A marcação de gênero em quatro variedades do português: fatos sócio-históricos

Ícaro Bismarck Lopes, Danniel Carvalho

Resumo


O presente estudo visa descrever um possível contínuo na marcação de gênero do crioulo falado em Cabo Verde, e no português nas comunidades rurais afrodescendentes de Muquém (AL) e de Helvécia (BA), e da cidade de Salvador, Bahia. Com essa comparação, verificaram-se as semelhanças e diferenças na marcação do gênero, estabelecendo paralelos entre processos de mudança na morfossintaxe nessas comunidades que passaram por um amplo e profundo contato linguístico em sua história.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTAVILA, J. de. História da civilização das Alagoas. Maceió: EDUFAL, 1988.

ANDRADE, E. Les Îles du Cap-Vert: De la “Découverte” à l’Indépendance Nationale (1460–1975). Paris: L’Harmattan, 1996.

BAPTISTA, M. The Syntax of Cape Verdean Creole: the Sotavento varieties. Amsterdam: John Benjamins, 2002.

BAXTER, A.; LUCCHESI, D. Un paso más hacia la definición del pasado criollo del dialecto afro-brasileño de Helvécia (Bahia). In: Zimmermann, K. (Org.) Lenguas criollas de base lexical española y portuguesa. Frankfurt am Main: Vervuert, 1999. p. 119-141.

BICKERTON, D. Creole Languages and the Bioprogram. In: NEWMEYER, F. (Org.). Linguistics: The Cambridge survey. V. 2. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.

BISMARCK LOPES, I. C. A concordância nominal de número no falar dos moradores da comunidade Muquém – AL: uma abordagem sociolinguística. Maceió, 2011. 36f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Letras – Português) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Alagoas.

CUNHA, A. S. de A. Presença e contribuição das línguas negro-africanas na constituição do português do Brasil: a alegada origem crioula e a variedade popular da língua falada nas terras de preto. Anais da Abanne, São Luís, Maranhão, 2003.

DEGRAFF, M. (ed.) Language Creation and Language Change: Creolization, Diachrony and Development. Cambridge, MA: MIT Press, 1999.

FERREIRA, C. Remanescentes de um falar crioulo brasileiro. In: FERREIRA, C. et al. (Org.) Diversidade do português do Brasil. Salvador: EDUFBA, p. 21-32, 1984.

FREITAS, D. República de Palmares: pesquisa e comentários em documentos históricos do século XVII. Maceió, EDUFAL, 2004.

FUNARI, P. P. A arqueologia de Palmares: sua contribuição para o conhecimento da cultura afro-americana. In: REIS, J. J. ; GOMES, F. S. (Org.). Liberdade por um fio: a história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

HOLM, J. Pidgins and Creoles. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.

HUDSON, R.A. Sociolinguistics. Cambridge: Cambridge University Press, 1980.

KIHM, A. Kriyol Syntax: The Portuguese-based Creole Language of Guinea-Bissau.

Amsterdam and Philadelphia: John Benjamins, 1994.

LOBO, T. Imigrantes portugueses na Bahia no século XIX: manutenção ou reestruturação de gramática? GELNE. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2000.

LOPES, N. S. Concordância nominal, contexto linguístico e sociedade. 2001. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

LUCCHESI, D. A variação na concordância de gênero em uma comunidade de fala afro-brasileira: Novos elementos sobre a formação do português popular do Brasil. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000.

______. A concordância de gênero. In: LUCCHESI, D., BAXTER, A; RIBEIRO, I. (Org.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009.

MATTOSO, K. Família e sociedade na Bahia do século XIX. São Paulo: Corrupio/Brasília: CNPQ, 1988.

______. Bahia, século XIX: uma província no Império. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

PESSOA DE CASTRO, Y. A influência das línguas africanas no português brasileiro. In: Secretaria Municipal de Educação - Prefeitura da Cidade do Salvador (Org.). Pasta de textos da professora e do professor. Salvador: Secretaria Municipal de Educação, 2005.

PRICE, R. Palmares como poderia ter sido. In: REIS, J. J. ; GOMES, F. S. (Org.). Liberdade por um fio: a história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Cia. das letras, 1995.

SALGADO, S.S. A concordância entre sujeito e predicativo do sujeito na fala da comunidade quilombola de Muquém AL: estudo sócio-histórico lingüístico. 2010. Dissertação (Mestrado em Linguística)– Faculdade de Letras, Universidade Federal de Alagoas, Maceió.

SANTOS, D. N. O uso da variante /e/ no final das palavras monossilábicas Deus e mais por falantes da comunidade Muquém. 36f. 2004. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Letras) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Alagoas, Maceió.

VIANA FILHO, L. O negro na Bahia: um ensaio clássico sobre a escravidão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

ZIMMERMANN, K. O português não-padrão falado no Brasil: a tese da variedade pós-crioula. In: Zimmermann, K. (org.) Lenguas criollas de base lexical española y portuguesa. Frankfurt am Main: Vervuert: 441-476, 199


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.