A revitalização da epopeia na afirmação da identidade de Timor Lorosae: d’Os Lusíadas, de Luís de Camões, a Mauberíadas, de Xanana Gusmão

Manuel Ferro

Resumo


Há quase dois séculos que as vanguardas anunciam a morte da epopeia. Se na Europa é viável inclui-la no conjunto de géneros mortos, sem vitalidade, nem expressiva relevância desde o século XIX, o mesmo não se pode afirmar se forem tidas em linha de conta as literaturas de países que se foram gradualmente libertando do jugo colonialista e procuram construir a sua própria identidade nacional. Nesse sentido, e em tais contextos, a epopeia ainda é um género por excelência onde se põe à prova o estro poético do autor, ao mesmo tempo que este se afirma como porta-voz de uma comunidade com quem partilha a mundivisão e respetivos valores. Nalguns casos concretos da lusofonia, a epopeia continua a ser um modo de afirmação das idiossincrasias dos povos que a integram. Não admira, por isso, que Os Lusíadas constituam uma referência, um paradigma, um modelo a seguir ou a contestar, e Luís de Camões seja o poeta maior, colocado acima mesmo dos grandes épicos da Antiguidade Clássica. Ora, nesse diálogo estabelecido entre as literaturas lusófonas, no caso mais recente verificado com a independência de Timor Lorosae, é igualmente através da epopeia, e seguindo o arquétipo da obra camoniana, uma vez mais, que a identidade da cultura maubere se exprime. Ainda antes da independência alcançada, antes até do domínio indonésio, Xanana Gusmão compõe Mauberíadas, e através desse poema heroico, de exaltação do seu povo e da sua cultura, acaba por ser premiado. Assim, é do profícuo diálogo de culturas, estabelecido especificamente entre os dois poetas, cujo objetivo foi em ambos os casos o de afirmar e divulgar ao mundo a grandeza, a coragem e identidade da sua pátria, que se revitaliza um género que há muito se tem vindo a considerar morto.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, P.e Theodoro de. Lisboa Destruída. Poema. Lisboa: na Off. de Antonio Rodrigues Galhardo, 1803.

ANONIMO GENOVESE. Poesie. Roma: Ateneo, 1970.

BAKHTIN, Mikhail. “Epos e romance: sobre a metodologia do estudo do romance”. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Trad. de Aurora F. Bernadini et al. São Paulo: Editora UNESP, 41998.

BARBOSA, Damares. Roteiro da Literatura de Timor-Leste em Língua Portuguesa. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2013.

BRANDÃO, João. Majestade e grandezas de Lisboa em 1552. Archivo Histórico Portuguez. Lisboa, 1917, XI, p. 9-241.

BRITONIO, Girolamo. Vlybonæ regiæ Lusitaniæ urbis Carmen. Roma: s. n., 1546.

BURGESS, Theodore C.. “Epideictic Literature”. Studies in classical Philology. Chicago, III, 1902, p. 89-148.

CANAL, Martin da. Les estoires de Venice, cronaca veneziana in lingua francese dalle origini al 1275. Trad. it. di A. Limentani. Firenze: Olschki, 1972.

CASTRO, Gabriel Pereira de. Ulyssea ou Lisboa edificada. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000 (1.ª ed.: Lisboa: por Paulo Crasbeeck, 1636).

CESERANI, Remo, e DE FEDERICIS, Lidia. Il Materiale e l’Immaginario. Vol. 3: La Società Urbana. Torino: Loescher Editore, 1979.

CORREIA, Pezarat. “Portugal na hora da descolonização”. REIS, António (Dir.). Portugal Contemporâneo. Lisboa: Publicações Alfa, 1992, p. 160-168.

COSTA, Cláudio Manuel da. Vila Rica. PROENÇA FILHO, Domício (Org.), A Poesia dos Inconfidentes. Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar, 2002, p. 347-446.

DURÃO, José de Santa Rita. Caramuru. São Paulo: Martins Fontes Editora, 2000 (1ª ed.: Lisboa: na Regia Officina Typografica, 1781).

Enterrem o meu coração no Ramelau. Poesia de timor Leste. Cadernos da União de Escritores Angolanos, 2, s. d..

FASOLI, Gina. “La coscienza civica delle ‘Laudes civitatum”. La coscienza cittadina nei comuni italiani del Duecento. Atti dell’ XI Convegno del Centro di Studi sulla spiritualità medievale. Todi: Academia Tudertina, 1972, p. 9-44.

FERREIRA, Priscilla de Oliveira. Que Timor é este na literatura de Luís Cardoso?. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Letras, em Estudos da Literatura, Instituto de Letras da Universidade Federal de Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2014.

FREIRE, Braamcamp. “Intróito” a “Povoação da Estremadura no XVI.º século”. Archivo Histórico Portuguez. Lisboa: 1908.

FRETILIM. Timor Leste. Maputo: Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1981.

FRUCTUOSO, G.. Saudades da Terra (Vol.1-6), 1873. [S.l.]: Instituto Cultural de Ponta Delgada, Ponta Delgada, 1966.

GALVÃO, António. Tratado dos vários e diversos caminhos por onde nos tempos passados a pimenta e a especiaria veyo da Índia às nossas partes, e assim de todos os descobrimentos antigos e modernos que são feitos até à era de 1550. Lisboa: em casa de João da Barreira, 1563.

GAMA, Basílio da. Uraguai. Rio de Janeiro / São Paulo: Editora Record, 2003 (1ª ed.: 1769).

GARCIA, José Manuel. “O início dos contactos dos portugueses com Timor”. GARCIA, José Manuel. Descobrimentos. 600 anos do início da expansão portuguesa. Vol. 6: Os últimos grandes descobrimentos no Oriente. Vila do Conde: Verso da História, 2015, p. 29-33.

GARCIA, José Manuel & SEIXAS, Paulo Castro. “Marcas Portuguesas em Timor Lorosae”. TAMEN, Teresa (Coord.). Portugal e o mundo: o Futuro do Passado. 2. Timor Lorosae. Lisboa: Centro Nacional de Cultura / Agência Portuguesa de Apoio ao Desenvolvimento / Banco de Portugal, 2002, p. 51-93.

GODINHO, P.e Manuel. Relação do Novo Caminho que fez por terra e Mar vindo da Índia para Portugal no ano de 1663. Lisboa: por Jorge Rodrigues, 1665 (Reimpresso em Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1974).

GÓIS, Damião de. Hispaniæ siue de ubertate eius et potentia, aduersus Sebastiani Munsteri calumnias. Lovanii: apud Rutgerum Rescium, 1542.

______. Olisiponis descriptio. Évora: por André de Burgos, 1554.

______. Vrbis Lovaniensis Obsidio. Ulyssipone: apud Lodovicum Rhoterigium Typographum, 1546.

GOMES, Ana. “O presente em Timor Lorosae”. TAMEN, Teresa (Coord.). Portugal e o mundo: o Futuro do Passado. 2. Timor Lorosae. Lisboa: Centro Nacional de Cultura / Agência Portuguesa de Apoio ao Desenvolvimento / Banco de Portugal, 2002, p. 23-28.

GUSMÃO, José Alexandre. “Ao Maubere Operário”. FRETILIM. Timor Leste. Maputo: Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1981, p. 16-18.

______. “Caleidoscópio”. FRETILIM. Timor Leste. Maputo: Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1981, p. 30-32.

______. “Ensaio… I Parte”. A Voz de Timor. Sábado, 17 de Maio de 1975, p. 5.

______. “Ensaio… III Parte”. A Voz de Timor. 21 de Junho de 1975a.

GUSMÃO, José Alexandre (Sha’a Na Na). “Homenagem aos que tombaram”. FRETILIM. Timor Leste. Maputo: Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1981, p. 60-61.

GUSMÃO, José Alexandre. “Maubere”. FRETILIM. Timor Leste. Maputo: Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1981, p. 40-42.

GUSMÃO, José Alexandre (Sha’ Na Na). “Mauberíadas (Excertos)”. Enterrem o meu coração no Ramelau. Poesia de timor Leste. Cadernos da União de Escritores Angolanos, 2, s. d., p. 41-43.

GUSMÃO, Xanana. “Elegia ao Soldado Maubere”. Enterrem o meu coração no Ramelau. Poesia de timor Leste. Cadernos da União de Escritores Angolanos, 2, s. d., p. 40.

______. Mar Meu. Poemas e Pinturas / My Sea of Timor. Prefácio de Mia Couto. Porto: Granito, Editores e Livreiros, Ltda, 1998.

______. “Pátria”. MARCOS, Artur. Timor Timorenses. Lisboa: Edições Colibri, 1995, p. 205.

______. “Poema (Pisaste um dia a terra descalça)”. MARCOS, Artur. Timor Timorenses. Lisboa: Edições Colibri, 1995, p. 206-207.

______. “Povo sem Voz”. MARCOS, Artur. Timor Timorenses. Lisboa: Edições Colibri, 1995, p. 208.

______. Timor-Leste – Um Povo, uma Pátria. Lisboa: Colibri, 2002.

HOLANDA, Francisco de. Da fabrica que falece a cidade de Lisboa. Madrid: Archivo Español de Arte y Arqueologia, n.º 15, 1929.

______. Da fabrica que fallece á cidade de Lisboa: Da sciencia do desenho. Porto: Imprensa Portugueza, 1879.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do Paraíso. São Paulo: Editora Brasiliense, 62002 (1ª ed.: 1959).

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1991.

HYDE, J. K.. “Medieval Descriptions of Cities”. Bulletin of the John Rylands Library, 48, 1966, p. 308-340.

IGLÉSIAS, Francisco. "A Obra". COSTA, Cláudio Manuel da. Melhores Poemas. São Paulo: Global Editora, 2000, p. 11-23.

ITAPARICA, Fr. Manuel de Santa Maria de. Descripçaõ da Ilha de Itaparica, Termo da Cidade da Bahia. S. l.: s. ed., 1769ª.

______. Eustachidos. Poema Sacro e Tragicomico, em que se contèm a Vida de S.to Eustachio Martyr, Chamado antes Placido, e de sua Mulher, e Filhos. S. l.: s. ed., 1769.

LUKÁCS, Georg. A Teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Trad. br. de José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Duas Cidades, Ed. 34, 2000.

MACEDO, Antonio de Sousa de. Ulyssippo. Poema Heroico. Lisboa: por Antonio Alvarez, 1640.

MARCOS, Artur. Timor Timorenses. Lisboa: Edições Colibri, 1995.

MATTOSO, José. A Dignidade. Konis Santana e a Resistência Timorense. Lisboa: Círculo de Leitores, 2005.

NASCIMENTO Aires A.. “Apresentação”, a GÓIS, Damião de. Elogio da Cidade de Lisboa. Vrbis Olisiponis Descriptio. Lisboa: Guimarães Editores, 2002, p. 43-72.

NEIVA, Saulo (Éd.). Avatares da epopeia na poesia brasileira do final do século XX. Recife: Fundação Joaquim Nabucco / Ed. Massangana, 2009.

______. (Éd.). Déclin & confins de l’épopée au XIXe siècle. Tübingen: Gunter Narr, 2008.

______. (Éd.). Désirs & débris d’épopée au XXe siècle. Berne: Peter Lang, 2008.

NEIVA, Saulo, & MONTANDON, Alain (Dir.). Dictionnaire raisonné de la caducité des genres littéraires. Genève: Droz, 2014.

OLIVEIRA, Manuel Botelho de. Música do Parnaso. Cotía (SP): Ateliê Editorial, 2005a.

______. Poesia Completa. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

OLIVEIRA, Frei Nicolau de. Livro das Grandezas de Lisboa. Lisboa: por Jorge Rodrigues, 1620.

[PAVIA, João de]. Descrição da Cidade de Viseu. Suas antiguidades e cousas notáveis que contém em si e seu Bispado, composta por um Natural. Viseu: Câmara Municipal de Viseu, 2002.

PINHO, Sebastião Tavares de. “A descrição camoniana da Europa e a cartografia ginecomórfica”. PINHO, Sebastião Tavares de. Decalogia Camoniana. Coimbra: Centro Interuniversitário de Estudos Camonianos, 2007, p. 133-170.

QUEIROGA, Mariene; SOUZA, Marinete; BERNARDO FILHO, João. “Nacionalidade, identidade e recusa em Mar Meu, poemas e pinturas”. KONA BA, Hatene. Compreender, Understanding, Mengerti Timor Leste. Vol. I. Hawthorn: Swinburne Press, 2014, p. 158-163.

RAMALHO, Américo da Costa. Estudos sobre a Época do Renascimento. Coimbra: Instituto de Alta Cultura, 1969.

RAMALHO, Miguel Maurício. Lisboa Reedificada. Lisboa: Na Regia Oficina Tipográfica, 1780.

RAMOS, Ana Margarida. “Literatura Timorense: da Emergência à Legitimação”. Caderno Seminal Digital, Ano 18, nº 18, v. 18, Jul. - Dez. 2012, p. 149-160.

Relação da Jornada de el-rei D. Sebastião e do aparato e armada e gente que por seu mando se fez passar à África, no ano de 1578. Bibliophilo, Lisboa: Abril, 1849.

RESENDE, André de. Encomium urbis et Academiæ Louaniensis. Antuérpia: por João Grafeu, 1530.

______. História da Antiguidade da cidade de Évora. Évora: por André de Burgos, 1553.

RESENDE, Manuel Marques. Espelho da Corte, ou hum breve mappa de Lisboa, no qual epilogadamente se mostraõ, e retrataõ as suas grandezas, e hum abbreviado elogio, e verdadeiro copia dos bons costumes de seus habitadores, em hum Dialogo curioso, e aprazivel. Lisboa Ocidental: na Oficina da Música, 1730.

RIVA, Bonvesin de la. Le meraviglie di Milano. Milano: Bompiani, 1974.

SALVATORELLI, Luigi. “Arti e lettere nella Prima metà del secolo XIII”. SALVATORELLI, Luigi. Sommario della Storia d’Italia. Torino: Einaudi, 121969, p. 163-166.

SAMARTIM, Roberto López-Iglésias. "Poemas e Pinturas de Guerra. Mar Meu de Xanana Gusmão". Agália. Revista de Ciências Sociais e Humanidades, vol. 73/74, 2003, p. 223-234.

SANDE, P.e Duarte de. Da Embaixada Japonesa à Cúria Romana, e das coisas observadas na Europa e em toda a viagem. Diálogo coligido do Diário da mesma Embaixada e vertido na língua latina pelo P.e Duarte de Sande, da Companhia de Jesus, impresso em Macau no Império da China, na Casa dos Jesuítas, com licença do ordinário e dos superiores, em 1590. In Macaensi portu: in domo Societatis Iesu, 1590 (reeditado por RAMALHO, Américo da Costa. Diálogo sobre a missão dos embaixadores japoneses à Cúria Romana. Macau: Comissão Territorial de Macau para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses / Fundação Oriente, 1997).

SEIXAS, Paulo Castro. “Portugueses na transição”. TAMEN, Teresa (Coord.). Portugal e o mundo: o Futuro do Passado. 2. Timor Lorosae. Lisboa: Centro Nacional de Cultura / Agência Portuguesa de Apoio ao Desenvolvimento / Banco de Portugal, 2002, p. 33- 50.

SILVA, Fabio Mario da. “Meu Mar – Timor: representações de um sofrimento histórico nas poéticas de Fernando Sylvan e Xanana Gusmão”. Athena, n.º 2, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT, Campus de Tangará da Serra, 2012, p. 1-11.

SOUZA, Marinete Luzia Francisca de. “As múltiplas identidades de Timor Lorosa’e: língua, literatura e cultura / Les multiples identités du Timor Lorosa’e: langue, littérature et la culture”. Tabuleiro de Letras. PPGEL – Salvador: Vol. 8, n.º 2, Dezembro de 2014, p. 16-30.

SPENGEL, Leonhard von. Rhetores Graeci, III. Lipsiae: sumptibus et typis B. G. Teubneri, 1853, p. 331-446.

SYLVAN, Fernando. “Presente e Futuro da Palavra Maubere”. MARCOS, Artur. Timor Timorenses. Lisboa: Edições Colibri, 1995, p. 181-184.

TEIXEIRA, Bento. Prosopopeia. João Pessoa: Idéia, Editora Universitária, 2004 (1ª. ed.: 1601).

TAMEN, Teresa (Coord.). Portugal e o mundo: o Futuro do Passado. 2. Timor Lorosae. Lisboa: Centro Nacional de Cultura / Agência Portuguesa de Apoio ao Desenvolvimento / Banco de Portugal, 2002.

TOMÁS, Manuel. A Insulana. Em Amberes: Em Caza de Ioam Mevrsio Impreffor, 1635.

VASCONCELOS, Francisco de Paula Medina e. Zargueida. Lisboa: Na Oficina de Simão Thaddeo Ferreira, 1806.

VASCONCELOS, Luís Mendes de. Do sitio de Lisboa: sua grandeza, povoação e comunicação. Lisboa: por Luiz Estupiñan, 1608.

VILLANI, Giovanni. Nuova Cronica. Vol. I-III. Milano: Guanda, 1991.

WALZ, Christian (Ed.). Rhetores Graeci, IX. Stuttgartiae: Sumtibus J. G. Cottae, [1832-36], p. 127-330.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.