Language Use. Chicago: Chicago UP.

______. 1996. Using Language. Cambridge: CUP.

FAUCONNIER, Gilles. 1994. Mental Spaces. Cambridge: CUP.

______. 1997. Mappings in Thought and Language. Cambridge: CUP.

FAUCONNIER, Gilles; TURNER, Mark. 2002. The way we think. Conceptual

blending and the mind’s hidden complexities. New York: Basic Books.

GOODWIN, Charles; DURANTI, Alessandro (orgs.). 1992. Rethinking

Context. language as an interactive phenomenon. Cambridge: CUP, p.142,

GUMPERZ, J. 1992, Contextualization and Understanding. In GOODWIN,

C.; DURANTI, A. (orgs.), Rethinking Context. language as an interactive phenomenon. Cambridge: CUP, p. 229-252.

GUMPERZ, John.; LEVINSON, Stephen. 1996. Rethinking Linguistic Relativity. Cambridge: CUP.

KOCH, Ingedore. 2001. A referenciação como atividade cognitiva e interacional. Anais do II Congresso Internacional da ABRALIN, UFC, Fortaleza.

______. 2002. Linguagem e Cognição: a construção e reconstrução de

objetos-de-discurso. Veredas, vol. 6, n.1, jan/jun 2002, p. 29-42.

KOCH, I.; CUNHA-LIMA, Maria Luiza. 2004. Do cognitivismo ao sociocognitivismo. In MUSSALIN, Fernanda; BENTES, Anna Christina (orgs), Introdução à Lingüística. Fundamentos Epistemológicos, Vol. 3. São Paulo: Cortez, p.251-300.

LAKOFF, George. 1987. Women, fire and dangerous things. Chicago/

London: The University of Chicago Press.

______; JOHNSON, Mark. 2002. [1980]. Metáforas da vida cotidiana.

Tradução Brasileira. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: EDUC.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. 2001. Atos de referenciação na interação face

a face. Anais do II Congresso Internacional da ABRALIN, UFC, Fortaleza.

______. 2004. O diálogo no contexto da aula expositiva: continuidade,

ruptura e integração. Recife (mimeo).

MONDADA, Lorenza. 2001. Pour une approche conversationnelle des

objets de discours. Anais do II Congresso Internacional da ABRALIN. Fortaleza: UFC.

______. 2002. Cognition et parole-en-interaction. Veredas. Vol.6, n. 1.

jan/jun, Juiz de Fora: Editora da UFJF, p.9-27.

OCHS, Elinor. 1979. Transcription as theory. In OCHS, E.; SCHIEFFELIN,

B. (eds), Developmental Pragmatics, New York: Academic Press, p. 43-72.

ONO, T.; THOMPSON, S. 1996. The dynamic nature of conceptual

structure building: evidence from conversation. In GOLDBERG, A, Conceptual structure, discourse and grammar. Stanford: CLSI.

SALOMÃO, Margarida. 1997. Gramática e Interação: o enquadre programático da hipótese sócio-cognitiva da linguagem. Veredas. UFJF. Vol. 1, no. l, p.23-39.

______. 1999. A questão da construção do sentido e a revisão da agenda dos estudos da linguagem. Veredas. UFJF. Vol. 3, no. 1, p.61-79.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.