Variação de registro e orações relativas na passagem do texto oral ao escrito: relato de experiência didática

Filomena Varejão

Resumo


Este artigo apresenta experiência didática a partir da técnica de retextualização como metodologia de ensino/aprendizagem da escrita de entrevistas (semi)formais capturadas em áudio. O processo resultou em reflexões didaticamente orientadas sobre a natureza da fala e da escrita como modalidades graduais e sobre certas estruturas variáveis na morfossintaxe do português brasileiro, especificamente, sobre estratégias de relativização.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO-CHIUCHI, A. C. O uso de vírgulas: evidências da heterogeneidade da escrita. In: Revista Estudos Linguísticos, São Paulo, 40 (2): p. 488-497, mai-ago 2011.

BAGNO, Marcos. Gramática, pra que te quero? Conhecimentos linguísticos nos livros didáticos de português. Curitiba: Aymará, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetro Curricular Nacional de Códigos e Linguagens. Brasília, 1998.

BORTONI-RICARDO, S. Educação em língua materna: a Sociolinguística em sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

CASTILHO, Ataliba de. A língua falada no ensino de português. São Paulo: Contexto, 2003.

CORREA, V. R. Orações relativas: o que se sabe e o que se aprende no português do Brasil. Tese de Doutorado, IEL, UNICAMP, 1998.

DIAS, C. S. D. O valor multifuncional do pronome relativo onde. In: Estudos da linguagem: atualidades e paradoxo. Rio de Janeiro: ASSEL, 1998, p. 21-26.

DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia & SERRA, Carolina Ribeiro. Gramática(s), ensino de português e “adequação linguística”. Matraga. Rio de Janeiro, v.22, n.36, jan/jun. 2015.

GOUVÊA, L. H. M. Construções relativas na escrita padrão. (mimeo)

KATO, M. A. Aquisição e aprendizagem da língua materna: de um saber inconsciente para um saber metalinguístico. In: GRIMM CABRAL, L. & MORAIS, J. (orgs.). Investigando a linguagem, Florianópolis, Ed. Mulheres, 1999, p. 201-213.

KOCH, I. Interferências da oralidade na aquisição da escrita. Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, n. 30, jul. /dez. 1997.

MARCUSCHI, L. A. Análise da conversação. São Paulo: Ática, 1986.

______. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2010.

NEVES, M. H. de M. Que gramática estudar na escola? Norma e uso na língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2003.

ROCHA LIMA. Gramática normativa da língua portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio, 39ª edição, 1972.

SILVA, H. S. Aprendizagem e uso das relativas convencionais. In: Revista Diadorim, Rio de Janeiro: UFRJ, v. 6, 2009, p. 165-180.

VALE, M. J. Q. Estratégias de relativização na fala de adultos maranhenses. Tese de doutorado, UFRJ, Rio de Janeiro, 2014.

VAREJÃO, F. Variação das estruturas de concordância verbal e das estratégias de relativização no português europeu popular. Tese de doutorado, UFRJ, Rio de Janeiro, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.