Entre o estrangeiro e o leitor: Quintana e a tradução

Mônica Luiza Socio Fernandes

Resumo


Este artigo discute questões relativas à tradução, procedimento caro à Literatura comparada. Em se tratando de poesia, é controversa a real possibilidade de tradução que oscila entre a necessidade de reproduzir o texto original e a de recriá-lo, indicando a complexidade em conciliar a literalidade com a literariedade. Trabalhando neste ofício, Quintana foi responsável por estabelecer inúmeros diálogos com a tradição literária, o que nos motivou nesta escolha, especialmente porque o poeta/tradutor deixou transparecer em seus textos refl exões sobre a difi culdade de se traduzir os sentidos sem perder as sugestões da combinação original de um poema.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROJO, Rosemary. 2003. Oficina de tradução: a teoria na prática. 4 ed. São Paulo: Ática.

BANANÉRE, Juó. 2001. La divina increnca. São Paulo: Editora 34 Ltda.

BORDINI, Maria da Glória. 1976. Mário Quintana tradutor. In: FACHINELLI, Nelson (org.). Mário Quintana vida e obra. Porto Alegre: Bels, p. 219-222.

______. 2009. O tradutor poeta. In: Cadernos de Literatura Brasileira: Mario Quintana. São Paulo: Instituto Moreira Sales, n. 25, p. 129-137.

CAMPOS, Haroldo de. 1977. A arte no horizonte do provável. 4 ed. São Paulo: Perspectiva.

CARVALHAL, Tania Franco. 2003. O próprio e o alheio: ensaios de literatura comparada. São Leopoldo: Unisinos.

CUNHA, Fausto. 1978. A leitura aberta: estudos de crítica literária. Rio de Janeiro: Cátedra; Brasília: INL.

ESTEBAN, Claude. 1991. Crítica da razão poética. Trad. Paulo Azevedo da Silva. São Paulo: Martins Fontes.

LARANJEIRA, Mário. 1993. A poética da tradução: do sentido à significância. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

LEPSCHY, Giulio. 1984. Linguagem – enunciação. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda. Enciclopédia 2.

LESSING, G. E. 1998. Laocoonte ou sobre as fronteiras da pintura e da poesia. Trad. Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Iluminuras.

MILTON, John. 1998. Tradução: teoria e prática. São Paulo: Martins Fontes.

NITRINI, Sandra. 2000. Literatura comparada: história, teoria e crítica. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

PAZ, Octávio. 1982. O arco e a lira. Trad. Olga Savary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

______. 1991. Convergências: Ensaios sobre arte e literatura. Trad. Moacir Werneck de Castro. Rio de Janeiro: Rocco.

PAES, José Paulo. 1990. A tradução literária no Brasil: a ponte necessária. São Paulo: Ática.

PAREYSON, Luigi. 1989. Os problemas de estética. Trad. Maria Helena Nery Garcez. São Paulo: Martins Fontes.

QUINTANA, Mario. 1998. Apontamentos de história sobrenatural. 6. ed. São Paulo: Globo.

______. 2005. Poesia completa. Tania Franco Carvalhal (Org.). Rio de Janeiro: Nova Aguilar.

SOURIAU, Étienne. 1983. A correspondência das artes: elementos de estética comparada. Trad. Maria Cecília Queiroz de Moraes Pinto e Maria Helena Ribeiro da Cunha. São Paulo: Cultrix.

STEEN, Edla van. 1981. Viver & escrever. Porto Alegre: L&PM.

STEINER, George. 1997. Qué es literatura comparada? in: Pasión intacta. Trad. Menchu Gutiérrez e Encarna Castejón. Barcelona: Siruela/Norma.

______. 2005. Depois de Babel: questões de linguagem e tradução. Trad. Carlos Alberto Faraco. Curitiba: UFPR.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.