Campo e Cidade em A Maçã no Escuro de Clarice Lispector

Ewerton de Freitas Ignácio

Resumo


Este artigo tem por fi nalidade analisar a conformação do campo e da cidade em A maçã no escuro (1961), de Clarice Lispector, tentando demonstrar que, ao invés de se oporem, esses dois espaços se complementam na narrativa, já que em ambos o sujeito se depara com a mesma realidade: incomunicabilidade entre os indivíduos, desconfi anças recíprocas, insulamento e solidão.

Texto completo:

PDF

Referências


BERMAN, Marshall. 1986. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. Trad. de Carlos Felipe Moisés; Ana Maria L. Ioratti. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras.

CARDOSO, Fernando Henrique et al. 1997. O Brasil republicano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

LISPECTOR, Clarice. 1998. A maçã no escuro. Rio de Janeiro: Rocco.

MARTINS, Gilberto Figueiredo. 2010. Estátuas invisíveis: experiências do espaço público na ficção de Clarice Lispector. São Paulo: Nankim; Edusp.

MUMFORD, Lewis. 2004. A cidade na história. Trad. de Neil R. da Silva. 4. ed. São Paulo: Companhia das Letras.

NUNES, Benedito. 1995. O drama da linguagem: uma leitura de Clarice Lispector. São Paulo: Ática.

RAMOS, Graciliano. 2003. Angústia. 56. ed. São Paulo: Record.

ROLNIK, Raquel. 2004. O que é cidade. São Paulo: Brasiliense.

SÁ, Olga de. 2000. A escritura de Clarice Lispector. 3. ed. Petrópolis: Vozes.

WIILLIAMS, Raymond. 1989. O campo e a cidade: na história e na literatura. Trad. de Paulo Henriques Britto. São Paulo: Companhia das Letras.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.